Vivência educativa de acadêmicos de medicina no minicurso “a abordagem eco-bio-social e a vigilância ativa na prevenção e controle do aedes aegypti”: um relato de experiência / Educational experience of medicine scholars in the “eco-bio-social approach and active surveillance in aedes aegypti prevention and control” short-course: an experience report

Roberta Duarte Maia Barakat, Andrea Caprara, Suyanne Freire de Macêdo, José Luís Paiva de Mendonça Ferreira, Thanamy de Andrade Santos, Aderval Brígido de Sousa Filho, Yuri Quintans Araújo

Abstract


Crianças e adolescentes apresentam crescentemente coparticipação em ações no combate às arboviroses como Dengue, Zika e Chikungunya. As intervenções educativas com escolares praticadas em estados brasileiros e em grandes países, apresentam resultados positivos no conhecimento sobre o assunto e na mudança comportamental da comunidade. Estudos como a abordagem eco-bio-social evidenciam que o conhecimento ecológico, biológico e social dos determinantes de transmissão vetorial das arboviroses propõem uma ressignificação do processo saúde-doença e sugerem uma real mudança de hábitos individuais e coletivos. Este artigo visa relatar a vivência educativa de três acadêmicos de medicina da Universidade Estadual do Ceará no minicurso intitulado “A abordagem eco-bio-social e a vigilância ativa na prevenção e controle do Aedes aegypti” em uma escola municipal de Fortaleza. O minicurso foi ministrado por dois pesquisadores com auxílio dos três acadêmicos em atividades de exposição dialogada, estudo de caso, círculo de cultura e avaliação do encontro. Contou também com atividades interativas da Secretaria da Saúde do Estado do Ceará (SESA) na apresentação de maquetes e distribuição de materiais informativos. Despertou-se a curiosidade, a atenção de seu público-alvo e da equipe condutora; permitiu-se a discussão sobre a ressignificação de conceitos relacionados ao processo saúde-doença, agindo como uma via de acesso à toda a comunidade, uma vez que os alunos foram instruídos a orientar ações de combate ao vetor no seu domicílio. O ambiente interativo, igualitário e lúdico estimulou o diálogo. Os escolares expuseram vivências individuais e questionamentos. A transdiciplinaridade e a integração entre o conhecimento individual e coletivo, que foram colocadas em discussão, mostraram uma relação construtiva e positiva para a formação dos escolares, como também para a equipe condutora do minicurso. Construiu-se coletivamente um aprendizado crítico, sendo uma experiência enriquecedora com dialogicidade entre todos os envolvidos.

 


Keywords


Arboviroses, Educação em saúde, Promoção da saúde.

References


CAPRARA, A. et al (org). Ecossaúde, uma abordagem Eco-bio-social: percursos convergentes no controle do dengue. Fortaleza: EdUECE, 2013.

CARVALHO, S.R. Saúde coletiva e promoção da saúde: sujeito e mudança. 3ª ed. São Paulo: Hucitec, 2013.

SILVA, C.S, BODSTEIN, R.C.A. Referencial teórico sobre práticas intersetoriais em Promoção da Saúde na Escola. Cienc Saúde Coletiva. 2016; 21(6):1777-88.

THIOLLENT, M. Metodologia da pesquisa-ação. 18. ed. São Paulo: Cortez, 2011.

FREIRE, P. Pedagogia do oprimido. 22.ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1993.

LOPES, R.; TOCANTINS, F.R. Health Promotion and Critical Education. Interface - Comunic., Saúde, Educ. 2012, v.16, n.40, p.235-46.

QUINTANA, P. B.; ROSCHKE, M. A; RIBEIRO, E. C. O. Educação permanente

processo de trabalho e qualidade de serviço na saúde. 2008.

PAIVA, K. C. M; MARTINS, V. L. V. Contribuições do estágio extracurricular

para as competências profissionais: percepções de acadêmicos de enfermagem.

Rev. Eletr. Enf., v. 12, n. 2, p. 384-94, abr./jun. 2012.

FREIRE, P. Educação como prática da liberdade. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 2009, 150p.




DOI: https://doi.org/10.34119/bjhrv3n1-060

Refbacks

  • There are currently no refbacks.