Coeficiente de Pearson: correlação entre as variáveis notificação de casos de dengue e fatores climáticos/ Pearson's coefficient: correlation between variables notification of dengue cases and climate factors

Isabelle Matos Pinheiro, Antonio Carlos dos Santos Souza, Romilson Lopes Sampaio

Abstract


A dengue representa um problema de saúde pública mundial, especialmente nos países tropicais, onde as condições ambientais, cobertura vegetal e a presença de criadouros favorecem o desenvolvimento do mosquito. Diante dessa problemática, este artigo busca analisar a correlação entre as variáveis notificação de casos de dengue e os fatores climáticos temperatura máxima, média e mínima, e precipitação pluviométrica. Concluiu-se que os casos de dengue notificados no município de Salvador (BA) e os fatores climáticos temperatura máxima, média e mínima apresentaram correlação linearmente negativa em 2015 e 2017, e grau de correlação pouco significante em 2014 e 2016. Em relação ao fator climático precipitação pluviométrica, este apresentou grau de correlação moderado nos anos de 2014, 2015 e 2017, indicando uma relação linear positiva. Diante dos resultados, deve ser considerada a influência das precipitações pluviométricas na abundância do vetor através do aumento no número de criadouros, e as variações ao longo do ano na precipitação pluviométrica e temperatura, fatores que contribuem para transmissão da doença dengue.


Keywords


Coeficiente de Pearson; Aedes aegypti; dengue; fatores climáticos.

References


ALMEIDA, A. S. A.; MEDRONHO, R. A.; VALENCIA, L. I. O. Análise espacial da dengue e o contexto socioeconômico no município do Rio de Janeiro. Revista Saúde Pública, São Paulo, v. 43, n. 4, p. 666-673, 2009.

ALVES, J. A. B.; SANTOS, J. R. S.; MENDONÇA, E. N. et al. Epidemiology of dengue in Aracaju. Revista da Sociedade Brasileira de Medicina Tropical, Uberaba, v. 44, n. 6, p. 670-673, 2011.

BRAGA, I. A.; VALLE, D. Aedes aegypti: histórico do controle no Brasil. Epidemiologia e Serviços de Saúde, Brasília, DF, v. 16, n. 2, p. 113-118, 2007a.

BRAGA, I. A.; VALLE, D. Aedes aegypti: vigilância, monitoramento da resistência e alternativas de controle no Brasil. Epidemiologia e Serviços de Saúde, Brasília, DF, v. 16, n. 4, p. 295-302, 2007b.

BRASIL. Ministério da Saúde. Levantamento Rápido do Índice de Infestação por Aedes aegypti: LIRAa. Brasília, DF, [2013]. Disponível em: http://www.dengue.org.br/dengue_levantamento_municipios.pdf. Acesso em: 15 maio 2019.

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Dengue: diagnóstico e manejo clínico adulto e criança. 5. ed. Brasília, DF: Ministério da Saúde, 2016.

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Diagnóstico Rápido nos Municípios para Vigilância Entomológica do Aedes aegypti no Brasil – LIRAa: metodologia para avaliação dos índices de Breteau e Predial. Brasília, DF: Ministério da Saúde, 2005.

CAMARA, T. N. C.; HONÓRIO, N. A.; OLIVEIRA, R. L. Freqüência e distribuição espacial de Aedes aegypti e Aedes albopictus (Diptera, Culicidae) no Rio de Janeiro, Brasil. Cadernos de Saúde Pública, Rio de Janeiro, v. 22, n. 10, p. 2079-2084, 2006.

COELHO, G. E. Relação entre o índice de infestação predial (IIP), obtido pelo levantamento rápido (LIRAa) e intensidade de circulação do vírus da dengue. 2008. Dissertação (Mestrado em Saúde Pública) - Programa de Pós Graduação em Saúde Coletiva, Universidade Federal da Bahia, Salvador, 2008.

COSTA, A. G.; SANTOS, J. D.; CONCEIÇÃO, J. K. T. et al. Dengue: aspectos epidemiológicos e o primeiro surto ocorrido na região do Médio Solimões, Coari, Estado do Amazonas, no período de 2008 a 2009. Revista da Sociedade Brasileira de Medicina Tropical, Uberaba, v. 44, n. 4, p. 471-474, 2011.

COSTA, F. S.; SILVA, J. J.; SOUZA, C. M. et al. Dinâmica populacional de Aedes aegypti (L) em área urbana de alta incidência de dengue. Revista da Sociedade Brasileira de Medicina Tropical, Uberaba, v. 41, n. 3, p. 309-312, 2008.

COSTA, I. M. P.; CALADO, D. C. Incidência da dengue (2007-2013 e distribuição sazonal de culicídeos (2012-2013) em Barreiras, Bahia, Brasil. Epidemiologia e Serviços de Saúde, Brasília, DF, v. 25, n. 4, p. 735-744, 2016.

ESPINAL, M. A.; ANDRUS, J. K.; JAUREGUI, B. et al. Arbovirosis emergentes y reemergentes transmitidas por Aedes en la Región de las Américas: implicaciones en materia de políticas de salud. Revista Panamericana de Salud Pública, Washington, D.C, v. 43, p. 1-5, 2019.

FLAUZINO, R. F.; SANTOS, R. S.; OLIVEIRA, R. M. Indicadores socioambientais para vigilância da dengue em nível local. Revista Saúde e Sociedade São Paulo, São Paulo, v. 20, n. 1, p. 225-240, 2011.

FORATTINI, O. P. Culicidologia médica: identificação, biologia e epidemiologia. São Paulo: EdUSP, 2002. v. 2.

GOMES, A. C. Medidas dos níveis de infestação urbana para Aedes (stegomyia) aegypti e Aedes (stegomyia) albopictus em programa de vigilância entomológica. Informe Epidemiológico do SUS, Brasília, DF, v. 2, n. 3, p. 44-57, 1998.

INMET. Instituto Nacional de Meteorologia. Brasília, DF, [2019]. Disponível em: http://www.inmet.gov.br/projetos/rede/pesquisa/. Acesso em: 5 jun. 2019.

JANSEN, C. C.; BEEBE, N. W. The dengue vector Aedes aegypti: what comes next. Microbes and Infection, Paris, n. 12, p. 272-279, 2010.

MIYAZAKI, R. D.; RIBEIRO, A. L. M.; PIGNATTI, M. G. et al. Monitoramento do mosquito Aedes aegypti (Linnaeus, 1762) (Diptera: Culicidae), por meio de ovitrampas no Campus da Universidade Federal de Mato Grosso, Cuiabá, Estado de Mato Grosso. Revista da Sociedade Brasileira de Medicina Tropical, Uberaba, v. 42, n. 4, p. 392-397, 2009.

MUKAKA, M. M. A guide to appropriate use of Correlation coefficient in medical research. Malawi Medical Journal, [Malawi], v. 24, n. 3, p. 69-71, 2012. Disponível em: https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC3576830/. Acesso em: 1 jul. 2019.

ORGANIZACIÓN MUNDIAL DE LA SALUD. Proyecto de respuesta mundial para el control de vectores 2017-2030: versión 5.4. Documento de contexto para informar las deliberaciones de la Asamblea Mundial de la Salud en su 70.ª reunión. 2017. Washington, D.C: Organización Mundial de la Salud, 2017.

ORGANIZACIÓN PANAMERICANA DE LA SALUD. Number of reported cases of dengue and severe dengue (SD) in the Americas, by country: figures for 2016. 2017. Washington, D.C, 2017. Disponível em: https://www.paho.org/hq /dmdocuments/2016/2016-cha-dengue-cases-jan-26-ew-52.pdf. Acesso em: 1 jun. 2019.

SALVADOR. Secretaria Municipal da Saúde do Salvador. Plano Municipal de Saúde do Salvador 2018-2021. Salvador: Secretaria Municipal da Saúde do Salvador, 2018.

SISTEMA de Informação de Agravos de Notificação – Sinan Net. Versão 3.0. Brasília, DF: TabWin, 2019. Disponível em: http://tabnet.datasus.gov.br/cgi/tabcgi.exe?sinannet/cnv/denguebba.def. Acesso em: 15 maio 2019.

YANG, H. M. Epidemiologia da Transmissão da Dengue. TEMA, São Paulo, v. 4, n. 3, p. 387-389, 2003.




DOI: https://doi.org/10.34119/bjhrv3n1-047

Refbacks

  • There are currently no refbacks.