Manejo conservador na ruptura prematura de membrana pré–termo em gestantes de uma maternidade de Minas Gerais, Brasil / Conservative Management of premature rupture of the fetal membrane of pregnant women in a maternity ward of Minas Gerais, Brazil

Síntia Nascimento dos Reis, Kleyde Ventura de Souza, Luís Paulo Souza e Souza, Lélia Maria Madeira, Vivian Mara Gonçalves de Oliveira Azevedo

Abstract


Trata-se de um estudo retrospectivo e documental, cujos objetivos foram: descrever a prevalência de gestantes submetidas ao manejo conservador de ruptura prematura de membrana pré-termo (RPMPT), atendidas na Casa da Gestante Zilda Arns do Hospital Sofia Feldman desde sua criação; caracterizar as gestantes; identificar os resultados do manejo conservador de RPMPT na saúde materno-fetal das gestantes e conhecer o desfecho dos recém-nascidos cujas mães foram submetidas ao manejo conservador, no período de 1º de abril de 2011 a 31 de março 2012. Para a coleta de dados sobre as gestantes, utilizou-se de registros do livro da Casa da Gestante Zilda Arns, em Belo Horizonte, Minas Gerais, Brasil, e para os dados neonatais o banco de dados da Rede Brasileira de Pesquisa Neonatal. Fizeram parte do estudo 114 gestantes internadas com diagnóstico confirmado de RPMPT, no período estudado e seus 115 recém-nascidos, já que uma gestante teve parto gemelar. Os resultados mostraram que, das 114 gestantes, a maioria era de cidades do interior de Minas Gerais, tinha idade < 30 anos e idade gestacional à internação abaixo de 34 semanas. Do total de gestantes, 70,2% tiveram parto normal. Em relação às condições de saúde do RN, a maioria teve Apgar no 5º minuto maior do que 7(87,8%) e 47,8% destes apresentaram a Doença da Membrana Hialina. Constatou-se que o manejo conservador de gestantes com RPMPT trouxe benefícios para a população estudada, expressos nos resultados maternos e neonatais.


Keywords


Ruptura Prematura de Membranas Fetais; Nascimento prematuro; Gravidez de Alto Risco; Serviços Hospitalares de Assistência Domiciliar.

References


World Health Organization. Born too soon: the global action report on preterm birth. [acessado 10 abr. 2013]. Geneva; 2012. Disponível em: https://www.who.int/pmnch/media/news/2012/201204_borntoosoon-report.pdf

Salge AKM, Vieira AVC, Aguiar AKA, Lobo SF, Xavier RM, Zatta LT et al. Fatores maternos e neonatais associados à prematuridade. Rev Eletrônica Enferm. [periódico on line]. 2009 [acessado 06 nov. 2012]; 11(3). Disponível em: https://www.fen.ufg.br/revista/v11/n3/v11n3a23.htm

Ministério da Saúde (Brasil). Gestação de alto risco. 5. ed. Brasília: Ministério da Saúde; 2012.

Rivera Z R; Caba B F, Smirnow S M, Aguilera T J, Larraín H A. Fisiopatología de la rotura prematura de lãs membranas ovulares em embarazos de pretérmino. Rev Chil Obstet Ginecol. 2004;69(3):249-55.

Moraes VA, Kulay Jr L, Bertini AM. Perfil biofísico fetal na ruptura prematura das membranas. Rev Bras Ginecol Obstet. 2000;22(4):201-8.

Federação Brasileira de Ginecologia e Obstetrícia. Rotura prematura de membranas. In: Associação Médica Brasileira, Conselho Federal de Medicina. Projeto diretrizes [acesso 15 dez. 2012]. São Paulo; 2008. Disponível em: http://www.projetodiretrizes.org.br/projeto_diretrizes/087.pdf

Ministério da Saúde (Brasil), Secretaria Executiva. Gestante de alto risco: sistema estadual de referência hospitalar à gestante de alto risco. Brasília: Ministério da Saúde; 2001.

Silva KL, Sena R, Leite JCA, Seixas CT, Gonçalves AM. Internação domiciliar no Sistema Único de Saúde. Rev Saúde Pública. 2005;39(3):391-7.

Santos, C. A História de vida de gestantes de alto risco na teoria transcultural de enfermagem de Madeleine Leininger. [Tese]. Rio de Janeiro: Escola de Enfermagem Ana Nery, Universidade Federal do Rio de Janeiro; 2003. [Doutorado em Enfermagem].

Hospital Sofia Feldman. Casa da gestante Zilda Arns [homepage na Internet]. Belo Horizonte: HSF; 2013. [atualizada em 2013; acessado 27 abr. 2013]. Disponível em: http://www.sofiafeldman.org.br/atencao-a-mulher/pid-obs/

Monteiro MAA, Pinheiro AKB, Alves e Souza AM. Vivência de puérperas com filhos recém-nascidos hospitalizados. Esc Anna Nery Rev Enferm. 2007; 11(2):276-82.

Cunha AA, Mahomed Amed MCPA, Camano L. Modelo preditivo para cesariana com uso de fatores de risco. Rev Bras Ginecol Obstet. 2002;24(1):21-8.

Santos LC, Amorin MMR. Amniorrexe prematura-diagnóstico e conduta. Feminina. 2002;30(1):21-30.

Rocha JES, Tomaz ACP, Rocha DB, Bezerra AF, Lopes ALC, Breda AMO et al. Morbidade materna e morbimortalidade perinatal associada à infecção ascendente na rotura prematura das membranas. Rev Bras Ginecol Obstet. 2002;24(1):15-20.

Uchimura NS, Grandi DB, Yamashita YK, Uchimura TT. Corioamnionite: prevalência, fatores de risco e mortalidade neonatal. Acta Sci. 2007;29(2):159-64.

Popowski T, Goffinet F, Maillard F, Schmitz T, Leroy S, Kayem G. Maternal markers for detecting early-onset neonatal infection and chorioamnionitis in cases of premature rupture of membranes at or after 34 weeks of gestation: a two-center prospective study. BMC Pregnancy Childbirth. 2011;11:26.

Cunha AA, Fernandes DS, Melo PF, Guedes MH. Fatores associados à asfixia perinatal. Rev Bras Ginecol Obstet. 2004;26(10):799-805.

Bethlem N. Pneumologia. São Paulo: Atheneu; 2000.

Kopelman BI, Santos AMN, Goulart AL, Almeida MFB, Miyoshi MH, Guinsburg R. Diagnóstico e tratamento em neonatologia. São Paulo: Atheneu; 2004.

Paula GM, Silva LGP, Moreira MEL, Bonfim O. Repercussões da amniorrexe prematura no pré-termo sobre a morbimortalidade neonatal. Cad Saúde Pública. 2008;24(11):2521-31.




DOI: https://doi.org/10.34119/bjhrv2n4-075

Refbacks

  • There are currently no refbacks.