Utilização do levantamento rápido de índice para Aedes aegypti (LIRAa) como ferramenta de vigilância à introdução do vírus Chikungunya em Recife/ Using the fast survey of the Aedes aegypti rate (LIRAa) as a monitoring tool of Chikungunya virus introduction in Recife

Maria Beatriz Araújo Silva, Laila Araújo Nunes de Almeida, Nathalya Patrícia da Silva Nunes, Geane Maria de Oliveira Gonçalves Ferreira, Louisiana Regadas de Macedo Quinino, Katiuscia Araújo de Miranda Lopes, Maria Isabelle Barbosa da Silva Brito

Abstract


Objetivo: descrever o levantamento rápido de índices para Aedes aegypti no período de 2014-2015 como ferramenta de vigilância epidemiológica à introdução do vírus Chikungunya em Recife-PE. Métodos: estudo descritivo, retrospectivo e que teve como base os resultados do levantamento rápido de índice para Aedes aegypti nos oito Distritos Sanitários do Recife-PE, obtidos no Centro de Vigilância Animal da Secretaria Estadual da cidade do Recife. Os dados foram incluídos em planilhas eletrônicas utilizando o programa Microsoft Excel versão 2015 e utilizando o ARCMAP versão 1.0 para a elaboração dos mapas e análises dos focos. Resultados: totalizou-se 94 bairros estudados, sendo que 54 bairros (57,45%) ofereceram risco muito alto de infestação do vetor. O grupo de depósitos que predominou foi o A2, caracterizado por vasos/frascos com água, pratos, garrafas e outros, exceto no levantamento de 02/2015 no qual o distrito sanitário III apresentou a mesma quantidade de recipientes A2 (depósitos de água ao nível do solo) e B (depósitos móveis). Conclusão: observou-se comprometimento progressivo em alguns bairros do município e destacou a importância entomo-epidemiológica dos criadouros predominantes, para que as ações sejam direcionadas junto com a participação social no combate ao vetor.


Keywords


Infecções por Arbovirus; Vírus Chikungunya; Aedes; Vigilância em Saúde Pública.

References


Ministério da Saúde (BR). Secretaria de Vigilância em Saúde. Departamento de Vigilância das Doenças Transmissíveis. Nota Técnica nº 162/2010. CGPNCD/ DEVEP/SVS/MS. Brasília; 2010.

Pastorino B, Muyembe-Tamfum JJ, Bessaud M, Tock F, Tolou H, Durand JP, Peyrefitte CN. Epidemic resurgenceof Chikungunya virus in Democratic Republic of the Congo: identification of a new central African strain. J Med Virol. 2004; 74:277–82.

Brasil. Ministério da Saúde. Preparação e Resposta à Introdução do Vírus Chikungunya no Brasil. Brasília/DF; 2014a.

Pinto Junior VL. Dengue e Chikungunya: coexistência possível no Brasil. Revista de medicina e saúde de Brasília. 2014 jan.;3(1):2-3.

Brasil. Portaria nº 1.271, de 6 de junho de 2014: define a Lista Nacional de Notificação Compulsória de doenças, agravos e eventos de saúde pública nos serviços de saúde públicos e privados em todo o território nacional. Diário Oficial. jun. 6 (108):1677-7042, 2014b.

Brasil. Secretaria de Vigilância em Saúde − Ministério da Saúde. Boletim Epidemiológico. 45(31), 2014. [acesso em 2015 dez. 09]. Disponível em http://portalsaude.saude.gov.br/images/pdf/2015/janeiro/02/2014-039--Dengue-SE-47.

Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Departamento de Vigilância das Doenças Transmissíveis. Plano de Contingência para a Introdução do Vírus Chikungunya. Brasília; 2014c.

Ferreira EA, Machado G, Machado CBG. Levantamento Rápido do Índice de Infestação por Aedes Aegypti (LIRAA) da Zona Oeste de Londrina/PR para o Período 2010-2013. [S. n. t].

Brasil. Ministério da Saúde. Portal Brasil: Ministério da Saúde intensifica medidas de controle da febre Chikungunya [Internet]. Brasília; 2014 [acesso em 2014 out. 18]. Disponível em: http://www.brasil.gov.br/saude/2014/09/ministerio-da-saude-intensifica-medidas-de-controle-da-febre-chikungunya.

Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Diretrizes nacionais para prevenção e controle de epidemias de dengue. Brasília; 2009.

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Cidades [Internet]. Rio de Janeiro: [s.d.] [acesso em 2015 maio 29]. Disponível em: http://cidades.ibge.gov.br/xtras/perfil.php?codmun=261160.

Instituto Nacional de Meteorologia. Climatologia [Internet]. Brasília; [s.d.] [acesso em 2015 jun. 12]. Disponível em: http://www.inmet.gov.br/portal/.

Prodanov CC, Freitas EC. Metodologia do trabalho científico [recurso eletrônico]: métodos e técnicas da pesquisa e do trabalho acadêmico. 2. ed. Novo Hamburgo: Feevale, 2013.

Lutinski JA, Zanchet B, Guarda C. Infestação pelo mosquito Aedes aegypti (Diptera: Culicidae) na cidade de Chapecó – SC. Biotemas [Internet] 2013 [acesso em 2015 jun. 4];26 (2):143-151. Disponível em: https://periodicos.ufsc.br/index.php/biotemas/article/viewFile/2175-7925.2013v26n2p143/24703.

Carneiro, LIS; Candeias, ALB. Análise de dados socioeconômicos e ambientais na Cidade do Recife e a dengue no período: 2000-2006In: III Simpósio Brasileiro de Ciências Geodésicas e Tecnologias da Geoinformação, 2010 jul. 27-30, Recife. [Internet]. Recife: UFPE; 2010. Disponível em: https://www.ufpe.br/cgtg/SIMGEOIII/IIISIMGEO_CD/artigos/CartografiaeSIG/SIG/A_32.pdf.

Tauil PL. Aspectos críticos do controle do dengue no Brasil. Cadernos de Saúde Pública 2002;18(3):867- 871.

Ault SK. Environmental management: a re-emerging vector control strategy. Am J Trop Med Hyg. 1994;50(Suppl):35-49.

Almeida AS, Medronho RA, Valencia LIO. Análise espacial da dengue e o contexto socioeconômico no município do Rio de Janeiro, RJ [Internet]. Rev. Saúde Pública 2009 ago. [acesso em 2015 jun. 5];43(4):666-73. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0034-89102009000400013.

Cunha MCM, Caiaffa WT, Oliveira CL, Kroon EG, Pessanha JEM, Lima JÁ, Proietti FA. Fatores associados à infecção pelo vírus do dengue no Município de Belo Horizonte, Estado de Minas Gerais, Brasil: características individuais e diferenças intra-urbanas. Revista Epidemiologia e Serviços de Saúde 2008;17(3):217-230.

Machado JP, Oliveira RM, Souza-Santos R. Análise espacial da ocorrência de dengue e condições de vida na cidade de Nova Iguaçu, Estado do Rio de Janeiro, Brasil. Cadernos de Saúde Pública 2009;25(5):1025-34.

Freitas RM, Rodrigues CS, Almeida MCM. Estratégia intersetorial para o controle da dengue em Belo Horizonte (Minas Gerais), Brasil. Saúde e Sociedade 2011;20(3):773-785.

Oliveira ES, Amaral LP. Estudo da relação dos fatores climáticos e casos de dengue no município de Assis Chateaubriand, Paraná. Engenharia Ambiental 2011;8,(2):171-81.

Teixeira MG, Barreto ML, Guerra Z. Epidemiologia e Medidas de Prevenção do Dengue. Informe Epidemiológico do SUS [Internet] 1999 [acesso em 2015 jun. 5];8(4):5-33. Disponível em: http://scielo.iec.pa.gov.br/pdf/iesus/v8n4/v8n4a02.pdf.

Chadee DD, Ward RA, Novak RJ. Natural habitats of Aedes aegypti in the Caribbean: a review. J Am Mosq Control Assoc 1998;14: 5-11.

Brito M, Forattini OP. Produtividade de criadouros de Aedes albopictus no Vale do Paraíba, SP, Brasil. 2004. Rev Saúde Pública [Internet] 2004 [acesso em 2015 jun. 1]; 38(2):209-15. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/rsp/v38n2/19780.pdf.

Rossi JCN, Silva AM. Diversidade de criadouros frequentados por Aedes aegypti e aedes albopictus no estado de santa catarina, período de 1998 a 2007 [Internet]. Santa Catarina: Secretaria de Saúde; [s.d.] [acesso em 2015 jun. 8]. Disponível em: http://www.dive.sc.gov.br/conteudos/publicacoes/tcc/Diversidade_de_criadouros_frequentados_por_aedes_aegypti_e_aedes_albopictus_SC.pdf.

Soares VARC, Rodrigues WC, Cabral MM. O. Estudos de áreas e depósitos preferenciais de Aedes albopictus (Skuse, 1894) e Aedes A. aegypti (LinnA.us, 1762) no município de Paracambi, Rio de Janeiro, Brasil. Revista Entomo Brasilis 2008;1(3):63-8.

Scandar SAS. Análise espacial da distribuição dos casos de dengue e a relação com fatores entomológicos, ambientais e socioeconômicos no município de São José do Rio Preto – SP- Brasil [tese] São Paulo: Universidade de São Paulo; 2007.

Schreiber ET, Chamberlain S, Thomas R, Parsons R, Baker G. Surveyson artificial container inhabitingmosquitoes in Sarasotaand Tallahassee, Florida. ICharacterizationsoflarval habitats. J Florida Mosq ControlAssoc.1975; 63:9-14.

Focks DA, Sackett SR, Bailey DL, Dame DA. Observations on container-breeding mosquitoes in New Orleans, Louisiana, with anestimate of the population density of Aedes aegypti (L.). Am J Trop Med Hyg. 1981; 30:1329-35.

Macoris MLG, Andrieghetti MTM, Mazine CAB, Yasumaro S, Silva ME. Positividade dos criadouros de Aedes aegypti segundo o tipo de recipiente. Ver Soc Bras Med Trop. 1996; 29(Supl. 1):59.

Forattini OP, Marques GRAM. Nota sobre o encontro de Aedes aegypti em bromélias. Rev Saúde Pública 2000;34:543-4.

Nunes LLS, Arduino MB, Marques GRAM, Ramos DG. Prevenção da dengue: implicações do uso de tela no controle de Aedes aegypti em reservatórios de água para consumo humano. Bepa 2010; 7(80):4-9.

Tauil PL. Urbanização e ecologia do dengue. Cadernos de Saúde Pública 2001; 17:99-102.

Oliveira ES, Biazoto CDS. Distribuição de criadouros de Aedes aegypti (LINNA.US, 1762) E Aedes albopictus (SKUSE, 1894) (Díptera: Cullicidae), Município de Assis Chateaubriand, PR, Brasil. Biosci 2012;28(6):1051-60.

Lima MM, Aragão MB, Amaral RS. Criadouros de Aedes aegypti encontrados em alguns bairros da cidade do Rio de Janeiro, RJ, Brasil, em 1984-85. Cadernos de Saúde Pública 1998 jul./set.;4(3):293-300.

Domingos MF. Aspectos da ecologia de Aedes aegypti (Linnaeus) em Santos, São Paulo, Brasil [tese]. São Paulo; 2005.




DOI: https://doi.org/10.34119/bjhrv3n1-074

Refbacks

  • There are currently no refbacks.