Rede de atenção a saúde: enfrentamento da violência contra mulher no município de Rio Grande/ Health care network: fighting violence against women in the municipality of Rio Grande

Cristiane Lopes Amarijo, Aline Belletti Figueira, Alex Sandra Ávila Minasi, Silvana Possani Medeiros, Bárbara da Silva Gama, Larissa Merino

Abstract


O estudo objetivou construir uma proposta de rede de atenção à saúde e enfrentamento à violência contra à mulher no município de Rio Grande, através de um sistema de informação, com uso dos órgãos que já atuam neste contexto, além de considerar estudos de outros modelos de redes existentes. Trata-se de um levantamento teórico-reflexivo, de abordagem qualitativacom base na identificação e análise de elementos obtidos a partir da leitura de artigos nacionais e internacionais sobre redes, além delivros impressos dos serviços que atuam no combate a violência em Rio Grande. A pesquisa ocorreu entre os meses de julho a dezembro de 2015. Com os resultados, percebe-se que, embora este município tenha distintos serviços de enfrentamento à violência contra mulher, falta conexão entre eles. Desta forma, é apresentado um modelo de fluxo de atendimento em rede, o qual interliga as informações tornando-as mais eficientes. Conclui-se que para diminuir os índices de violência contra mulher e agilizar o atendimento as mesmas, é imprescindível que os serviços de atendimento e apoio trabalhem em uma rede articulada com identificação das vítimas, prestação da assistência direta e imediata, além da punição dos agressores.


Keywords


Ação Intersetorial; Mulheres Maltratadas; Violência Doméstica.

References


ABADE, L. O custo da violência para o SUS. 31/03/2009 12:19:07. Disponível em: http://www.redehumanizasus.net/5399-o-custo-da-violencia-para-o-sus Acessado em: 08 dez 2014.

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Políticas de Saúde. Violência intrafamiliar: orientações para a prática em serviço. Cadernos de Atenção Básica nº 8, série A – Normas e Manuais Técnicos; nº 131. Brasília, 2002.

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Impacto da violência na saúde dos brasileiros / Secretaria de Vigilância em Saúde. – Brasília: Ministério da Saúde, 2005.

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Ações Programáticas Estratégicas. Prevenção e tratamento dos agravos resultantes da violência sexual contra mulheres e adolescentes: norma técnica / Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. – 3. ed. – Brasília : Editora do Ministério da Saúde, 2012.

COUTO, N.; et al. Abordagem do profissional de enfermagem à mulher vítima de violência sexual. Rev. Pesqui.:Cuid. Fundam. (Online);1(2):1841-1847, ago.-dez. 2009.

DREZETT, J.; et al. Contribuição ao estudo do abuso sexual contra a adolescente: uma perspectiva de saúde sexual e reprodutiva e de violação de direitos humanos. Adolescência & saúde. VOLUME 1; Nº 4; DEZEMBRO 2004.

LABROCINI, L.M. et al. Caracterização das vítimas e agressores de violência sexual em um serviço ambulatorial. Online braz.j. nurs. (Online); 6(0), jan. 2007.

LEÔNCIO, K.L., et al. O perfil de mulheres vitimizadas e de seus agressores. Rev. enferm. UERJ, Rio de Janeiro, 2008 jul/set; 16(3):307-12.

MENDES, E. V. As redes de atenção à saúde: revisão bibliográfica, fundamentos, conceito e elementos constitutivos. In: MENDES, E. V. As redes de atenção à saúde. Brasília: Organização Pan-Americana da Saúde, 2011. p. 61-208.

ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DA SAÚDE. Relatório Mundial sobre Violência e a Saúde. Bruxelas, 2002. Disponível em Acessado em 07 nov 2014.

OSHIKATA, C. T.; BEDONE, A. J.; FAÚNDES, A. Atendimento de emergência a mulheres que sofreram violência sexual: características das mulheres e resultados até seis meses pós-agressão. Cad. Saúde Pública, Rio de Janeiro, 21(1):192-199, jan-fev, 2005.

RIO GRANDE. Informativo de serviços para mulheres do Rio Grande. Prefeitura Municipal do Rio Grande. 2014.

RIO GRANDE DO SUL. Entre na Rede Chimarrão. Secretaria Estadual da Saúde. 2014. Disponível em: http://www.saude.rs.gov.br/conteudo/333/?Entre_na_Rede_Chimarr%C3%A3o Acesso em: 16 dez 2014.

RODRIGUES, R. I.; et al. Custo da Violência para o Sistema Público de Saúde no Brasil. TEXTO PARA DISCUSSÃO Nº 1295. Brasília, agosto de 2007. IPEA – Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada. Governo Federal Secretaria de Planejamento de Longo Prazo da Presidência da República.

VENTURI, G., RECAMÁN, M. OLIVERIA, S. A mulher brasileira nos espaços público e privado. – 1. ed. – São Paulo: Editora Fundação, Perseu Abramo, 2010.

VIANNA, A.C.; BOMFIM, G. F. T.; CHICONE, G. Auto-estima de mulheres que sofreram violência. Rev Latino-am Enfermagem. 2006 setembro-outubro; 14(5).




DOI: https://doi.org/10.34119/bjhrv3n1-016

Refbacks

  • There are currently no refbacks.