Avaliação do telessaúde como apoio à EPS na ABS: o caso de Santa Catarina, Brasil/ Evaluation of telehealth as support to permanent health education in primary care: the case of Santa Catarina, Brazil

Luise Lüdke Dolny, Josimari Telino de Lacerda, Luana Gabriele Nilson, Maria Cristina Marino Calvo, Sônia Natal, Marcos Aurélio Maeyama, Elis Roberta Monteiro

Abstract


A Educação Permanente em Saúde (EPS) é reconhecida como estratégia para superar lacunas da formação profissional para atuação no modelo da integralidade. O objetivo foi verificar o grau de implantação de um Núcleo de Telessaúde enquanto estratégia de apoio à EPS. Desenvolveu-se pesquisa avaliativa de implantação por meio de estudo de caso do Núcleo Telessaúde de Santa Catarina e como níveis de análise profissionais do Telessaúde SC (Nível 1, n=8) e equipes de Saúde da Família (eSF) participantes do Telessaúde SC (Nível 2, n=27). Realizaram-se entrevistas semiestruturadas e análise de conteúdo temática em quatro dimensões: 1) Identificação de Problemas no Contexto de Trabalho; 2) Ampliação do Conhecimento Aplicado ao Contexto Local; 3) Trabalho Interdisciplinar e 4) Protagonismo das Equipes na Tomada de Decisão. Considerou-se oferta satisfatória atingir o mínimo 75% da pontuação e uso satisfatório o percentual mínimo de 75% dos entrevistados que atribuía ao Telessaúde SC apoio em cada dimensão. O Telessaúde SC está implantado satisfatoriamente em três dimensões e de forma regular em uma. As eSF identificaram o apoio satisfatório apenas na dimensão 2. É necessário avançar na interação personalizada com as eSF, no desenvolvimento das competências reflexiva e dialógica e na sensibilização de gestores e profissionais.


Keywords


Educação Permanente em Saúde, Telessaúde, Avaliação de Programas e Projetos de Saúde.

References


ALKMIM, Maria B. M. et al. Factors Associated with the Use of a Teleconsultation System in Brazilian Primary Care. Telemed J E Health, v. 21, n. 6, p. 1-11, 2015.

ANDRADE, Rebeca S. de et al. Processo de trabalho em unidade de saúde da família e a educação permanente. Trabalho, Educação e Saúde, Rio de Janeiro, v. 14, n.2, p. 505-521, 2016.

BEGON, Emmanuelle; MAIRESSE, Philippe. Réflexivité et capabilité: la part de création dans l’activité. Education Permanente, n° 196, p. 39-52, 2013-3.

BERBEL, Neusi A. N. A Metodologia da Problematização e os Ensinamentos de Paulo Freire: uma relação mais que perfeita. In: BERBEL, Neusi A. N. (Org). Metodologia da Problematização: Fundamentos e Aplicações. Londrina: Ed. UEL, 1999. p. 1-28.

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Gestão do Trabalho e Educação na Saúde. Departamento de Gestão da Educação na Saúde. Política Nacional de Educação Permanente em Saúde. Brasília: Ministério da Saúde, 2009. v. 9. 64 p. (Série B. Textos Básicos de Saúde. Série Pactos pela Saúde).

BRASIL. Ministério da Saúde. Portaria nº 2.546, de 27 de outubro de 2011. Redefine e amplia o Programa Telessaúde Brasil, que passa a ser denominado Programa Nacional Telessaúde Brasil Redes (Telessaúde Brasil Redes). Diário Oficial da República Federativa do Brasil, Poder Executivo, Brasília, DF, Ministério da Saúde.

BRASIL. Ministério da Saúde. Manual de Telessaúde para Atenção Básica/Atenção Primária à Saúde. Brasília: Ministério da Saúde; Universidade Federal do Rio Grande do Sul, 2012.

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde, Departamento de Atenção Básica. Nota Técnica nº50/2015-DEGES/SGTES/MS: Diretrizes para a oferta de atividades do Programa Nacional Telessaúde Brasil Redes. Brasília, DF: Ministério da Saúde, 2015.

BRASIL. Ministério da Saúde. Departamento de Atenção Básica. Telessaúde Brasil Redes na Atenção Básica à Saúde. Disponível em: http://dab.saude.gov.br/portaldab/ape_telessaude.php. Acesso em: 02 jul. 2018.

CAMPOS, Patrícia D.; FERRARI, Deborah V. Telessaúde: avaliação da eficácia da teleconsulta na programação e adaptação de aparelho de amplificação sonora individual. J. Soc. Bras. Fonoaudiol, v. 24, n. 4, p. 301-308, 2012.

CAMPOS, Gastão W. de S. Um método para análise e cogestão de coletivos. A constituição do sujeito, a produção de valor de uso e a democracia em instituições: o método da roda. São Paulo: Hucitec, 2015.

CECCIM, Ricardo B.; FERLA, Alcindo A. Educação Permanente em Saúde. In: PEREIRA, Isabel B.; LIMA, Julio C. (Coords). Dicionário da educação profissional em saúde. 2 ver. ed. ampl. Rio de janeiro: EPSJV, 2008, p. 162-168.

CHAMPAGNE, François et al. A análise da implantação. In: BROUSSELLE, A et al (orgs). Avaliação: conceitos e métodos. Rio de Janeiro: Editora Fiocruz, 2011. p. 217-238.

CHIRELLI, Mara Q. et al. Educação Permanente nos municípios: a formação por competência dialógica. Relato de Experiência. Revista Baiana de Saúde Pública. v.38, n.2, p.477-489. 2014.

CHAUBET, Philippe. Des conditions favorables à une réflexion collective de l’expérience. Education Permanente, n° 196, p. 53-64, 2013-3.

DAVINI, Maria C. Enfoques, Problemas e Perspectivas na Educação Permanente dos Recursos Humanos de Saúde. In: BRASIL. Ministério da Saúde. Política Nacional de Educação Permanente em Saúde. Brasília: Ministério da Saúde, 2009. p. 39-63.

DOLNY, Luise L. et al . Serviços de Telessaúde como apoio à Educação Permanente na Atenção Básica à Saúde: uma proposta de modelo avaliativo. Interface (Botucatu), Botucatu, v. 23, e180184, 2019 . Disponível em: . Acesso em: 17 dez. 2019. Epub July 10, 2019. http://dx.doi.org/10.1590/interface.180184.

FERREIRA, Gimerson E. et al. Da avaliação à cooperação: constituindo espaços de Educação Permanente em Saúde no trabalho avaliativo. In: GOMES, Luciano B.; BARBOSA, Mirceli G.; FERLA, Alcindo A. (orgs). A educação permanente em saúde e as redes colaborativas: conexões para a produção de saberes e práticas. Porto Alegre: Rede Unida, 2016. p. 143-173.

FIGUEIREDO, Maria C. B. de et al (Org). Formação de Facilitadores de Educação Permanente em Saúde. Rio de Janeiro: EAD/Ensp, 2014.

FREIRE, Paulo. Pedagogia do Oprimido. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 2005.

FRENK, Julio et al. Health professionals for a new century: transforming education to strengthen health systems in an interdependent world. The Lancet, v. 376, n. 9756, p. 1923-1958, 2010.

GÉRVAS, Juan. Formación básica y continuada em Atención Primária. Entrevista. El Mirador. Madrid, abril 2018. Disponível em: https://www.actasanitaria.com/formacion-basica-y-continuada-en-atencion-primaria/. Acesso em: 02 jul. 2018.

GIGANTE, Renata L.; CAMPOS, Gastão W.de S. Política de Formação e Educação Permanente em Saúde no Brasil: bases legais e referências teóricas. Trabalho, Educação e Saúde, Rio de Janeiro, v. 14, n. 3, p. 747-763, 2016.

GOMES, Luciano B.; MERHY, Emerson E. Colaborações ao Debate sobre a Revisão da Política Nacional de Educação Permanente em Saúde. In: GOMES, Luciano B.; BARBOSA; Mirceli G.; FERLA, Alcindo A. (orgs). A educação permanente em saúde e as redes colaborativas: conexões para a produção de saberes e práticas. Porto Alegre: Rede UNIDA, 2016. p. 67-92.

JORGE, Maria S. B. et al. Processo formativo em saúde e suas valises teórico-metodológicas. In: JORGE, Maria S. B.; LIMA; Leilson L. de; PINTO, Antonio G. A. (Orgs). Caminhos da formação em saúde: políticas, desafios e contradições – ensino, pesquisa, cuidado e gestão. Fortaleza: EdUECE, 2012. p. 23-46.

LEMOS, Cristiane L. S. Educação Permanente em Saúde no Brasil: educação ou gerenciamento permanente? Ciência & Saúde Coletiva, v. 21, n. 3, p. 913-922, 2016.

LIMA, Luciana P. de S.; RIBEIRO, Mara R. R. A competência para Educação Permanente em Saúde: percepções de coordenadores de graduações da saúde. Physis Revista de Saúde Coletiva, Rio de Janeiro, 26 [ 2 ]: 483-501, 2016.

LUDKE, Luise; CUTOLO, Luiz R. A. Formação de Docentes para o SUS: um desafio sanitário e pedagógico. Saúde & Transformação Social, Florianópolis, v.1, n.1, p.88-98, 2010.

McMAHON, Graham T. What do I need do learn today? – The evolution of CME. N ENGL J MED, v. 374, v. 15, p. 1403-06, 2016.

MERHY, Emerson E.; FEUERWEKER, Laura C. M.; CECCIM, Ricardo B. Educación Permanente en Salud:una Estrategia para Intervenir en la Micropolítica del Trabajo en Salud. Revista Salud Colectiva, v. 2, n. 2, p. 147-160, 2006.

MERHY, Emerson E.; FEUERWEKER, Laura C. M. Educação permanente em Saúde: educação, saúde, gestão e produção do cuidado. In: MANDARINO, Ana C. DE S.; GALLO, Eedmundo; GOMBERG, Estélio (org). Informar e Educar em Saúde: análises e experiências. Salvador: EDUFBA, Editora Fiocruz, 2014. p. 9-26.

MINAYO, Maria C. de S. O desafio do conhecimento: pesquisa qualitativa em saúde. 14. Ed. São Paulo: Hucitec, 2014.

NEPAL, Surya et al. A Framework for Telehealth Program Evaluation. Telemed J E Health. v. 20, n. 4, p. 393-404, 2014.

NILSON, Luana G. Telehealth Centers: A Proposal of a Theoretical Model for Evaluation. Telemed J E Health. 2017. 23(11): 1-8.

NOVAES, Magdala A. et al. Tele-educação para educação continuada das equipes de saúde da família em saúde mental: a experiência de Pernambuco, Brasil. Interface (Botucatu) [online]. v. 16, n. 43, p. 1095-106, 2012.

NÚCLEO TELESSAÚDE SC. Universidade Federal de Santa Catarina. Relatórios de Monitoramento das participações de todos os serviços de Telessaúde de 2012 a junho de 2018. Florianópolis: Universidade Federal de Santa Catarina. 2018.

OLIVEIRA, João A.S. Telessaúde e os médicos da atenção básica: uma análise à luz da Micropolítica do trabalho e da produção do cuidado em saúde. 88f. Dissertação (Mestrado Profissional em Saúde Coletiva) - Programa de Pós-Graduação em Saúde Coletiva, Universidade estadual de Feira de Santana, Feira de Santana, 2013.

OLIVIERA, Dulcineide G. et al. Análise da implantação do Programa Telessaúde Brasil em Pernambuco, Brasil: estudo de casos. Cad. Saúde Pública. v. 31, n. 11, p. 2367-2378, 2015.

ORGANIZAÇÃO PANAMERICANA DE LA SALUD. Marco de Implementación de um Servicio de Telemedicina. Washington, DC: Opas, 2016.

PESSOA, Cristiane G. et al. Description of Factors Related to the Use of the Teleconsultation System of a Large Telehealth Service in Brazil – the Telehealth Network of Minas Gerais. J Int Soc Telemed eHealth, v. 3, e4, p. 1-9, 2016.

PINTO, Heider Política Nacional de Educação Permanente em Saúde: aprender para Transformar. In: GOMES, Luciano B.; BARBOSA; Mirceli G.; FERLA, Alcindo A. (orgs). A educação permanente em saúde e as redes colaborativas: conexões para a produção de saberes e práticas. Porto Alegre: Rede UNIDA, 2016. p. 23-65.

ROVERE, Mario R. Gestion Estrategica de la Educacion Permanente em Salud. In: HADDAD, Jorge Q; ROSCHKE, Maria A. C.; DAVINI, Maria C. Educacion Permanente de Personal de Salud. Washington, D.C.: OPAS, 1994. p. 63-106.

SAUPE, Rosita et al. Conceito de Competência: validação por profissionais de saúde. Saúde Rev., Piracicaba, v. 8, n. 18, p. 31-37, 2006.

SCOTT, Richard E.; MARS, Maurice. Telehealth in the developing world: current status and future prospects. Smart Homecare Technology and Telehealth. v. 3, p. 25-37, 2015.

SILVA, Angelica B. Telessaúde no Brasil: Conceito e Aplicações. Rio de Janeiro: Doc Editora, 2014.

SILVA, Jaqueline A. M. da; PEDUZZI, Marina. Educação no trabalho na atenção primária à saúde: interfaces entre a educação permanente em saúde e o agir comunicativo. Saude soc. [online], v. 20, n. 4, p. 1018-1032, 2011.

SILVA, Luiz A. A. et al. Educação permanente em saúde na atenção básica: percepção dos gestores municipais de saúde. Rev. Gaúcha Enferm., Porto Alegre, v. 38, n. 1, e58779, 2017.

SOUZA, Luís E. P. F. de; SILVA, Lígia M. V. da; HARTZ, Zulmira M. de A. Conferência de Consenso sobre a imagem-objetivo da descentralização da atenção à saúde no Brasil. In: HARTZ, Zulmira M. de A.; SILVA, Lígia M. V. da (Orgs). Avaliação em Saúde: dos modelos teóricos à prática na avaliação de programas e sistemas de saúde. 3ª Reimpressão. Salvador/Rio de Janeiro: EDUFBA/Fiocruz, 2005. p. 65-102.

THE NATIONAL ACADEMIES OF SCIENCES, ENGINEERING, AND MEDICINE. A Framework for Educating Health Professionals to Address the Social Determinants of Health. Washington, DC: The National Academies Press, 2016. Disponível em: https://www.nap.edu/catalog/21923/a-framework-for-educating-health-professionals-to-address-the-social-determinants-of-health. Acesso em: 02 jul. 2018.

UNITED KINGDOM. Department of Health. ‘Working Together – Learning Together’ A Framework for Lifelong Learning for the NHS. Department of Health Publications: 2001.

UNITED KINGDOM. Department of Health. Liberating the NHS: Developing the Healthcare Workforce From Design to Delivery. Department of Health Publications: 2012.

VENDRUSCULO, Carine et al. Educação permanente em saúde: percepção dos gestores do SUS na Macrorregião Oeste, em Santa Catarina. R. Eletr. de Com. Inf. Inov. Saúde, Rio de Janeiro, v.7, n.4, 2013.

WORLD HEALTH ORGANIZATION. Telemedicine: opportunities and developments in Member States: report on the second global survey on eHealth. Global Observatory for eHealth Series. Geneva: World Health Organization, 2010.




DOI: https://doi.org/10.34119/bjhrv3n1-003

Refbacks

  • There are currently no refbacks.