Malária grave importada. Relato de caso / Severe imported malaria. Case report

Priscilla Inocêncio Rodrigues Ribeiro, Alex Miranda Rodrigues, Narcélio Silva Amaral

Abstract


JUSTIFICATIVA E OBJETIVOS: A malária ainda representa um problema de saúde global. A forma grave da doença é causada principalmente por P. falciparum e pode cursar com complicações cerebrais, renais, pulmonares, hematológicas, circulatórias e hepáticas. O objetivo deste estudo foi relatar um caso de paciente portador de malária grave importada.

RELATO DO CASO: Paciente do sexo masculino, 29 anos, branco, brasileiro, proveniente de Luanda, onde trabalha na construção civil, com história de dor abdominal no hipocôndrio direito, icterícia, febre e rebaixamento do nível de consciência. Os exames laboratoriais de admissão mostraram hiperbilirrubinemia de 50 mg/dL, acidose metabólica grave, trombocitopenia, creatinina de 5,6 mg/dL, leucocitose com desvio até metamielócitos. O escore APACHE II foi de 37, com risco de óbito de 88%. Durante a internação foi diagnosticada malária por P. falciparum pelo teste de gota espessa. Mesmo com tratamento antimalárico adequado, o paciente evoluiu com insuficiência renal aguda necessitando de hemodiálise e síndrome de angústia respiratória aguda (SARA), necessitando de ventilação mecânica (VM), choque refratário tratado com aminas vasoativas, além de quadro hematológico, configurando um caso grave de disfunção de múltiplos de órgãos. Ainda apresentou pneumonia associada à VM e sepse relacionada ao uso de cateteres. Após a alta hospitalar, o paciente não apresentou seqüelas cerebral, pulmonar ou renal.

CONCLUSÕES: Dos critérios definidores de malária grave descritos na literatura, o paciente preenchia: insuficiência renal aguda, síndrome da angústia respiratória aguda (SARA), acidose metabólica, alteração do nível de consciência, hemoglobinúria macroscópica, hiperparasitemia e hiperbilirrubinemia, que se relaciona a uma mortalidade maior que 10%, na dependência do tratamento precoce e dos recursos disponíveis. A malária grave exige diagnóstico e tratamento intensivo rápidos, pois o atraso aumenta a morbimortalidade do paciente.

 


Keywords


malária grave, malária grave importada, P. falciparum, terapia antimalárica

References


-Kain KC, Harrington MA, Tennyson S et al - Imported malaria: prospective analysis of problems in diagnosis and management. Clin Infect Dis, 1998;27:142-149. 05.

-D’Acremont V, Landry P, Mueller I et al - Clinical and laboratory predictors of imported malaria in an outpatient setting: an aid to medical decision making in returning travelers with fever. Am J Trop Med Hyg, 2002;66:481-486. 06.

-Lee SH, Kara UA, Koay E et al - New strategies for the diagnosis and screening of malaria. Int J Hematol, 2002;76:(Suppl1):291-293. 09.

-Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Manual de diagnóstico laboratorial da malária. Brasília: Ministério da Saúde; 2005. 112 p. (Série A. Normas e Manuais Técnicos).

-Alves A, Martins A, Adolphsson S, Bockorny B, Carleti G, Cabral G, et al. Malária grave importada: relato de caso. Rev Bras Ter Intensiva. 2007;19(2):231-6.

-Costa AP, Bressan CS, Pedro RS, Valls-de-Souza R, Silva S, Souza PR, et al. Diagnóstico tardio de malária em área endêmica de dengue na extra-Amazônia brasileira: experiência recente de uma unidade sentinela no Estado do Rio de Janeiro. Rev Soc Bras Med Trop. 2010;43(5):571-4.

-Center for Disease Control and Prevention (CDC). Malaria Surveillance in the United States. Do you travel outside the United States to visit friends and relatives? Be aware of ways to prevent travel-related diseases like malária. Malária surveillance, United States, 2007. [cited 2009 Apr 22.] Available from:http://www.cdc.gov/features/dsmalariasurveillance/.

-Parise EV. Malária grave em Palmas, Estado do Tocantins: relato de caso. Rev Soc Bras Med Trop. 2009;42(4):463-8.

-Tjitra E, Anstey NM, Sugiarto P, Warikar N, Kenangalem E, Karyana M, et al. Multidrug-resistant Plasmodium vivax associated with severe and fatal malaria: a prospective study in Papua, Indonesia. PLoS Med. 2008;5(6): e128.




DOI: https://doi.org/10.34119/bjhrv2n4-110

Refbacks

  • There are currently no refbacks.