Avaliação da incidência de depressão em jovens do ensino médio em escola de Patos de Minas / Evaluation of the impact of depression on young people in the middle school in Mining Ducks school

Lara Minucci Gomes, Barbara Andressa Silva Ferreira, Guilherme Rosa Marques Gomes Melo, Luiza Pereira Lopes, Louise Oliveira, Verônica Marques da Silva, Jonathan Cajado Menezes, Marilene Rivany Nunes, Rosilene Maria Campos

Abstract


Somente a partir de 1960, a depressão foi relacionada à infância e adolescência. A importância desse problema vem sendo reconhecida devido ao aumento constante de casos clínicos nesta faixa etária, frequentemente identificados pelos profissionais da saúde mental. Trata-se de um estudo de campo descritivo, intervencionista, transversal, de natureza quanti-qualitativa e com abordagem na depressão em adolescentes da Escola Estadual Guiomar de Melo. Realizado com 221 participantes de 15 a 20 anos, estudantes do 1º, 2º e 3º ano do Ensino Médio da Escola Guiomar de Melo. Sob essa ótica, observou-se que, dentre a amostra total, 87 alunos (39%) cursam o 1º ano do Ensino Médio, 52 (23,5%), o 2º ano e 82 (37,1%), o 3ºano. Após esses dados, os questionários foram classificados em graus de depressão segundo o inventário de Beck, obedecendo a seguinte pontuação: 0 a 13 pontos- nenhuma depressão(N), 14 a 19 pontos - depressão leve(DL), 20 a 28 pontos- depressão moderada(DM), 29 a 63 pontos - depressão grave(DG). Quando comparado os sexos, foi notável que o feminino possuiu mais diagnósticos de depressão, incluindo graus leve, moderado e grave, sendo 67(29%) de um total de 221 alunos, contra 29(13%) no sexo masculino, o que é compatível com a literatura. Os achados sugerem fomentar práticas educativas relacionadas à depressão, como a realização de palestras no âmbito escolar, além do direcionamento dos alunos à terapia psicológica visando à melhoria da saúde mental dos alunos.

 


Keywords


Adolescência. Depressão. Incidência.

References


ARGIMON, Irani Iracema de Lima. et al., Aplicabilidade do Inventário de Depressão de Beck-II em idosos: uma revisão sistemática.. Porto Alegre, RS – 2016.

BAHLS, Saint-Clair. Aspectos clínicos da depressão em crianças e adolescentes. Jornal de Pediatria, vol. 78, n.5; Curitiba, 2002.

BAHLS, Saint-Clair. Depressão na adolescência: características clínicas. Revista Internacional de Psicanálise, p. 49-57, Universidade Federal do Paraná, Curitiba, 2002.

BANSAL, V. et al.; Study of prevalence of depression in adolescent students of a public school. Industrial psychiatry journal. Philadelphia, v. 18, p. 6-43, 2009.

BAXTER, A.J. et al.; Challenging the myth of an “epidemic” of common mental disorders: trends in the global prevalence of anxiety and depression between 1990 and 2010. Depress Anxiety. V. 31, p. 16-506, 2014.

BIAZUS, C. B.; RAMIRES, V. R. R.; Depressão na adolescência: uma problemática dos vínculos. Revista Estudos de Psicologia, v. 17, n. 1, p. 83-91, Maringá, 2012.

BRITO, Isabel. Ansiedade e depressão na adolescência, Revista Portuguesa de Clínica Geral, v.27, n.2, p.208-214, Lisboa, 2011.

COSTELLO, J. et al.; Is there an epidemic of child or adolescent depression? The Journal of Child Psychology and Psychiatry. V. 45, p. 1263-1271, 2006.

FEIJÓ, R.B. et al.; O adolescente com tentativa de suicídio: características de uma amostra de 13 a 20 anos atendida em emergência médica. Jornal Brasileiro de Psiquiatria, 1996.

FONSECA, João José Silveira; Metodologia da pesquisa científica. Fortaleza, CE – 2002.

JATOBÁ, Bastos; Depressão e ansiedade em adolescentes de escolas públicas e privadas, Revista Brasileira de Psiquiatria. São Paulo, 2007.

KAESS, M. et al. Explaining gender differences in non-fatal suicidal behaviour among adolescents: a population-based study. BMC Public Health. v. 28, p. 597, 2011.

KEENAN-MILLER, D. et al.; Health outcomes related to early adolescent depression. Journal of Adolescent Health. San Francisco, v. 41, p. 256-262, 2007.

KESSLER R. C. et al.; Mood disorders in children and adolescents: an epidemiologic perspective. Biological Psychiatry. Amsterdam, v. 49, p. 1002-1014, 2001.

KNOBEL, M. Adolescência normal – componente psicológico. Disponível em: http://www.mauricioknobel.net/adonormal.htm. Acesso em: 16/01/2007.

KUCZYNSKI, Evelyn. Suicídio na infância e adolescência; São Paulo, 2014.

MARQUES, Natielly Nattch Colombo. Depressão em adolescentes e suas conseqüências; 2014.

MELO, A.K.; SIEBRA, A.J.; MOREIRA. Depressão em Adolescentes: Revisão da Literatura e a Pesquisa Fenomenológica. 2016

RICHARDSON, L.P.; KATZENELLENBOGEN, R.; Childhood and adolescent depression: the role of primary care providers in diagnosis and treatment. Current Problems in Pediatric and Adolescent Health Care. Amsterdam, v. 35, p. 6-24, 2005.

TSIANTIS, J.; TROWELL, J.; Assessing change in psychoanalytic psychotherapy of children and adolescents: today’s challenge. Karnac Books. London, 2010.

WEISSMAN, M.M. et al.; Depressed adolescents grown up. JAMA, New York, v. 281, p.1707-1713, 1999.

WHO. World Health Organization. What about boys? WHO. Sexuality, reproductive health and father hood. Cap. 3, Genévé: WHO, p. 29-40, 2000.

ZUCKERBROT, R.A.; JENSEN, P.S.; Improving recognition of adolescent depression in primary care. The Archives of Pediatrics & Adolescent Medicine, v. 160, p. 694-704, 2006.




DOI: https://doi.org/10.34119/bjhrv2n4-093

Refbacks

  • There are currently no refbacks.