Epidemiologia da doença reumática crônica cardíaca no Brasil nos anos de 2014 a 2018/ Epidemiology of chronic heart disease in Brazil from 2014 to 2018

Stephanie Guardabassio de Oliveira, Letícia Merline Marossi, Amanda Oliva Spaziani, Raissa Silva Frota, Laércio Soares Gomes Filho, Stephanie Tiosso Fontes Monteiro, Andressa Silva Machado Paulino, Larissa Santos Fogaça, Vislaine de Aguiar Morete, Dieison Pedro Tomaz da Silva, Luis Carlos Spaziani

Abstract


A doença reumática cardíaca (DRC) é uma doença da pobreza que está relacionada com a falta de saneamento básico, como outros determinantes da má saúde. Ela é uma sequela da febre reumática aguda. A organização Mundial de Saúde e a Federação Mundial do Coração solicitaram uma diminuição de 25% na mortalidade por fatores cardiovasculares, incluindo a DRC até o ano de 2025. A cardiopatia reumática crônica tem um significativo impacto na vida dos pacientes, pois pode resultar em morte prematura em adultos, e é a causa número 1 de morbimortalidade para pacientes que tiveram a febre reumática. Objetivou-se descrever a situação epidemiológica da doença reumática crônica cardíaca no Brasil no período de 2014 a 2018. Foi realizado levantamento de estudos descritivos dos casos confirmados da doença reumática crônica cardíaca registrados no Sistema de Informação de Agravos de Notificação (SINAN), datando de 1º de janeiro de 2014 a 31 de dezembro de 2018 com taxas de mortalidade por sexo, raça/cor e faixas etárias, segundo as regiões do Brasil com base nos registros do Sinan e Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). A cardiopatia reumática é uma resultância da faringite estreptocócica não tratada, seus acontecimentos anteriores são as fontes influenciadoras da transmissão dessa infecção, que inclui o acesso a cuidados de saúde de qualidade alta e determinantes sociais de saúde. Em nível nacional, o progresso ou a falta dele, no tratamento de determinantes sociais, como saneamento básico e renda, acompanhando de perto a mortalidade das doenças cardíacas reumáticas. Prevenir o contágio inicial da febre reumática depende do diagnóstico e tratamento rápido da faringoamidalite. A erradicação do estreptococo da orofaringe é necessário.

 


Keywords


Doença reumática cardíaca. Cardiopatia reumática crônica. Febre reumática.

References


LEÃO, Sydney Correia et al. IL-10 and ET-1 as biomarkers of rheumatic valve disease, Brasil, 2013/2014. Revista Brasileira Cirurgia Cardiovascular. Sergipe. Disponível em: . Acesso em: 11/out/2019.

PINHEIRO, Pedro. Faringite estreptocócica – sintomas, diagnóstico e tratamento. 2019. Disponível em: . Acesso em: 13/out/2019.

NADER, Moysés Pedro Amoury. Nódulos de Aschoff em Átrios de Pacientes com Cardiopatia Reumática Crônica, Brasil, 2015. Disponível em: . Acesso em: 11/out/2019.

LAGOEIRO, Antonio. Doença reumática cardíaca: um problema mundial, 2017. Disponível em: . Acesso em: 12/out/2019.

DIAS, Rodolfo Gomes, et al. Cardiopatia reumática crônica. Resultados de uma análise epidemiológica de pacientes internados no sistema único de saúde em 2016. 2017. Disponível em: . Acesso em: 13/out/2019.

MOTA, Cleonice de Carvalho Coelho. A febre reumática e suas complicações: impacto e desafios, Brasil, 2014. Disponível em: . Acesso em: 20/out/2019.

The New England Journal of Medicine. Death rates from rheumatic heart disease falling since 1990. 2017 Disponível em: . Acesso: 12/out/2019.

CRUZ, Renata Cristina Castro, et al. Preditores de Desfecho Desfavorável em Crianças e Adolescentes Submetidos à Valvoplastia Mitral Cirúrgica Secundária a Cardiopatia Reumática Crônica, 2019. Sociedade Brasileira de Cardiologia. Bahia. DOI: 10.5935/abc. Disponível em: . Acesso em: 12/out/2019.

WATKINS, David, et al,. Global, Regional, and National Burden of Rheumatic Heart Disease, 1990–2015, 2017. Disponível em: . Acesso em: 12/out/2019.

NASCIMENTO, Bruno Ramos, et al. A Carga de Febre Reumática Aguda Continua Alta no Brasil e está Correlacionada a Condições Socioeconômicas Desfavoráveis. Sociedade Brasileira de Cardiologia. 2017. Disponível em: . Acesso em: 13/out/2019

DATASUS. 2017. Disponível em: . Acesso em: 20/out/2019.

GIL, Antonio Carlos. Como elaborar projetos de pesquisa. 4.ed. São Paulo: Atlas, 2009.

SARRAF, Emmanuelle Melo; BARROS, Rafael Damasceno de; RIBEIRO, Nildo Manoel da Silva. Análise descritiva dos índices de morbidade e mortalidade de pacientes com cardiopatia reumática crônica em Salvador, Bahia, Brasil. Revista de Ciências Médicas e Biológicas, vol 17, nº 3, pág 310-314. 2018. DOI: http://dx.doi.org/10.9771/cmbio.v17i3.28667. Disponível em: . Acesso em: 20/out/2019.

OETZEL, John G, et al., Efficacy of an incentive intervention on secondary prophylaxis for young people with rheumatic fever: a multiple baseline study. 2019. Disponível em: . Acesso em: 14/out/2019.

NUNES, Maria Carmo Pereira, et al. Simplified Echocardiography Screening Criteria for Diagnosing and Predicting Progression of Latent Rheumatic Heart Disease. 2019. Disponível em: <://www.ahajournals.org/doi/full/10.1161/CIRCIMAGING.118.007928>. Acesso em 13/out/2019.

WOODS, John A.; KATZENELLENBOGEN, Judith M. Adherence to secondary prophylaxis among patients with acute rheumatic fever and rheumatic heart disease. 2019. Disponível em: . Acesso em: 13/out/2019.

SANTOS, Julia Pereira Afonso dos, et al. Challenges for the implementation of the first large-scale rheumatic heart disease screening program in Brazil: The PROVAR study experience. Sociedade Brasileira de Cardiologia, vol 108, pág 370 a 374. 2017. DOI: 10.5935/abc.20170047. Disponível em: . Acesso em: 13/out/2019.

FERNANDES, André Maurício Souza, et al. Mortalidade intra-hospitalar em pacientes com Cardiopatia reumática submetidos a dupla-troca valvar. 2015. Disponível em: . Acesso em: 13/out/2019.




DOI: https://doi.org/10.34119/bjhrv3n1-068

Refbacks

  • There are currently no refbacks.