Diagnósticos de enfermagem dos pacientes com Acidente Vascular Cerebral Isquêmico: uma pesquisa bibliográfica / Nursing diagnoses of patients with ischemic stroke: a bibliographic research

Deborah Ferreira Santos, Marcele Pescuma Capeletti Padula, Camila Waters

Abstract


Introdução: O Acidente Vascular Cerebral (AVC) causa lesão celular e danos neurológicos que induzem a paralisia de uma determinada região cerebral, que ficou sem a circulação apropriada por conta de trombos, êmbolos ou hemorragia. Objetivo: Identificar, por meio de artigos científicos, os diagnósticos de enfermagem dos pacientes com AVCI. Material e método: Pesquisa bibliográfica e descritiva, com levantamento bibliográfico realizado na Biblioteca Virtual em Saúde, utilizando os descritores específicos: Acidente Vascular Cerebral e Isquemia Encefálica que foram cruzados com o descritor geral: Diagnóstico de Enfermagem. Incluídos artigos completos, escritos no idioma português e publicados no período de 2008 a 2018. Resultado: Selecionados oito artigos, sendo que os seguintes periódicos específicos de enfermagem foram contemplados apenas com uma publicação em cada: Escola Anna Nery Revista de Enfermagem, Revista Gaúcha de Enfermagem, Revista Enfermagem UERJ e Revista da Rede de Enfermagem do Nordeste. Os periódicos: Revista Latino-Americana de Enfermagem e Revista da Escola de Enfermagem da USP foram contemplados com duas publicações em cada. Entre os anos de 2008 a 2018 encontramos duas publicações nos seguintes anos: 2010, 2012, 2013 e 2015. A primeira publicação ocorreu em 2010 e a última em 2015, não se evidenciando pesquisas sobre diagnósticos de enfermagem aos pacientes com AVCI nos últimos quatro anos. Todos os estudos foram realizados de forma transversal, com dados coletados no Estado do Ceará e com uma amostra que variou de 24 a 156 pacientes. Os Diagnósticos de Enfermagem citados pelos artigos foram: incontinência urinária; risco de aspiração; comunicação verbal prejudicada; intolerância e risco de intolerância à atividade; risco de síndrome do desuso; risco de quedas; fadiga; mobilidade física, no leito e com cadeira de rodas prejudicada; capacidade de transferência prejudicada; deambulação prejudicada; estilo de vida sedentário. Conclusões: O AVC acarreta em incapacidades que comprometem a qualidade de vida do indivíduo, família e sociedade. Fica clara a importância da prevenção dos fatores de risco para a ocorrência do AVC, além da necessidade de um atendimento rápido e eficaz, enfatizando a assistência de enfermagem individualizada, sistematizada e de qualidade, a fim de minimizar as sequelas do AVC e garantir qualidade de vida para esses pacientes.


Keywords


Acidente Vascular Cerebral, Isquemia Encefálica, Diagnóstico de Enfermagem.

References


Reimão R, Gagliardi R, Melges L. Neurologia Atual. São Paulo (SP): Associação Paulista de Medicina. 1a ed. 2009. 410p.

Brunner. Nettina, SM. Práticas de Enfermagem. Traduzido por: Antônio Francisco Dieb Paulo, et al. Rio de Janeiro (RJ): Guanabara Koogan. 9a ed. Vol. 2. 2014. 1859p.

IBGE. Pesquisa Nacional de Saúde 2013 - Percepção do Estado de Saúde, Estilo de Vida e Doenças Crônicas. Rio de Janeiro (RJ): Ministério da Saúde. 2013. 181p.

Oliveira-Filho J, Martins SCO, Pontes-Neto OM, Longo A, Evaristo EF, Carvalho JJF, et al. Guidelines for acute ischemic stroke treatment: part I. Instituto de Ciências da Saúde. Salvador (BA): Arq Neuropsiquiatr. 2012. 70(8):621-9.

Brasil. Ministério da Saúde. Manual de rotinas para atenção ao AVC. Brasília (DF): Editora MS.1ª ed. 2013. 54p.

Brasil. Ministério da Saúde. Portaria nº 664 e nº 665 de 12 de Abril de 2012. Diário Oficial da União, Brasília - DF, ano CXLIX nº 72, 13 de Abril de 2012. Seção 1. 33-5p.

Diccini S. Enfermagem em Neurologia e Neurocirurgia. Rio de Janeiro (RJ): Atheneu. 2a ed. 2017. 245-59.

Pontes-Neto OM, et al. Brazilian guidelines for endovascular treatment of patients with acute ischemic stroke. Ribeirão Preto (SP): Arq Neuropsiquiatr. 2017;75(1):50-6.

Bongiorni GT, Hockmuller MCJ, Klein C, Antunes ÁCM. Decompressive craniotomy for the treatment of malignant infarction of the middle cerebral artery: mortality and outcome. Porto Alegr (RS): Arq Neuropsiquiatr. 2017. 75(7):424-8.

Piassaroli CAP, Almeida GC, Luvizotto JC, Suzan ABBM. Modelos de Reabilitação Fisioterápica em Pacientes Adultos com Sequelas de AVC Isquêmico. Jundiaí (SP): Rev Neurocienc. 2012. 20(1):128-37.

NANDA. Diagnósticos de Enfermagem da NANDA: Definições e Classificação. Traduzido por: Regina Machado Garcez. Porto Alegre (RS): Artmed Editora LTDA. 2018-2020. 468p.

Gil AC. Métodos e técnicas de pesquisa social. São Paulo (SP): Atlas S.A. 6a ed. 2008. 199p.

Leandro TA, Araujo TL, Cavalcante TF, Lopes MVO, Oliveira TMF, Lopes ACM. Diagnósticos de enfermagem de incontinência urinária em pacientes com acidente vascular cerebral. Fortaleza (CE): Rev Esc Enferm USP. 2015. 49(6): 924-932.

Oliveira ARS, Costa AGS, Morais HCC, Cavalcante TF, Lopes MVO, Araujo TL. Fatores clínicos preditores do risco para aspiração e aspiração respiratória em pacientes com Acidente Vascular Cerebral. Campinas (SP): Rev. Latino-Am. Enfermagem. 2015. 23(2):216-24.

Cavalcante TF, Araujo TL, Moreira RP, Guedes NG, Lopes MVO, Silva VM. Validação clínica do diagnóstico de enfermagem “risco de aspiração” em pacientes com acidente cerebrovascular . Fortaleza (CE): Rev. Latino-Am. Enfermagem. 2013. 21(Spec):[09 telas].

Chaves DBR, Costa AGS, Oliveira ARS, Silva VM, Araujo TL, Lopes MVO. Comunicação verbal prejudicada: investigação no período pós-acidente vascular encefálico. Fortaleza (CE): Rev Rene Online. 2013.14(5):877-85.

Oliveira ARS, Costa AGS, Moreira RP, Cavalcante TF, Araujo TL. Diagnósticos de enfermagem da classe atividade/exercício em pacientes com acidente vascular cerebral. Rio de Janeiro (RJ): Rev Enferm UERJ. 2012. 20(2):221-8.

Morais HCC, Holanda GF, Oliveira ARS, Costa AGS, Ximenes CMB, Araujo TL. Identificação do diagnóstico de enfermagem “risco de quedas em idosos com acidente vascular cerebral”. Porto Alegre (RS): Rev Gaúch Enferm. 2012. 33(2):117-24.

Costa AGS, Oliveira ARS, Moreira RP, Cavalcante TF, Araujo TL. Identificação do risco de quedas em idosos após acidente vascular encefálico. Fortaleza (CE): Esc Anna Nery Rev Enferm. 2010. 14(4):684-9.

Costa AGS, Oliveira ARS, Alves FEC, Chaves DBR, Moreira RP, Araujo TL. Diagnóstico de enfermagem: mobilidade física prejudicada em pacientes acometidos por acidente vascular encefálico. Fortaleza (CE): Rev Esc Enferm USP. 2010. 44(3):753-8.

Araujo TL. Doutora em Enfermagem pela Universidade de São Paulo , 1994. Endereço para acessar este CV: http://lattes.cnpq.br/638329555828962. ID Lattes: 6383295558289621.

Oliveira ARS. Doutora da Faculdade de Enfermagem da UNICAMP. Endereço para acessar este CV: http://lattes.cnpq.br/7104233094436637. ID Lattes: 7104233094436637.

Costa AGS. Doutora em Enfermagem pela UFC, 2014. Endereço para acessar este CV: http://lattes.cnpq.br/306526903385447. ID Lattes: 3065269033854471.

Cavalcante TF. Pós-Doutorado em Enfermagem pela Universidade Federal do Ceará, 2013. Endereço para acessar este CV: http://lattes.cnpq.br/9486530746310204. ID Lattes: 9486530746310204.

Lopes MVO. Doutor em Enfermagem pela Universidade Federal do Ceará, 2001. Endereço para acessar este CV: http://lattes.cnpq.br/9321075005010548. ID Lattes: 9321075005010548.

Moreira RP. Doutora em enfermagem pela Universidade Federal do Ceará, 2011. Endereço para acessar este CV: http://lattes.cnpq.br/2222635833202747. ID Lattes: 2222635833202747.

Chaves DBR. Enfermeiro pela Universidade Federal do Ceará, 2008. Endereço para acessar este CV: http://lattes.cnpq.br/5512263573481668. ID Lattes: 5512263573481668.

Morais HCC. Doutora em Enfermagem pela Universidade Federal do Ceará. Endereço para acessar este CV: http://lattes.cnpq.br/3499613251284832. ID Lattes: 3499613251284832.

Silva VM. Doutora em Enfermagem pela Universidade Federal do Ceará, 2007. Endereço para acessar este CV: http://lattes.cnpq.br/9132675598786936. ID Lattes: 9132675598786936.

Guedes NG. Doutora em Enfermagem pela Universidade Federal do Ceará, 2011. Endereço para acessar este CV: http://lattes.cnpq.br/3155866747356509. ID Lattes: 3155866747356509.

Reis FC. Incontinência urinária de causa neurogênica. Associação Portuguesa de Neurourologia e Uroginecologia. 2010.

Frade MAG, Bule MJA, Gemito MLGP. Protocolos clínicos relacionados a incontinência urinária pós acidente vascular cerebral: revisão da literatura. Rev Enferm UFPE. 2011. 5(spe):505-13.

Mafalda L, Santos PH, Carrilho LO. Perfil respiratório de pacientes Acometidos por acidente vascular encefálico. Giruá (RS): Rev Saúde Integrada. 2015. 07:30-48.

Simony RF, Chaud DMA, Abreu ES, Blascovi-Assis SM. Caracterização do estado nutricional dos pacientes neurológicos com mobilidade reduzida. Journal of Human Growth and Development. 2014. 24(1):42-8.

Itaquy RB, Favero SG, Ribeiro MC, Barea LM, Almeida ST, Mancopes R. Disfagia e acidente vascular cerebral: relação entre o grau de severidade e o nível de comprometimento neurológico. Porto Alegre (RS): J Soc Bras Fonoaudiol. 2011. 23(4):385-9.

Gatto AR, Rehder MIBC. Comparação entre queixas de deglutição e Achados Videofluoroscópicos no paciente pós-acidente vascular encefálico. São Paulo (SP): Revista CEFAC. 2006. 8(3):320-7.

Goulart BNG, Almeida CPB, Silva MW, Oenning NSX, Lagni VB. Caracterização de acidente vascular cerebral com enfoque em distúrbios da comunicação oral em pacientes de um hospital regional. Porto Alegre (RS): Audiol Commun Research. 2016. 21:1603-9.

Costa AGS, Oliveira-Kumakura ARS, Araujo TL, Castro NB, Silva VM, Lopes MVO. Acidente vascular cerebral e fatores de risco para quedas em idosos. Fortaleza (CE): Rev Rene. 2017. 18(5):663-70.

Brasil, Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Ações Programáticas Estratégicas. Diretrizes de atenção à reabilitação da pessoa com acidente vascular cerebral / Ministério da Saúde, Secretaria de Atenção à Saúde, Departamento de Ações Programáticas Estratégicas. Brasília (DF): Ministério da Saúde, 2013.

Costa FA, Silva DLA, Rocha VM. Estado neurológico e cognição de pacientes

pós-acidente vascular cerebral. Natal (RN): Rev Esc Enferm USP. 2011. 45(5):1083-8.

Carvalho JC, Gusmão CA, Matos MA, Matias AC, Santos NA. Evaluation of mobility and functionality outcomes post cerebrovascular accident. Sorocaba (SP): Rev.Fac.Ciênc.Méd.Sorocaba. 2013. 15(4):100-4.

Lima ACMACC, Silva AL, Guerra DR, Barbosa IV, Bezerra KC, Oriá MOB. Diagnósticos de enfermagem em pacientes com acidente vascular cerebral: revisão integrativa. Fortaleza (CE): Rev Bras Enferm. 2016. 69(4):785-92.

Fernandes PT. Aspectos psicossociais do AVC. ComCiência [online]. 2009, n.109, pp. 0-0. ISSN 1519-7654.

Oliveira ARD, Araujo TL, Costa AGS, Morais ACC, Silva AM, et al. Avaliação de pacientes com acidentevascular cerebral acompanhados porprogramas de assistência domiciliária. Fortaleza (CE): Rev Esc Enferm USP. 2013. 47(5):1147-53.

Santos AG, Pegoraro ASN, Abrantes CV, Jakaitis F, Gusman S, Bifulco SC. Evaluation of functional mobility of patients with stroke sequela after treatment in hydrotherapy pool using the Timed Up and Go Test. São Paulo (SP): Einstein. 2011. 9(3 Pt 1):302-6.

Rosin J, Matos FGOA, Alves DCI, Carvalho ARS, Lahm JV. Identificação de diagnósticos e intervenções de enfermagem para pacientes neurológicos internados em hospital de ensino. Cascavel (PR): Cienc Cuid Saude. 2016. 15(4):607-15.

Corrêa FI, Corrêa JCF, Tessarolo AA, Melo AS, Sampaio AMM, Costa MS, Oliveira CS. Avaliação do ácido lático em indivíduos com hemiparesia pós-acidente vascular encefálico após estimulação elétrica para fortalecimento muscular. São Paulo (SP): Fisioterapia e Pesquisa. 2009. 16(2):178-82.




DOI: https://doi.org/10.34119/bjhrv3n1-052

Refbacks

  • There are currently no refbacks.