Análise do número de captação de córneas no âmbito da perícia forense do estado do Ceará no período de 2010 a 2019 / Analysis of the number of female capture in the framework of the Ceará state for the period 2010 to 2019

Lilian Farias Lima Verde, Luis Humberto Nunes Quezado

Abstract


A importância do transplante de córneas se tornou evidente, uma vez que o ato de doar proporciona melhoria na qualidade de vida do receptor. No caso do Estado do Ceará, observou-se que não se recorre mais à fila de espera para essa modalidade de transplante, possibilitando a exportação deste tecido para outros estados do Brasil. A implantação do Banco de Olhos do Ceará (BOC) foi essencial para que esse método de transplante pudesse ser largamente realizado, principalmente no tocante à entrevista conduzida junto às famílias dos potenciais doadores de córneas. Este órgão, juntamente com a Perícia Forense do Estado do Ceará (PEFOCE), após parceria firmada em 2016, conseguiu aumento do número de transplantes de córneas no Estado do Ceará. A parceria firmada inclui um procedimento de liberação mais rápida da vítima doadora de córneas. Nesse sentido, o acolhimento humanizado da família é, também, essencial para que o procedimento seja aceito, transformando esse difícil momento em uma oportunidade de ajudar ao próximo. O acolhimento é, naturalmente, o primeiro contato com a família, e pode ser visto não só como um ato de doar, mas também como um ato de amor e solidariedade em meio a tanta dor. Foi possível concluir que hoje no Ceará o número de doações de córneas faz com que o Estado se torne o terceiro que mais realiza transplante de córneas, com uma lista de espera zerada, após parceria firmada entre BOC e PEFOCE.


Keywords


BOC-PEFOCE-Córnea-Transplante

References


ABBAS, A. K. ; LICHTMAN, A H. Imunologia celular e molecular. São Paulo, ELSEVIER, 2008.

ALMEIDA, Hirlana Gomes et al. Análise crítica das diferentes fontes de dados sobre transplante de córnea no Brasil. Revista Brasileira de Oftalmologia, 2018.

Alencar, L.P.;BRASIL, I. R. C.. ELABORAÇÃO E VALIDAÇÃO DE UM INSTRUMENTO DE ACOLHIMENTO DIRECIONADO ÀS FAMÍLIAS ENLUTADAS E A POSSIBILIDADE DE DOAR ÓRGÃOS E TECIDOS PARA TRANSPLANTE. 2017. Exame de qualificação (Mestrando em Mestrado Profissional em Transplantes) - Universidade Estadual do Ceará.

BANCO DE OLHOS DO CEARÁ. Disponível em: http://bancodeolhosdoceara.com.br/. Acesso em: 11 de maio de 2019.

BANCO DE OLHOS DO CEARÁ. Captação. Disponível em: http://bancodeolhosdoceara.com.br/captacao/. Acesso em: 11 de maio de 2019.

BANDEIRA, Ana Cláudia Pirajá. Consentimento no transplante de órgãos: à luz da lei 9.434/97 com alterações posteriores. Curitiba: Juruá, 2001. 217 p.

BONFIM, Cristiane. SÁ, Marcus. RACKEL, Helga. Ceará zera fila para transplantes de córneas. Disponível em: http://www.hgf.ce.gov.br/index.php/noticias/45492-ceara-zera-fila-para-transplantes-de-cornea-. Acesso em: 10 de março de 2019.

CEARÁ. Lei nº 14.055, de 07 de janeiro de 2008. Cria, no sistema de segurança pública estadual, a Perícia Forense do Estado do Ceará – PEFOCE e dá outras providências. Fortaleza-CE. Janeiro, 2008.

DA SILVA, Rodrigo Egidio et al. Perfil epidemiológico dos doadores de córnea do Estado de Goiás. Brasileira de, v. 75, n. 4, p. 274-8, 2016.

MINISTÉRIO DA SAÚDE. CENTRAL NACIONAL DE TRANSPLANTES. FORTALEZA- CEARÁ, 2000. Disponível em: http://portalms.saude.gov.br/saude-de-a-z/doacao-de-orgaos/central-nacional-de-transplantes. Acesso em: 7 mar. 2019.

MINISTÉRIO DA SAÚDE. CÓRNEA. FORTALEZA- CEARA, 2017. Disponível em: http://portalms.saude.gov.br/saude-de-a-z/doacao-de-orgaos/cornea#footer. Acesso em 10 abril. 2019.

HGF. HGF. FORTALEZA- CEARÁ, 2006. Disponível em: http://www.hgf.ce.gov.br/index.php/noticias/45492-ceara-zera-fila-para-transplantes-de-cornea-. Acesso em: 7 mar. 2019

RBT. REGISTRO BRASILEIRO DE TRANSPLANTES. FORTALEZA- CEARÁ, 2018. Disponível em: http://www.hgf.ce.gov.br/index.php/noticias/45492-ceara-zera-fila-para-transplantes-de-cornea-. Acesso em: 12 mar. 2019.

SANTOS, M.J; MASSAROLLO, M.C.K.B. Fatores que facilitam e dificultam a entrevista familiar no processo de doação de órgãos e tecidos para transplante. Acta Paul Enferm 2011.

SEGOVIA, C. et al., Manual do curso de comunicação em situações críticas: Influência no processo de doação. Porto Alegre: Hospital Moinhos de Vento, 2017.

SODRÉ, Luiz de Azevedo. OS EFEITOS FRAMING E DEFAULT NO PROCESSO DE DECISÃO DE DOAÇÃO DE ÓRGÃOS. “Dissertação” Instituto Coppead de administração-Universidade do Rio de Janeiro.

VAUGHAN, D. Oftalmologia geral. 17. ed. São Paulo: Atheneu, 2010.

VICTORINO, AB et al . Como comunicar más noticias: revisão bibliográfica. Rev. SBPH, Rio de Janeiro , v. 10, n. 1, p. 53-63, jun. 2007 . Disponível em . acessos em 07 maio 2017.




DOI: https://doi.org/10.34119/bjhrv3n1-073

Refbacks

  • There are currently no refbacks.