Infecção por Trypanosoma cruzi em triatomíneos do Estado de São Paulo / Trypanosoma cruzi infection in triatomines of the State of São Paulo

Rubens Antonio da Silva, Vera Braga Tonietti, Maria Regina de Jesus Eleutério

Abstract


No estado de São Paulo não tem havido ocorrência de transmissão da doença por triatomíneos domiciliados. A presença de vetores associada à infecção por Trypanosoma cruzi tem decaído ao longo das décadas, bem como o número de municípios com essa ocorrência. Observou-se persistência de encontro de triatomíneos infectados em área restrita no peridomicílio. A vigilância passiva realizada pela população tem permitido a detecção de vetores da doença de Chagas.

 

 


Keywords


Triatomíneos; Trypanosoma cruzi; Estado de São Paulo; Vigilância entomológica; Infecção natural.

References


Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária). Gerenciamento do Risco Sanitário na Transmissão de Doença de Chagas Aguda por Alimentos. Informe Técnico (35). Brasília: ANVISA; 2008.

Argolo AM, Felix M, Pacheco R, Costa J. Doença de Chagas e seus principais vetores no Brasil. Imperial Novo Milênio: Fundação Oswaldo Cruz: Fundação Carlos Chagas Filho de Amparo à Pesquisa do Estado do Rio de Janeiro, 2008. 67p.

Barreto MP. Ecologia de triatomíneos e transmissão do Trypanosoma cruzi, com especial referência ao Brasil. Rev. Soc. Bras. Med. Trop, 1976; 10(6):339-353.

Chieffi PP, Amato-Neto V. Prevenção referente as modalidades alternativas de transmissão do Trypanosoma cruzi. Rev. Inst. Med. Trop São Paulo, 2000.

Coura JR, Dias JCP. Epidemiology, control and surveillance of Chagas disease - 100 years after its discovery. Mem Inst Oswaldo Cruz, 2009; 104:277-282.

Coura JR, Viñas PA. Chagas disease: a new worldwide challenge. Nature, 2010; 465:56–57.

Dias JCP, Silveira AC, Schofield CJ. The impacto f Chagas disease control in Latin America – a review. Mem Inst Oswaldo Cruz 2002; 97(3): 603-612.

Forattini OP. Biogeografia, origem e distribuição da domiciliação de triatomíneos no Brasil. Rev Saude Publica 1980;14:265–299.

Jurberg J, Galvão C. Hermanlentia n. gen. da Tribo Triatomini, com um rol de espécies de Triatominae (Hemiptera, Reduviidae). Mem Inst Oswaldo Cruz 1997; 92: 181-185.

Secretaria de Vigilância em Saúde, Ministério da Saúde, 2019. Doença de Chagas aguda e distribuição espacial dos triatomíneos de importância epidemiológica, Brasil 2012 a 2016. Boletim Epidemiológico, 50:1-10.

Silva RA, Barbosa GL, Rodrigues VLCC. Vigilância epidemiológica da doença de Chagas no estado de São Paulo no período de 2010 a 2012. Epidemiologia e Serviços de Saúde, 2014; 23(2):259-267.

Silva RA. Estado atual da vigilância entomológica da doença de Chagas no estado de São Paulo. Brazilian Journal of Health Review, 2019; 2:742-755.

Silveira AC. Situação do controle da transmissão vetorial da doença de Chagas nas Américas. Cad Saúde Pública. 2000;16:35-42.

Souza RDCM, Campolina-Silva GH, Bezerra CM, Diotaiuti L and Gorla DE. Does Triatoma brasiliensis occupy the same environmental niche space as Triatoma melanica? Parasites e vectors, 2015; 8:1-14.




DOI: https://doi.org/10.34119/bjhrv2n4-106

Refbacks

  • There are currently no refbacks.