Avaliação da efetividade do uso da terapia comunitária e integrativa na saúde pública / Evaluation of the effectiveness of the use of community and integrative therapy in public health

Jucelei Pascoal Boaretto, Eleine Aparecida Penha Martins

Abstract


Este estudo realizado por meio da coleta documental em um município do Norte do Paraná, objetivou avaliar o uso da Terapia Comunitária Integrativa dentro das Unidades Básicas de Saúde com os usuários. Foi realizada uma pesquisa de caráter descritivo, de análise através da revisão-descritiva, com base nos dados levantados pelos Relatórios Anuais de Gestão, onde constava o número das rodas de Terapia Comunitária e Integrativa, realizadas com os usuários do SUS.  Pode-se aferir que esta prática integrativa e complementar, contribuiu substancialmente para o acolhimento e resgate da autoestima das pessoas que participaram, podendo ser considerada uma estratégia de promoção de saúde e prevenção das doenças.

 


Keywords


Saúde Pública; Participação da Comunidade; Terapias Complementares.

References


Andrade, P. S; Cardoso, T. A. O. Prazer e dor na docência: Revisão Bibliográfica sobre a síndrome de Burnout. Saúde Soc. São Paulo, v.21, n.1, p.129-140, 2012

Albuquerque, B. et al. "Avaliação da síndrome de Burnout em profissionais da estratégia saúde da família da capital Paraibana". Psicologia: Reflexão e Crítica, vol 25, n. 3, p. 542

BARRETO, A. P. Terapia Comunitária; passo a passo. 3. Ed. Revista e ampliada. Fortaleza, Gráfica LCR, 2008.

BRASIL, MS. Secretaria Estadual de Saúde. Departamento de Atenção Básica. Práticas Integrativas e Complementares: Plantas Medicinais e Fitoterapia na Atenção Básica/MS. Sec.Atenção Saúde. Departamento de Atenção Básica. Brasília: MS, 2012 – 156p.

Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica. Política nacional de práticas integrativas e complementares no SUS : atitude de ampliação de acesso / Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica. – 2. ed. – Brasília : Ministério da Saúde, 2015. 96 p.

BRASIL. Conselho Nacional dos Secretários de Saúde (CONASS)

em: http://www.conass.org.br/ci-n-71-publicada-portaria-gm-n-662-que/PORTARIA Nº 404, de 15 de abril de 2016 acesso em 20/05/17 às 12:15

BRASIL. Ministério da Saúde. disponível em: http://dab.saude.gov.br/portaldab/noticias.php?conteudo=_&cod=2185 acesso em 20/05/2017 às 12:15 Brasília, 2015 | 1.a edição

BRASIL. Constituição da Presidência da República Casa Civel. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/constituicao/constituicaocompilado.htm acesso em 20/05/2017 às 12:39

- Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica. Política Nacional de Práticas Integrativas e Complementares no SUS: PNPIC-SUS: atitude de ampliação de acesso. Brasília: Ministério da Saúde, 2006.

- Carreiro GSP et al. O processo de adoecimento mental do trabalhador da Estratégia Saúde da Família. Rev. Eletr. Enf. [Internet]. 2013 jan/mar;15(1):146-55. Disponível em: http://dx.doi.org/10.5216/ree.v15i1.14084.

Conselho Federal de Enfermagem. Resolução COFEN 197/97, de 19 de março de 1997: estabelece e reconhece as terapias alternativas como especialidade e/ou qualificação do profissional de enfermagem [Internet]. Rio de Janeiro; 2006 [cited 2006 Oct 20]. Available from: http://www.portalcofen.gov.br.

Portal Brasil. SUS passa a oferecer mais 14 tratamentos alternativos. http://www.brasil.gov.br/saude/2017/03/sus-passa-a-oferecer-mais-14-tratamentos-alternativos. Acesso pelo site em 13.06.17

SIMONI, C. et al. As Práticas Integrativas e Complementares no SUS: realidade e desafios após 2 anos de publicação da PNPIC. Revista Brasileira Saúde da Família. Ano IX, Ed. Especial p.70-75, maio 2008. Brasília: Ministério da Saúde. Trimestral. ISSN:1518-2355




DOI: https://doi.org/10.34119/bjhrv2n4-100

Refbacks

  • There are currently no refbacks.