Plano de intervenção para melhorar o diagnóstico, tratamento e acompanhamento da hanseníase em uma estratégia saúde da família de Belém –Pa / Intervention plan to improve diagnosis, treatment and monitoring of hanseníase in a health strategy of the family of Belem-Pa

Anna Karynna Barbosa Gomes, Rafael de Azevedo Silva, Brenda Sussuarana Galvão, Cenilde da Costa Araújo, Filipe Pereira Gonçalo de Sousa, Giovanna Alcolumbre Leite, Nayana Mota Carvalho, Yan de Jesus Costa, Lorena Fecury Tavares, Bianca Barros Branco, Erica Furtado Azevedo Coelho, Santino Carvalho Franco

Abstract


A hanseníase é diagnosticada em todas as regiões do país, mantendo-se as regiões Norte e Centro-Oeste hiperendêmicas. As manifestações clínicas da doença dependem da resposta imune celular do hospedeiro, podendo haver um período de incubação de 6 meses há 20 anos (média entre 2 a 4 anos). Em nível nacional, preconiza-se que as estratégias de combate à hanseníase devam ser voltadas para o diagnóstico precoce e tratamento adequado. Nesse sentido, esse projeto de intervenção buscou contribuir para o melhor desempenho do profissional na detecção precoce da doença, proporcionando um tratamento mais rápido e adequado de modo a prevenir sequelas. Foi avaliado o grau de conhecimento dos profissionais através da aplicação de um questionário com perguntas fechadas, que proporcionaram uma dimensão do conhecimento prévio acerca da temática hanseníase e as equipes de agentes comunitários de saúde foram capacitadas por meio de uma cartilha de produção da pesquisa acerca das temáticas expostas na capacitação. Foi demonstrado bom nível de conhecimento dos profissionais sobre a temática abordada sendo associado ao grande número de campanhas educativas na área e ao nível educacional dos participantes, melhorando o diagnóstico precoce desta doença. Contudo, foi encontrado baixo conhecimento sobre tratamento da patologia, o que pode ser fundamental para encontrar pacientes que abandonaram o tratamento ou não realizaram de forma correta. Sendo assim deve ser realizado capacitações centradas nas dificuldades persistentemente apresentadas por profissionais de saúde de um modo geral, é uma grande estratégia para aperfeiçoar tais ações educacionais e ter, por fim, um controle eficiente da hanseníase.

 


Keywords


Hanseníase, Atenção Primária à Saúde, Agentes Comunitários de Saúde.

References


Ministério da Saúde, Portal Da Saúde, 2016. Disponível em: http://portalsaude.saude.gov.br/index.php/oministerio/principal/secretarias/svs/hanseniase.

Barbosa, D.R.M., Almeida, M.G. Características epidemiológicas e espaciais da hanseníase no Estado do Maranhão. Medicina (Ribeirao Preto. Online), 2014, v. 47, n. 4, p. 347-356, dec. 2014.

Ministério da Saúde, Indicadores e Dados Básicos, Indicadores de morbidade, 2004. Disponível em: http://dtr2004.saude.gov.br/sinanweb/tabnet/tabnet?sinannet/hanseniase/bases/Hansbrnet.def;

Ministério da Saúde. Sistema nacional de vigilância em saúde: relatório de situação: Pará/Ministério da Saúde, Secretaria de Vigilância em Saúde, 2011, 5. ed.

Lastória, J.C., Abreu, M.A.M.M. Leprosy: review of the epidemiological, clinical, and etiopathogenic aspects - Part 1. An. Bras. Dermatol, abril, 89( 2 ): 205-218.

Ministério Da Saúde, Eliminar a hanseníase é possível: um guia para os municípios, 2015.

Bassaneze, B., Gonçalves, A., Padovani, C.R. Características do processo de diagnóstico de hanseníase no atendimento primário e secundário. Diagn Tratamento. 2014,19(2):61-7.

Neiva, R. J. Hanseníase: Desafios ao Diagnóstico nas Unidades Básicas de Saúde [Trabalho de Conclusão de Curso ao Curso de Especialização], Araçaui: Unidade Federal de Minais Gerais, 2010

Ministério da Saúde, Portal da Saúde, acesso em 2016 out. Disponível em: http://dab.saude.gov.br/portaldab/smp_como_funciona.php?conteudo=esf

Ministério da Saúde (BR), Secretaria de Atenção à Saúde, Departamento de Atenção Básica. Vigilância em saúde: Dengue, Esquistossomose, Hanseníase, Malária, Tracoma e Tuberculose. 2ª ed. Brasília: Ministério da Saúde; 2008.

Carvalho R Filho, Santos SS, Pinto NMM. Hanseníase: detecção precoce pelo enfermeiro na atenção primária. Rev Enfermagem Integrada. 2010; 3(2):606-20.

Ribeiro MDA, Bezerra EMA, Silva JCA, Campelo GO, Freitas CASL. A visão do Agente Comunitário de Saúde (ACS) acerca do serviço de fisioterapia no núcleo de apoio à saúde da família (NASF) em Parnaíba, Piauí. Sanare (Sobral). 2013;12(2):14-20.

Araujo MRN, Assunção RS. A atuação do agente comunitário de saúde na promoção da saúde e na prevenção de doenças. Rev Bras Enferm. 2004; 57(1):19-25.

Maia, MAC. et al. Conhecimento da equipe de enfermagem e trabalhadores braçais sobre hanseníase. Hansen. Int. v. 25, n. 1, p. 26-30, 2000.

Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Políticas de Saúde. Departamento de Atenção Básica. Guia para o Controle da Hanseníase. Brasília: Ministério da Saúde, 2002.

Trapé CA, Soares CB, Dalmaso ASW. Trabalho do agente comunitário de saúde: a dimensão educativa da supervisão. Sociedade Debate. 2011;17(1):119-38.

Sales JCS, Luz VLES, Castelo-Branco FMF, Araujo MFF, Castro SHTS, Silva TCA. O significado da hanseníase para o agente comunitário de saúde. Rev Interd. 2013;6(1):17-24.

Pinheiro, M.G.C., Silva, S.ERICA.B. França, A.L.M. et al. Leprosyan: An educational approach with high school. Revista de Pesquisa: Cuidado é fundamental online, 2014, Vol.6, No.2, págs. 776-784;

Moreira, A.J., Naves, J.M., Fernandes, L.F.R.M., Castro, S.S., Walsh, I.A.P. Ação educativa sobre hanseníase na população usuária das unidades básicas de saúde de Uberaba-MG. Saúde debate, 2014 jun, 38( 101 ): 234-243.




DOI: https://doi.org/10.34119/bjhrv2n4-105

Refbacks

  • There are currently no refbacks.