Educação permanente em saúde (EPS) no processo de trabalho de equipes de saúde da família (ESF)/ Permanent health education in family health teams work process

Luise Lüdke Dolny, Josimari Telino derda Lace, Luana Gabriele Nilson, Maria Cristina Marino Calvo, Sônia Natal, Marcos Aurélio Maeyama

Abstract


A Educação Permanente em Saúde (EPS) é uma estratégia para transformar o cuidado em saúde na direção da integralidade, por meio da reflexão-ação em serviço. O objetivo deste estudo foi analisar a implantação da EPS no trabalho de equipes de Saúde da Família (eSF), os tipos de apoio acessados e os fatores que favorecem ou dificultam essa prática. Realizou-se avaliação de implantação de abordagem quanti-qualitativa. Foram selecionadas cinco eSF do estado de Santa Catarina participantes do Telessaúde SC e realizadas entrevistas semiestruturadas com 27 profissionais. Foi realizada análise temática seguindo quatro dimensões prévias que orientaram a definição do grau de implantação obtido a partir de comparação entre o esperado e o observado. Na sequência foi conduzida uma análise dos contextos das eSF, identificando aspectos semelhantes e divergentes que favorecem e dificultam a implantação de uma rotina de EPS no cotidiano de trabalho. Destacam-se como aspectos favoráveis o entrosamento entre a equipe e a cogestão e, como desfavoráveis, a dificuldade de tempo individual de estudo e a falta de apoio da gestão municipal. É necessário investir no desenvolvimento de competências gerenciais, dialógicas, democráticas, reflexivas e de atitude proativa para inovação nas soluções em saúde.


Keywords


Educação Permanente em Saúde, Atenção Básica à Saúde, Avaliação em Saúde.

References


ANDRADE, Rebeca S. de et al. Processo de trabalho em unidade de saúde da família e a educação permanente. Trabalho, Educação e Saúde, Rio de Janeiro, v. 14, n.2, p. 505-521, 2016.

BARTH, Priscila O. et al. Educação permanente em saúde: concepções e práticas de enfermeiros de unidades básicas de saúde. Revista Eletrônica de Enfermagem, Goiânia, v. 16, n. 3, p. 604-11, 2014.

BRASIL. Constituição da República Federativa do Brasil. Brasília: Senado Federal, 1988. 292 p.

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Gestão do Trabalho e Educação na Saúde. Departamento de Gestão da Educação na Saúde. Política Nacional de Educação Permanente em Saúde. Brasília: Ministério da Saúde, 2009. v. 9. 64 p. (Série B. Textos Básicos de Saúde. Série Pactos pela Saúde).

CARDOSO, Ivana M. “Rodas de Educação Permanente” na Atenção Básica à saúde: analisando contribuições. Saúde e Sociedade, São Paulo, v.21, supl.1, p.18-28, 2012.

CECCIM, Ricardo B.; FERLA, Alcindo A. Educação Permanente em Saúde. In: PEREIRA, Isabel B.; LIMA, Julio C. (Coords). Dicionário da educação profissional em saúde. 2 ver. ed. ampl. Rio de janeiro: EPSJV, 2008, p. 162-168.

CHAMPAGNE, François et al. A análise da implantação. In: BROUSSELLE, A et al (orgs) Avaliação: conceitos e métodos. Rio de Janeiro: Editora Fiocruz, 2011. p. 217-238.

COLLAR, Janaína M.; ALMEIRA NETO, João B. de; FERLA, Alcindo A. Educação Permanente e o cuidado em saúde: ensaio sobre o trabalho como produção inventiva. Saúde em Redes, v. 1, n. 4, p. 53-64, 2015.

DAVINI, Maria C. Enfoques, Problemas e Perspectivas na Educação Permanente dos Recursos Humanos de Saúde. In: BRASIL. Ministério da Saúde. Política Nacional de Educação Permanente em Saúde. Brasília: Ministério da Saúde, 2009. p. 39-63.

DOLNY, Luise L. et al . Serviços de Telessaúde como apoio à Educação Permanente na Atenção Básica à Saúde: uma proposta de modelo avaliativo. Interface (Botucatu), Botucatu, v. 23, e180184, 2019. Disponível em: . Acesso em: 17 dez. 2019. Epub July 10, 2019. http://dx.doi.org/10.1590/interface.180184.

FIGUEIREDO, Maria C. B. de et al (Org). Formação de Facilitadores de Educação Permanente em Saúde. Rio de Janeiro: EAD/Ensp, 2014.

FIGUEIREDO, Eluana B. L. de et al. Dez anos da educação permanente como política de formação em saúde no Brasil: um estudo das teses e dissertações. Trabalho, Educação e Saúde, Rio de Janeiro, v. 15, n. 1, p. 147-162, 2017.

FRENK, Julio et al. Health professionals for a new century: transforming education to strengthen health systems in an interdependent world. The Lancet, v. 376, n. 9756, p. 1923-1958, 2010.

GIGANTE, Renata L.; CAMPOS, Gastão W.de S. Política de Formação e Educação Permanente em Saúde no Brasil: bases legais e referências teóricas. Trabalho, Educação e Saúde, Rio de Janeiro, v. 14, n. 3, p. 747-763, 2016.

JORGE, Maria S. B. et al. Processo formativo em saúde e suas valises teórico-metodológicas. In: JORGE, Maria S. B.; LIMA; Leilson L. de; PINTO, Antonio G. A. (Orgs). Caminhos da formação em saúde: políticas, desafios e contradições – ensino, pesquisa, cuidado e gestão. Fortaleza: EdUECE, 2012. p. 23-46.

LEMOS, Cristiane L. S. Educação Permanente em Saúde no Brasil: educação ou gerenciamento permanente? Ciência & Saúde Coletiva, v. 21, n. 3, p. 913-922, 2016.

LUDKE, Luise; CUTOLO, Luiz R. A. Formação de Docentes para o SUS: um desafio sanitário e pedagógico. Saúde & Transformação Social, Florianópolis, v.1, n.1, p.88-98, 2010.

MERHY, Emerson E.; GOMES, Luciano B. Colaborações ao Debate sobre a Revisão da Política Nacional de Educação Permanente em Saúde. In: GOMES, Luciano B.; BARBOSA; Mirceli G.; FERLA, Alcindo A. (Orgs). A educação permanente em saúde e as redes colaborativas: conexões para a produção de saberes e práticas. Porto Alegre: Rede UNIDA, 2016. p. 67-92.

MINAYO, Maria C. de S. O desafio do conhecimento: pesquisa qualitativa em saúde. 14. Ed. São Paulo: Hucitec, 2014.

NESPOLI, Grasieli.; RIBEIRO, Victoria M. B. Discursos que formam saberes: uma análise das concepções teóricas e metodológicas que orientam o material educativo de formação de facilitadores de Educação Permanente em Saúde. Interface (Botucatu), Botucatu, v. 15, n. 39, p. 985-996, 2011.

ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DA SAÚDE. Marco para Ação em Educação Interprofissional e Prática Colaborativa. Genebra: OMS, 2010.

PERES, Cristiane; SILVA, Roseli F. da; BARBA, Patrícia C. de S. D. Desafios e potencialidades do processo de Educação Permanente em Saúde. Trabalho, Educação e Saúde, Rio de Janeiro, v. 14, n. 3, p. 783-801, 2016.

PINTO, Heider. Política Nacional de Educação Permanente em Saúde: aprender para Transformar. In: GOMES, Luciano B.; BARBOSA; Mirceli G.; FERLA, Alcindo A. (Orgs). A educação permanente em saúde e as redes colaborativas: conexões para a produção de saberes e práticas. Porto Alegre: Rede UNIDA, 2016. p. 23-65.

SILVA, Luiz A. A. da et al. Avaliação da Educação Permanente no Processo de Trabalho em Saúde. Trabalho, Educação e Saúde, v. 14, n.3, Rio de Janeiro, 2016, p. 765-781.

SILVA, Luiz A. A. et al. Educação permanente em saúde na atenção básica: percepção dos gestores municipais de saúde. Rev. Gaúcha Enferm., Porto Alegre, v. 38, n. 1, e58779, 2017.

SANTA CATARINA. Secretaria Estadual de Saúde. Gerência de Coordenação da Atenção Básica. Capacidade instalada para Atenção Básica: equipes de Saúde da Família (SF) e de Saúde Bucal (SB), Agente Comunitário de Saúde (ACS), Núcleo de Apoio à Saúde da Família (NASF), Centro de Especialidades. Competência Janeiro/2018. Disponível em: http://portalses.saude.sc.gov.br/index.php?option=com_content&view=article&id=2489&Itemid=468

SOUZA, Luís E. P. F. de; SILVA, Lígia M. V. da; HARTZ, Zulmira M. de A. Conferência de Consenso sobre a imagem-objetivo da descentralização da atenção à saúde no Brasil. In: HARTZ, Zulmira M. de A.; SILVA, Lígia M. V. da (Orgs). Avaliação em Saúde: dos modelos teóricos à prática na avaliação de programas e sistemas de saúde. 3ª Reimpressão. Salvador/Rio de Janeiro: EDUFBA/Fiocruz, 2005. p. 65-102.

UNITED KINGDOM. Department of Health. ‘Working Together – Learning Together’ A Framework for Lifelong Learning for the NHS. Department of Health Publications: 2001.

UNITED KINGDOM. Department of Health. Liberating the NHS: Developing the Healthcare Workforce From Design to Delivery. Department of Health Publications: 2012.

VENDRUSCULO, Carine et al. Educação permanente em saúde: percepção dos gestores do SUS na Macrorregião Oeste, em Santa Catarina. R. Eletr. de Com. Inf. Inov. Saúde, Rio de Janeiro, v.7, n.4, 2013.




DOI: https://doi.org/10.34119/bjhrv3n1-002

Refbacks

  • There are currently no refbacks.