Equipe multidisciplinar e o processo de desinstitucionalização: reflexos na vida de pacientes com transtorno mental/ Multidisciplinary team and the deinstitutionalization process: reflexes in the life of patients with mental disorder

Viviana Cristina de Souza Carvalho, Ana Paula Fontana, Flávio de Oliveira Mendes, Raiene Sara Cardoso Pereira, Isabella Marques de Souza Carvalho, Ana Flávia Resende Romanielo, Joyce Karolyny Lopes de Souza, Tayla Figueiredo Lacerda

Abstract


Nas últimas décadas o governo brasileiro intensificou as políticas públicas na área da saúde mental. A Lei 10.216/01 dispõe sobre a proteção e os direitos das pessoas portadoras de transtornos mentais, redirecionou o tratamento destes pacientes para Centros de Atenção Psicossociais (CAPS), que por sua vez conta com uma equipe multidisciplinar de profissionais que amparam os pacientes e seus respectivos familiares. O objetivo desta pesquisa é analisar se as pessoas acometidas com doença mental estão se adaptando ao processo de desinstitucionalização no convívio da família e sociedade. A metodologia utilizada foi a Teoria Fundamentada em Dados. Os resultados desta pesquisa apontaram para a compreensão da importância que a equipe multidisciplinar de profissionais que atuam no CAPS tem no tratamento do paciente com transtorno mental e de seus respectivos familiares. Avaliando as percepções destes profissionais, percebeu-se que eles se envolvem emocionalmente com o tratamento dos pacientes, com isso desenvolvem empatia, e o resultado deste envolvimento é mostrado pelos pacientes na forma de confiança. Assim, conclui-se que o processo de desinstitucionalização promove melhoria clínica e na qualidade de vida do paciente e de seus familiares e que a equipe multidisciplinar tem enorme contribuição para que esta melhoria ocorra.


Keywords


saúde mental, reforma psiquiátrica, qualidade de vida

References


AMARANTE, A. L.; LEPRE, A. S.; GOMES, J. L. D.; PEREIRA, A. V.; DUTRA, V.F.D. As estratégias dos enfermeiros para o cuidado em saúde mental no programa saúde da família. Texto e Contexto em Enfermagem, Florianópolis, v. 20, n. 1, p. 85-93, jan./mar. 2011.

AMORIM, A. M. M. N. E.; CRUZ, D. K. R.; CARDOSO, M. de L. L. O. Percepção do Enfermeiro no cuidar ao doente mental: uma revisão de literatura. Revista multiprofissional do hospital São Marcos. Teresina, v.1, n.2, p. 53-62, 2013.

BRASIL, Ministério da Saúde. Reforma Psiquiátrica e política de saúde mental no Brasil: Conferência Regional de Reforma dos Serviços de Saúde Mental: 15 anos depois de Caracas, Novembro 2005. Disponível em: < http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/Relatorio15_anos_Caracas.pdf>. Acesso em: 12 de fev. 2012.

NOGUEIRA-MARTINS, M. C. F; MARCO, M. A. de. Humanização e processos comunicacionais: reflexões sobre a relação entre o profissional de saúde e o usuário. Comunicação e Saúde. V.12., n.1, p. 51-54 , 2010.

SILVA, N. S. et al. Percepção de enfermeiros sobre aspectos facilitadores e dificultadores de sua prática nos serviços de saúde mental. Revista brasileira de enfermagem, Brasília, v. 66, n. 5, 2013.




DOI: https://doi.org/10.34119/bjhrv3n1-026

Refbacks

  • There are currently no refbacks.