Efeitos da reabilitação aquática associada a técnicas da fisioterapia respiratória no tratamento de paciente portadora de bronquiectasia: um relato de caso / Effects of aquatic rehabilitation associated with respiratory physiotherapy techniques in the treatment of patients with bronchiectasis: a case report

Rayane Sales de Oliveira, Luciana de Carvalho Pádua Cardoso, Rodrigo Luis Mousinho Gomes

Abstract


A bronquiectasia é definida como uma dilatação irreversível dos brônquios acompanhada por uma diminuição da luz dos mesmos. Os pacientes portadores de bronquiectasia apresentam diminuição da habilidade de realizar exercícios e até mesmo as suas Atividades de Vida Diária (AVD’s), tendo em vista a menor efetividade das trocas gasosas e a diminuição dos volumes e capacidades pulmonares acarretando comprometimento do transporte de oxigênio destinado às células, portando, se faz necessária uma abordagem dinâmica. A Fisioterapia aquática, através das propriedades físicas da água atuando a favor do caso clínico do paciente, pode contribuir para a potencialização das técnicas respiratórias e consequentemente na obtenção de resultados mais eficazes. O objetivo deste trabalho é analisar os efeitos da reabilitação aquática associada a técnicas da Fisioterapia respiratória sobre as alterações pneumofuncionais de uma paciente com bronquiectasia. Trata-se de um estudo do tipo relato de caso, descritivo, explicativo, de abordagem quantitativa, baseado na análise dos prontuários obtidos na Clínica Escola de Fisioterapia Estácio -  FMJ. Sendo utilizado o prontuário de uma paciente portadora de bronquiectasia que realizou intervenções por meio da Fisioterapia aquática, trabalhou-se padrões musculares respiratórios, incentivador volumétrico e EPAP, associados a exercícios e técnicas da hidroterapia. As variáveis foram estudadas por meio dos testes de Espirometria, Teste de Caminhada de 6 minutos(TC6), Manovacuometria e Cirtometria. Ressalta-se ainda que a pesquisa obedece aos aspectos legais e éticos baseados na resolução 466/12. Obteve-se, respectivamente, acréscimo de 15,2% e 4,3% nos valores de Capacidade Vital Forçada (CVF) e de Volume Expiratório Forçado no primeiro segundo (VEF1), incremento de 20,6% da distância encontrada no TC6, de 14,2% nos valores de Pressão Inspiratória Máxima (PiMÁX) e de 17,3% na Pressão Expiratória Máxima (PeMÁX). Evidencia-se também o aprimoramento da expansibilidade apical e xifóide. É possível constatar o destaque da reabilitação realizada e a sua relação com a potencialização dos achados finais, produzindo efeitos satisfatórios na melhora do quadro clínico e sendo de grande relevância para a comunidade acadêmica.


Keywords


Hidroterapia. Exercícios Respiratórios. Bronquiectasia. Fisioterapia.

References


BARBOSA, Andreane Daniele et al. Avaliação fisioterapêutica aquática. Fisioterapia em Movimento, v. 19, n. 2, 2006.

BELÉM, A. Lúcia Silva; MEJIA, Dayana Priscila Maia. Fisioterapia respiratória em paciente com bronquiectasia –Revisão de Literatura. Disponível em:< http://portalbiocursos.com.br/ohs/data/docs/27/22_-_Fisioterapia_respiratYria_em_paciente_com_bronquiectasia_Y.pdf >. Acesso em: 25 nov. 2018.

CALDEIRA, Valéria S. et al. Precisão e acurácia da cirtometria em adultos saudáveis. Jornal Brasileiro de Pneumologia, v. 33, n. 5, p. 519-526, 2007.

CARREGARO, Rodrigo Luiz et al. Efeitos fisiológicos e evidências científicas da eficácia da Fisioterapia aquática. Revista Movimenta, v. 1, n. 1, 2008.

DUARTE, Juliana; HELFSTEIN, Tatiane Teixeira. Estudo comparativo das técnicas de cinesioterapia respiratória convencional e associado às diagonais de membros superiores na reexpansão torácica em indivíduos adultos jovens. J. Health Sci. Inst., v. 29, n. 3, p. p198-201, 2011.

ENRIGHT, Paul L.; SHERRILL, Duane L. Reference equations for the six-minute walk in healthy adults. American Journal of Respiratory and Critical Care Medicine, v. 158, n. 5, p. 1384-1387, 1998.

FAGUNDES, Alessandra A.; SILVA, Robson Fernandes. Efeitos da imersão em água aquecida sobre o sistema respiratório. Fisioterapia em Movimento, v. 19, n. 4, 2006.

FARIA JÚNIOR, Newton S. et al. Características clínicas de pacientes portadores de bronquiectasias acompanhados em um ambulatório especializado de pneumologia. Com. Scientiae Saúde, v. 10, n. 2, 2011.

FORNAZARI, L. P. Fisioterapia Aquática. [S.l.]: [s.n.], 2012.

FREITAS, Fábia Suelane et al. Aplicação da pressão positiva expiratória nas vias aéreas (EPAP): existe um consenso?. Fisioterapia em Movimento, v. 22, n. 2, 2009.

GASPAR, Luís Jorge Rodrigues et al. Efeito de um Programa de Reabilitação Respiratória na força muscular isométrica em pessoas com doença respiratória crónica: Comparação com os valores de referência. In: CONGRESSO INTERNACIONAL DE ENFERMAGEM DE REABILITAÇÃO. Anais... Associação Portuguesa dos Enfermeiros Especialistas em Enfermagem de Reabilitação (APER), 2016.

GASPAROTTO, Silvia Cristiane; CARDOSO, Andréa Luciana. Comparação do volume de ar obtido com duas formas diferentes de fluxo inspiratório durante exercício com incentivador. Fisioterapia em Movimento, v. 22, n. 3, 2017.

GOMES, André Jander Aranha; MEJIA, Dayana Priscila Maia. A importância da Fisioterapia respiratória e suas técnicas de higiene brônquica. 2005. Disponível em:< http://portalbiocursos.com.br/ohs/data/docs/26/01_-_A_importYncia_da_Fisioterapia_respiratYria_e_suas_tYcnicas_de_higiene_brYnquica.pdf>. Acesso em: 25 nov. 2018.

GOMES, Evelim Leal de Freitas Dantas; GIMENES, Ana Cristina; LANZA, Fernanda C.. Técnicas de Fisioterapia e reabilitação pulmonar na bronquiectasia não fibrocística. Sociedade Paulista de Pneumologia e Tisiologia Biênio, v. 2, n. 1, p. 42, 2016.

HOCHHEGGER, Bruno et al. Entendendo a classificação, a fisiopatologia eo diagnóstico radiológico das bronquiectasias. Revista Portuguesa de Pneumologia, v. 16, n. 4, p. 627-639, 2010.

MORENO, Eduardo. Manovacuômetro analógico: manual de Instrução. [S.l.]: [s.n.], [2018].

PRODANOV, C. C.; FREITAS, E. C. D. Metodologia do trabalho científico: métodos e técnicas da pesquisa e do trabalho acadêmico. 2. ed. Rio Grande do Sul: Feevale, 2013.

RUOTI, R. G.; MORRIS, D. M.; COLE, A. J. Reabilitação aquática. [S.l.]: Manole, 2000.

SIBELMED. Espirômetro datospir micro. [S.l.]: [s.n.], 2016.

SILVA, R. F. D. A imersão em piscina e seus efeitos sobre o sistema respiratório: uma revisão de literatura. Revista Univap, São José dos Campos, v.1, n. 1, 2006.

SILVA, Robson Fernandes; HUANG, Ângela Chinly; FAGUNDES, Alessandra A. Efeitos da imersão em piscina a nível de C7 sobre a força muscular respiratória. 2006. Disponível em:< http://cronos.univap.br/cd/INIC_2006/inic/inic/03/INIC0000906ok.pdf>. Acesso em: 25 nov. 2018.

SOUZA, T. S. D.; FIGUEIREDO, N. S.; BIRCK, M. A. 4.1 Estudo da pressão positiva expiratória das vias aéreas (epap) através do sistema artesanal selo d’ água. Salão do Conhecimento, v. 1, n. 1, 2016.

ZANCHET, R. C. et al. A influência de bactérias patogênicas na transportabilidade do escarro e na qualidade de vida de portadores de bronquiectasia. Revista Brasileira de Fisioterapia, v. 10, n. 4, 2006.

COSTA, D. et al. Novos valores de referência para pressões respiratórias máximas na população brasileira. Jornal Brasileiro de Pneumologia, v. 3, n. 36, 2010.




DOI: https://doi.org/10.34119/bjhrv2n4-085

Refbacks

  • There are currently no refbacks.