“Risoterapia”: rir é o melhor remédio? / Laughter therapy: is laughter the best medicine?

Elder Mendes de Castro, Ricardo Saraiva Aguiar

Abstract


Objetivo: Avaliar a importância da “risoterapia” como prática de cuidado hospitalar. Métodos: Trata-se de um estudo de revisão integrativa da literatura, no período de 2008 a 2017, através de um levantamento em base de dados eletrônicos da BIREME e SCIELO. Resultados: Foram selecionados doze artigos científicos que foram separados e organizados por categoria onde foi consolidado o conhecimento publicado através dos mesmos acerca do tema proposto, interligando-os sintaticamente. Conclusão: Existem pesquisas que comprovam os benefícios da “risoterapia” para o enfrentamento da hospitalização tanto no ponto de vista dos pacientes quanto dos profissionais atuantes na rotina hospitalar. Sugere-se a adesão desse tipo de terapia nos hospitais e a disseminação da prática para os estudantes e profissionais da área da saúde a fim de proporcionar um cuidado humanizado e de qualidade.


Keywords


Terapia do riso; Jogos e brinquedos; Terapia pela arte; Humanização da Assistência.

References


Matraca MVC, Wimmer G, Jorge TCA. Dialogia do riso: um novo conceito que introduz alegria para a promoção da saúde apoiando-se no diálogo, no riso, na alegria e na arte da palhaçaria. Ciênc. saúde coletiva. 2011;16(10):4127-4138. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/csc/v16n10/a18v16n10.pdf

Dantas FRA, Ferreira LDO, Silva KAW, Alves JA. A contribuição do lazer no processo de hospitalização: um estudo de caso sobre os benefícios do projeto risoterapia. Licere. 2014;17(2):53-83. Disponível em: https://periodicos.ufmg.br/index.php/licere/article/view/849

Brasil. Lei nº 8.080, de 19 de setembro de 1990. Dispõe sobre as condições para a promoção, proteção e a recuperação da saúde, a organização e o funcionamento, a organização e o funcionamento dos serviços correspondentes e dá outras providências. Brasília: Ministério da Saúde; 1990.

Brasil. Ministério da Saúde. Política Nacional de Humanização. Brasília: Ministério da Saúde; 2004.

Luchesi A, Cardoso FS. Terapia do riso: um relato de experiência. Rev Eletr Fac Evang Paraná. 2012;2(1):11-20. Disponível em: http://www.fepar.edu.br/revistaeletronica/index.php/revfepar/article/view/36/46

Adams P. O amor é contagioso. Editora Sextante: Rio de Janeiro; 1999.

Garcia DTR, Silva JG, Vaz AC, Filocomo FRF, Filipini SM. A influência da terapia do riso no tratamento do paciente pediátrico. In: Encontro Latino Americano de iniciação científica, Encontro Latino Americano de Pós-Graduação, Encontro Latino de iniciação Científica, XIII, IX, III, 2009. Anais de trabalhos. São José dos Campos: Universidade do Vale do Paraíba; 2009.

Mazocco F, Hentges JM, Almeida ACH, Erdmann MF, Zimmermann J. Terapia do riso: enfermagem humanizando o ambiente hospitalar. In II Congresso de Humanização e Bioética. I Jornada Interdisciplinar de Humanização de Curitiba. Curitiba: Pontifícia Universidade Católica do Paraná; 2012.

Alcântara PL, Wogel AZ, Rossi MIL, Neves IR, Sabates AL, Puggina AC. Efeito da interação com palhaços nos sinais vitais e na comunicação não verbal de crianças hospitalizadas. Rev Paul Pediatr. 2016;34(4):432-438. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/rpp/v34n4/pt_0103-0582-rpp-34-04-0432.pdf

Coutinho MO, Lima IC, Bastos RA. Terapia do riso como instrumento para o processo de cuidado na ótica dos acadêmicos de enfermagem. ABCS Health Sciences. 2016;41(3):163-167. Disponível em: https://www.portalnepas.org.br/abcshs/article/view/906/748

Pires WGB, Pessalacia JDR, Mata LRF, Kuznier TP, Panitz GEC. Efeito da intervenção clown no padrão de depressão de idosos em instituição de longa permanência. Cien. enferm. 2015;21(2):99-111. Disponível em: https://scielo.conicyt.cl/pdf/cienf/v21n2/art_10.pdf

Moreira C, Esteves H, Caires S. A look into the intervention of clowns in pediatric context: a hospital professionals perspective. Res Net Health. 2015;1(1):1-11. Disponível em: https://journals.ipleiria.pt/index.php/rnhealth/article/view/20

Quintero A, Henao ME, Villamil MM, León J. Cambios en la depresión y el sentimiento de soledad después de la terapia de la risa en adultos mayores internados. Biomédica. 2015;35(1):90-100. Disponível em: http://www.scielo.org.co/scielo.php?script=sci_abstract&pid=S0120-41572015000100012

Caires S, Esteves CH, Almeida I. Palhaços de hospital como estratégia de amenização da experiência de hospitalização infantil. Psico-USF. 2014;19(3):377-386. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/pusf/v19n3/02.pdf

Tonete VLP, Santo RME, Parada CMG. Percepções da equipe de enfermagem sobre os Médicos da Alegria e a hospitalização de crianças.

REME rev. min. enferm. 2008;12(2):173-181. Disponível em: http://www.reme.org.br/artigo/detalhes/254

Villamil M, Quintero A, Henao E, Cardona JL. Terapia de la risa em grupo de mujeres adultas. Rev. Fac. Nac. Salud Pública. 2013;31(2):202-208. Disponível em: http://www.scielo.org.co/scielo.php?script=sci_abstract&pid=S0120-386X2013000200006

Mussa C, Malerbi FEK. O efeito do palhaço no estado emocional e nas queixas de dor de adultos hospitalizados. Psico. Rev. 2012;21(1):77-97. Disponível em: https://revistas.pucsp.br/psicorevista/article/view/13584

Lima RAG, Azevedo EF, Nascimento LC, Rocha SMM. A arte do Clown no cuidado às crianças hospitalizadas. Rev Esc Enferm USP. 2009;43(1):186-93. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_abstract&pid=S0080-62342009000100024&lng=en&nrm=iso&tlng=pt

Oliveira RR, Oliveira ICS. Os doutores da Alegria na unidade de internação pediátrica: experiências da equipe de enfermagem. Esc. Anna Nery. 2008;12(2):230-6. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/ean/v12n2/v12n2a05.pdf




DOI: https://doi.org/10.34119/bjhrv3n1-062

Refbacks

  • There are currently no refbacks.