Fatores de risco, controle e profilaxia da leishmaniose tegumentar americana no município de Nobres – Mato Grosso / Risk factors, control and prophylaxis of american cutaneous leishmaniasis in the municipality of Nobres – Mato Grosso

Dhener Hebart Ribeiro, Sinara Cristina De Moraes, Satie Katagiri

Abstract


A Leishmaniose Tegumentar Americana (LTA) é uma enfermidade cosmopolita amplamente distribuída nas Américas e sua epidemiologia está diretamente relacionada à fatores ambientais e comportamentais que perpetuam sua manutenção tanto no ambiente silvestre como urbano.  No Estado de Mato Grosso, a expansão das cidades e aumento da produção agrícola contribuíram para a elevação do registro de casos humanos de LTA. O objetivo do presente estudo foi avaliar o número de casos notificados de LTA disponibilizados pelo DATASUS e Secretaria Municipal de Saúde, os principais fatores de risco e métodos de controle e profilaxia da LTA executados no Município de Nobres – MT.  Os resultados obtidos de 2007 a 2017 mostram o aumento de casos nos últimos anos, além de evidenciar que os fatores de risco estão presentes no Município. Devido à sua localização, cercada por serras, rios, matas, propriedades rurais e exploração agrícola expõe seus munícipes à transmissão, especialmente considerando as atividades econômicas em ambientes rurais próximos a áreas silvestres e os hábitos de caça e pesca. Em relação ao controle e profilaxia instituídos pelo Ministério da Saúde, atualmente é realizada apenas a vigilância entomológica com captura e identificação de vetores, pela SMS, entretanto não existem outros órgãos como Centro de Controle de Zoonoses ou Unidade de Vigilância de Zoonoses bem como não há nenhuma atividade de educação sanitária da população, mostrando que a LTA é uma doença negligenciada, não recebendo atenção o suficiente para trabalhos relacionados à orientação da população sobre as formas de transmissão e prevenção. Desta forma, espera-se que os resultados encontrados no presente estudo possam servir como ferramenta para orientação de ações que visam o controle da expansão da LTA de forma eficiente.


Keywords


Saúde Pública, Fatores de risco, Leishmaniose tegumentar, Mato Grosso.

References


ALBERON RIBEIRO DE ARAÚJO, A.B.R. Fatores de Risco Associados à Leishmaniose Tegumentar Americana em Área Endêmica do Estado de Pernambuco. 2014, 92f. Dissertação (Mestrado em Medicina Tropical) Centro de Ciências da Saúde da UniversidadeFederal de Pernambuco. Recife 2014.

Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância emSaúde, Departamento de Vigilância Epidemiológica.Manual de Vigilância da Leishmaniose TegumentarAmericana. 2. ed. Brasília : Editora do Ministério daSaúde; 2007.(Série A. Normas e Manuais Técnicos).

BRASIL. Manual de vigilância da leishmaniose tegumentar. 2010. Disponível em: . Acesso em: 10 jan. 2018.

BRASIL. Ministério da Saúde, Secretaria de Vigilância em Saúde. Guia de vigilância epidemiológica. 6. ed. Brasília, 2015.

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Departamento de Vigilância Epidemiológica. Manual de vigilância e controle da leishmaniose visceral. Brasília, Editora do Ministério da Saúde, 2017. 120 p.

BRITO, V.N. et al. Phlebotomine fauna, natural infection rate and feeding habits of Lutzomyia cruzi in Jaciara, state of Mato Grosso, Brazil. Memórias do Instituto Oswaldo Cruz, Rio de Janeiro, v. 109, n. 7, p. 899-904, nov. 2014.

CELLA W, MELO SCCS, DALLAGNOLO CM, PELLESO SM, SILVEIRA TGV, CARVALHO MDB. 2012. Seventeen years of american cutaneous Leishmaniasis in a Southern Brazilian municipality. Rev. Inst Med Trop 54(4):215-218.

DIAS E. S. et at. Flebotomíneos (Diptera: Psychodidae) de um foco de leishmaniose tegumentar do estado de Minas Gerais. Revista da Sociedade Brasileira de Medicina Tropical, v. 40, p. 49-52, 2007.

FIGUEIRA, L. P.; SOARES, F. V.; NAIFF, M. F.; SILVA, S. S.; ESPIR, T. T.; PINHEIRO, F. G.; FRANCO, A. M. R. Distribuição de casos de Leishmaniose Tegumentar no Município de Rio Preto da Eva, Amazonas, Brasil. Rev Patol Trop, v. 43, n. 2, p. 173-181, abr./jun. 2014.

FRANÇA, E. L. Aspectos epidemiológicos da leishmaniose tegumentar americana no município de Juína, Mato Grosso, Brasil. Scientia Medica, v. 19, n. 3, p. 103-7, jul./set. 2009.

IBGE 2016. Disponível em: . Acesso em: 08 jan. 2018.

LIMA, A. P.; MINELLI, L.; TEODORO, U.; COMUNELO, E. Tegumentary leishmaniasis distribution by satellite remote sensing imagery, in Paraná State, Brazil. An bras Dermatol, Rio de Janeiro, v. 77, n. 7, p. 681-692, nov./dez. 2002.

NAME, R. Q.; BORGES, K. T.; NOGUEIRA, L. S. C.; SAMPAIO, J. H. D.; TAUIL, P. L.; SAMPAIO, R. N. R. Clinical, epidemiological and therapeuthic study of 402 patients with American cutaneous leishmaniasis seen at University Hospital of Brasilia, DF, Brazil. An Bras Dermatol, v. 80, n. 3, p. 249-54, 2005.

NASCIMENTO, A. P. C. et al. Aspectos epidemiológicos da Leishmaniose Tegumentar Americana no município de Primavera do Leste, Mato Grosso, MT, Brasil. Saúde Coletiva, v. 53, n. 8, p. 210-214, 2011.

OLIVEIRA R. Z. et al. American cutaneous Leishmaniasis in the city of Jussara, state of Paraná, Brazil: historical series of 21 years. Revista de Saúde Pública do Paraná, Londrina, v. 17, n. 2 p. 59-65, dez. 2016.

PEDROSA, F. A.; XIMENES, R. A .A. Sociodemographic and environmental risk factors for american cutaneous leishmaniasis (ACL) in the State of Alagoas, Brazil. Am. J. Trop. Med. Hyg, v. 81, p. 195-201, 2009.

RIBEIRO, H. Saúde Pública e meio ambiente: evolução do conhecimento e da prática, alguns aspectos éticos. Saúde e Sociedade, v. 13, n. 1, 2004.

ROCHA, A. R.; MELO, S. C. C. S.; COSTA, A. B. et al. Ocorrência de Leishmaniose tegumentar Americana em um município do Amazonas. Rev. Odont. (ATO), Bauru, SP, v. 16, n. 12, p. 1064-1071, dez. 2016.

ROCHA, T. J. M.; BARBOSA, A. C. A.; SANTANA, E. P. C.; CALHEIROS, C. M. L. Epidemiological aspects of confirmed human cases of cutaneous leishmaniasis in Alagoas State, Brazil. Rev Pan-Amaz Saude, v. 6, n. 4, p. 49-54, 2015.

RODRIGUES, E. A. S.; LIMA, S. C. Alterações ambientais e os riscos de transmissão da Leishmaniose Tegumentar Americana na área de influência da usina hidrelétrica (UHE) Serra do Facão, Goiás, Brasil. Rev. Bras. Geo. Méd, Saúde, v. 9, n. 16, p. 159-168, 2013.

SALOMÓN, O. D.; SOSA ESTANI, S.; GOMEZ, A.; SEGURA, E. L. Sandflies associated with a tegumentary lesihmaniasis focus in Salta, Argentina. Memórias do Instituto Oswaldo Cruz, v. 87, 1992.

SAMPAIO, R. N. R.; GONÇALVES, M. C.; LEITE, V. A. et al. Estudo da transmissão da Leishmaniose Tegumentar Americana no Distrito Federal. Revista da Sociedade Brasileira de Medicina Tropical, v. 42, n. 6, 2009.

SANTOS, J. C. M.; BINOW, A. M.; SANTOS, S. T. Estudo da Incidência de Casos de Leishmaniose Tegumentar Americana no Município de Espigão do Oeste – RO. Revista Enfermagem e Saúde Coletiva, v. 2, n. 1, p. 15-28, 2016.

SILVA, A. F.; LATORRE, M. R. D. O.; GALATI, E. A. B. Factors relating to occurrences of cutaneous leishmaniasis in the Ribeira valley. Revista da Sociedade Brasileira de Medicina Tropical, v. 43, n. 1, p. 46-51, jan./fev. 2010.

SILVA, A. F.; LATORRE, M. R. D. O.; GALATI, E. A. B. Fatores relacionados à ocorrência de leishmaniose tegumentar no Vale do Ribeira. Revista da Sociedade Brasileira de Medicina Tropical, v. 43, p. 46-51, 2010.

SITE da prefeitura de Nobres. Disponível em: < http://www.nobres.mt.gov.br/ >. Acesso em: 07 jan. 2018.

SITE Escola Nacional de Saúde Pública. OMS alerta para doenças transmitidas por vetores e Ensp lista as mais comuns no Brasil. Disponível em: < http://www.ensp.fiocruz.br/portal-ensp/informe/site/materia/detalhe/35033>. Acesso em: 10/02/2018.

SITE UNDP Brasil. O que é IDH. In: Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento. PNUD. 2012. Disponível em . Acesso em: 08 jan. 2018.

VIANA, A. G.; SOUZA, F. V.; PAULA, A. M. B.; SILVEIRA, M. F.; BOTELHO, A. C. C. Clinical and epidemiologic aspects of American tegumentary leishmaniasis in the Municipality of Montes Claros, State of Minas Gerais, Brazil. Rev. Med Minas Gerais, v. 22, n. 1, p. 1-128, 2012.

WHO – WORLD HEALTH ORGANIZATION. Control of the leishmaniases: report of a meeting of the WHO Expert Committee on the Control of Leishmaniases. Geneva: WHO Press, 2010.

WORLD HEALTH ORGANIZATION (WHO). Diseases covered by NTD Department, 2009. Disponível em: . Acesso em: 15/01/2018.


Refbacks

  • There are currently no refbacks.