Tratamento cirurgico de traumatismo cranioencefálico com afundamento no Brasil nos anos de 2014 a 2018 / Surgical treatment of cranioencephalic traumatism with sinking in Brazil from 2014 to 2018

Stephanie Guardabassio de Oliveira, Amanda Oliva Spaziani, Raissa Silva Frota, Cleber José de Freitas, Marcelo Vargas de Matos, Karinne Silva e Souza, Laércio Soares Gomes Filho, Luis Carlos Spaziani, Maurício José Medeiros

Abstract


O traumatismo cranioencefálico (TCE) é uma agressão traumática que gera uma lesão anatômica, como fratura de crânio ou lesão do couro cabeludo, podendo acarretar no comprometimento funcional das meninges, encéfalo ou seus vasos. Objetivou-se identificar  as possíveis causas de incidência de TCE e suas implicações no Brasil em suas respectivas regiões. Foi realizado levantamento de estudos descritivos dos casos do tratamento cirúrgico de fratura do crânio com afundamento registrados no Sistema de Informação de Agravos de Notificação (SINAN), datando de 1º de janeiro de 2014 a 31 de dezembro de 2018 com taxas de internação segundo as regiões do Brasil, taxa de internações por região segundo caráter de atendimento e internações por região segundo a complexidade de 2014 a 2018 com base nos registros do Sinan e Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Estima-se no Brasil que 150 mil mortes por ano são acarretados por causa do traumatismo crânio encefálico. As causas do TCE estão relacionadas com fatores externos, sendo os principais: acidentes automobilísticos (50%), quedas (30%), agressões físicas (20%) como ferimentos por arma de fogo e armas brancas. Os cuidados e reabilitação do TCE evoluíram substancialmente nos últimos 20 anos e a necessidade de reabilitação especializada é amplamente aceita. O procedimento cirúrgico está indicado para a remoção de hematomas que possua um abcesso de tamanho significativo podendo deslocar estruturas intracraniana, assim, elevando a pressão intracraniana (PIC). A craniotomia descompressiva (CD) é método cirúrgico utilizado para redução imediata da PIC, sendo indicada para o TCE. A prevenção continua sendo a medida mais eficaz para diminuir a incidência do trauma encefálico, isso inclui a utilização de cinto de segurança e airbags nos automóveis, assim como o uso de capacetes para os motociclistas.


Keywords


Traumatismo cranioencefálico. Tratamento cirúrgico. Craniotomia descompressiva.

References


ASTRAND, R.; ROSENLUND, C.; UNDÉN, J. Scandinavian guidelines for initial management of minor and moderate head trauma in children. BMC Medicine. 2016. Disponível em: . Acesso em 15/jan/2020.

BROCK, R. S. Traumatismo craniano pode causar perda da consciência e falas desconexas. 2017. Disponível em: . Acesso em: 14/jan/2020.

CAL, H. Traumatismo cranioencefálico: conheça novidades no tratamento (Congresso de Neurologia). 2018. Disponível em: . Acesso em: 15/jan/2020.

CANTO, M. C. D, et al. Fatores associados à mortalidade do paciente com traumatismo cranioencefálico moderado e grave na unidade de terapia intensiva do hospital governador Celso Ramos. Difusão do conhecimento através das diferentes áreas da medicina 4. Atena Editora. Paraná. 2019. Disponível em: . Acesso em: 14/jan/2020.

EBSERH. Reabilitação fisioterapêutica nos pacientes com diagnóstico de traumatismo cranioencefálico. Minas Gerais. 2018. Disponível em:. Acesso em: 15/jan/2020.

FALEIRO, R. M.; MARTINS, L. R. V. Craniotomia descompressiva: indicações e técnicas. Rev Med Minas Gerais. Pág. 509-514. Minas Gerais. 2014. DOI: 10.5935/2238-3182.20140143. Disponível em: . Acesso em: 15/jan/2020.

FERRUCCI, J. L, et al. Comparison between the functional aspects of swallowing and clinical markers in ICU patients with Traumatic Brain Injury (TBI). CoDAS. 2019. DOI: 10.1590/2317-1782/20182017278 Disponível em: . Acesso em: 12/jan/2020.

FREITAS, A. D.; FRANZON, O. Lactate as predictor of mortality in polytrauma. ABCD, arq. bras. cir. dig. vol.28 no.3. São Paulo. 2015. Disponível em: . Acesso em: 14/jan/2020.

GIL, A. C. Como elaborar projetos de pesquisa. 4.ed. São Paulo: Atlas, 2009.

GINO, M. D.; VANNOZZI, R. La craniectomia decompressiva nel trauma cranio encefalico. 2016. Disponível em: . Acesso em: 14/jan/2020.

IBGE. Cidades e Estados. Disponível em: . Acesso em: 10/jan/2020.

MAGALHÃES, A. L. G, et al. Epidemiologia do traumatismo cranioencefálico no brasil. Rev Bras Neurol. vol. 53. pág. 15-22. Minas Gerais. 2017. Disponível em: . Acesso em: 14/jan/2020.

MINISTÉRIO DA SAÚDE. Diretrizes de Atenção à Reabilitação da Pessoa com Traumatismo Cranioencefálico. Brasília. 2015. Disponível em: . Acesso em: 14/jan/2020.

MOURA, E. C. D. O que há de novo no ATLS 10ª edição? [ABRAMEDE 2018]. 2018. Disponível em: . Acesso em: 15/jan/2020.

PASSOS, M. S. D. C, et al. Clinical and Sociodemographic Profile of Traumatic Brain Injury Victims Attended on Emergency Red Area from a Hospital Reference in Trauma of Sergipe. Arq Bras Neurocir. vol. 34. pág. 274–279. Sergipe. 2015. DOI http://dx.doi.org/ 10.1055/s-0035-1564886. Disponível em: . Acesso em: 14/jan/2020.

PEREIRA, M.; SANTOS, B. Trauma crânio-encefálico. Portugal. 2015. Disponível em: . Acesso em: 15/jan/2020.

RAMALHO, J.; CASTILLO, M. Dementia resulting from traumatic brain injury. Dement. neuropsychol. vol.9 no.4. São Paulo. 2015. Disponível em: . Acesso em: 14/jan/2020.

RESENDE, M. A, et al. Análise da prevalência do traumatismo cranioencefálico no norte de Minas Gerais. Anais do I congresso norte mineiro do trauma. Minas Gerais. 2018. Disponívl em: . Acesso em: 14/jan/2020.

RODRIGUES, R. O. Estima-se no Brasil que 150 mil mortes por ano são acarretados por causa do traumatismo crânio encefálico. Porto Alegre. 2016. Disponível em: . Acesso em: 14/jan/2020.

ROGUSKI, M, et al. Magnetic resonance imaging as an alternative to computed tomography in select patients with traumatic brain injury: a retrospective comparison. J Neurosurg Pediatr. vol. 15. pág. 529–534. 2015. DOI: 10.3171/2014.10.PEDS14128. Disponível em: . Acesso em: 15/jan/2020.

SALLES, I. C. D. Serviço de Reabilitação ajuda pacientes que tiveram traumatismo cranioencefálico a retomarem atividades diárias. 2016. Disponível em: . Acesso em: 15/jan/2020.

SILVA, S. R. A. D, et al. The head trauma brain moderate and severe. Intesa. Vol. 9. Núm. 1. Pág. 38–42. Paraíba. 2015. Disponível em: . Acesso em: 15/jan/2020.

ODGAARD, L, et al. Surviving severe traumatic brain injury in Denmark: incidence and predictors of highly specialized rehabilitation. Dove Press Journal: Clinical Epidemiology. Vol 7. Pág. 225-234. 2015. DOI https://doi.org/10.2147/CLEP.S78141. Disponível em: < https://www.dovepress.com/surviving-severe-traumatic-brain-injury-in-denmark-incidence-and-predi-peer-reviewed-article-CLEP>. Acesso em: 15/jan/2020.

OLIVERTINO, P. M. Conduta fisioterapêutica em crianças com traumatismo cranioencefálico submetidas a maus tratos. Minas Gerais. 2018. Disponível em: . Acesso em: 14/jan/2020.

WILBERGER, J. E.; MAO, G. Trauma cranioencefálico (TCE). 2017. Disponível em: . Acesso em: 14/jan/2020.

WHO. World Health Organization. Guidelines for trauma quality improvement programmes. 2009. Disponível em: . Acesso em: 14/jan/2020.




DOI: https://doi.org/10.34119/bjhrv3n2-003

Refbacks

  • There are currently no refbacks.