Eventos adversos a medicamentos associados à função renal e hipercalemia em uma revisão bibliográfica / Adverse drug events to associate to renal function and hypercalemia in a bibliographic review

Rafaela Sonsim de Oliveira Pellissari, Andréia Cristina Conegero Sanches

Abstract


Dentro do âmbito hospitalar a ocorrência de Eventos Adversos a Medicamentos (EAM’s) são frequentes, no entanto estes devem ser monitorados para    que danos mais graves aos pacientes sejam evitados e que haja menos desperdício de recursos financeiros. Para se identificar EAM`s, rastreadores podem ser utilizados como método eficaz. Insuficiência Renal (IR) é definida pela Sociedade Brasileira de Nefrologia como redução da função renal e Hipercalemia é um distúrbio hidroeletrolítico, no qual é definida com o aumento de potássio acima de 5,5mmol/L. Ambas as doenças estão relacionadas ao equilíbrio hídrico saudável do organismo e se apresentam em crescente aumento dentro dos hospitais. Para o diagnóstico destas doenças temos os exames de creatinina e de potássio, que são utilizados também na prática hospitalar como rastreadores de eventos adversos. A fim de compreender melhor os assuntos e relaciona-los, o seguinte estudo traz uma revisão bibliográfica.


Keywords


Farmacovigilância, Insuficiência Renal, Hipercalemia, Creatinina, Aumento de Potássio.

References


ABENSUR, H. e-book: Biomarcadores na Nefrologia. Roche Diagnóstica Brasil Ltda. São Paulo. 2011.

ANVISA. Agência Nacional de Vigilância Sanitária. Disponível em: http://portal.anvisa.gov.br/farmacovigilancia. Acesso em novembro, 2019.

Brasil. Ministério da Saúde. Agência Nacional de Vigilância Epidemiológica. Brasília: Hospital Sentinela 2003. Disponível em http://www.anvisa.gov.br/ servicosaude/hsentinela/index.ht.

CANO, F. G., ROZENFELD, S. Adverse drug events in hospitals: a systematic review. Cad Saúde; v. 25; Suppl 3:S360-72; 2009.

CHAABOUNI, Y., YAICH, S., KHEDHIRI, A., ZAYEN, M. A., KHARRAT, M., KAMMOUN, K., JARRAYA, F., HMIDA, M.B., DAMAK, J., HACHICHA. Profil épidémiologique de I’insuffisance rénale chronique terminale dans la région de Sfax. The Pan African Medical Journal. v.29; 2018.

DUTRA, V. F., TALLO, F. S., RODRIGUES, F. T., VENDRAME, L. S., LOPES, R. D., LOPES, A. C. Desequilíbrios hidroeletrolíticos na sala de emergência. Revista Brasileira Clínica Médica; v. 10; p.410; São Paulo, 2012.

FABRETTI, S. C., BRASSICA, S. C., CIANCIARULLO, M. A., ROMANO-LIEBER, N. S. Rastreadores para a busca ativa de eventos adversos a medicamentos em recém-nascidos. Cad. Saúde Pública; v.34; (P)e00069817; 2018.

GUEDES, J. R., SILVA, E. S., CARVALHO, I. L. N., OLIVEIRA, D. Incidência e fatores predisponentes de Insuficiência Renal Aguda em Unidade de Terapia Intensiva. Cogitare Enfermagem; v. 22; 2017.

GUYTON, A. C., HALL, J. E. Tratado de Fisiologia Médica. Elsevier editora Ltda. 13° Edição. São Paulo, 2016.

HERNANDES, F. Minidicionário do Paciente Renal. SBN - Sociedade Brasileira de Nefrologia. São Paulo; 2015. Acesso em 20/06/2019. Disponível: http://www.sbn.org.br/leigos/pdf/Mini_dicio_terapia_substitutiva.pdf.

LA RUSSA, R., FINESCCHI, V., DI SANZO, M., GATTO, V., SANTURRO, A., MARTINI, G., SCOPETTI, M., FRATI, P. Personalized Medicine and Adverse Drug Reactions: The Experience of An Italian Teaching Hospital. Current Pharmaceutical Biotechnology. Bentham Science Publishers, v.18, p.274-281, 2017.

LIMA, M. T., CUENTRO, S. V., GERLACK, F. L., ANDRADE, A. M., BÓS, G. J. A., WERLANG, C. M. Interações medicamentosas entre pacientes idosos internados em um hospital universitário. RIPSA – Rede integrada de Informações para Saúde. v. 41, n.4, p. 625-632, 2017.

LISBÔA, H. R. Hipercalemia: revendo conceitos e terapêutica. Portal Pebmed. Disponível em: https://pebmed.com.br/hipercalemia-revendo-conceitos-e-terapeutica/. Acesso em novembro, 2019.

OPAS - Organização Pan-Americana da Saúde. “Boas práticas de farmacovigilância para as Américas”. Washington; D.C.:OPAS; 2011. (Rede PAHRF Documento Técnico N°5).

OPAS/OMS - Organização Pan-Americana da Saúde / Organização Mundial da Saúde. “A importância da farmacovigilância”. Brasília, DF; 2005. (Monitorização da segurança dos medicamentos).

PAULA, C. V., BARRETO, R. R., SANTOS, V. E., SILVA, S. A., MAIA, S. B. M., Avaliação de eventos clínicos adversos decorrentes de interações medicamentosas em uma unidade de terapia intensiva de um hospital terciário. Boletim Informativo Geum, v. 6, n. 3, p. 83-90, setembro 2015.

PERAZELLA, M. A. Drug-induced hyperkalemia: old culprits and new offenders. The American Journal of Medicine. v. 109; p. 307-314; September 2000.

PINTO, S. P., CARMINATTI, M., LACET, T., RODRIGUES, F. D., NOGUEIRA, O. L., BASTOS. G. M., FERNANDES, N. Insuficiência renal aguda nefrotóxica: prevalência, evolução clínica e desfecho. J. Brasileiro Nefrologia; v. 31; ed. 3; p.183-189; Agosto de 2009.

RESAR, R. K., ROZICH, J. D., SIMMONDS, T., HARADEN, C. R. A trigger tool to identify adverse events in the intensive care unit. The Joint Commission Journal on Quality and Patient Safety. v. 32; ed. 10; p.585-590; Outubro, 2006.

ROBERT, L., FICHEUR, G., DÉCAUDIN, B., GELLENS, J., LUYCKX, M., PERICHON, R., GAUTIER, S., PUISIEUX, F., CHAZARD, E., BEUSCART, J-P. Hospital-Acquired Hyperkalemia Events in Older Patients Are Mostly Due to Avoidable, Multifactorial, Adverse Drug Reactions. Clinical Pharmacology & Therapeutics; v. 105; n. 3; nov., 2018.

ROQUE, K. E., MELO, E. C. P. Adaptação dos critérios de avaliação de eventos adversos a medicamentos para uso em um hospital público no Estado do Rio de Janeiro. Revista Brasileira de Epidemiologia; vol.13; n°4. São Paulo; dezembro, 2010.

ROZENFELD, S., GIORDANI, F., COELHO, S. Eventos adversos a medicamentos em hospital terciário: estudo piloto com rastreadores. Revista de Saúde Pública; v. 47(6):1102-11; 2013.

SANTOS, S. E., MARINHO, S. M. C., Principais causas de insuficiência renal aguda em unidades de terapia intensiva: intervenção de enfermagem. Revista de Enfermagem Referência; vol. III, n.9, Coimbra, março 2013.

SILVA CMS, SILVA DAN, SILVA GGP, MAIA LFS, OLIEIRA TS Insuficiência renal aguda: principais causas e a intervenção de enfermagem em UTI. Revista Recien – Revista Científica de Enfermagem; v. 6, n. 16, 2016.

SILVA, R. R. E., LUCENA, F. A. e colaboradores. Diagnósticos de Enfermagem com base em sinais e sintomas. Artmed, 2011.

Truhlář A, Deakin CD, Soar J, Khalifa GEA, Alfonzo A, Bierens JJ, et al. European resuscitation council guidelines for resuscitation 2015. Resuscitation. 2015; 95:148–201.

YU, L., SANTOS, B. F. C., BURDMANN, E. A., SUASSUNA, J. H. R., BATISTA, P. B. P. Diretrizes da Associação Médica Brasileira (AMB) / Sociedade Brasileira de Nefrologia (SBN). Insuficiência Renal Aguda. São Paulo, 2007.




DOI: https://doi.org/10.34119/bjhrv3n1-019

Refbacks

  • There are currently no refbacks.