Prevalência de automedicação envolvendo anti-inflamatórios em pacientes de pronto atendimento com diagnóstico prévio de hemorragia digestiva / Prevalence of self-medication involving anti-inflammatory drugs in patients with early diagnosis with previous diagnosis of gastrointestinal bleeding

Tais Cristiane Ferreira Gomes, Francine Alessandra Costa de Lima, Simone Aparecida Biazzi de Lapena, Viviane Gadret Bório Conceição, Priscila Ebram de Miranda, Wendel Simões Fernandes

Abstract


Introdução:A facilidade para obtenção de medicamentos pela população apresenta benefícios e malefícios. Se por um lado, promove aumento na expectativa de vida ao combater certas doenças, por outro lado sua utilização indiscriminada, sem orientação adequada, pode aumentar os custos e levar a ocorrências graves.Possíveis relações entre o uso regular deanti-inflamatórios não estereoidaise hemorragia digestiva será o foco principal da presente pesquisa Objetivo: Demonstrar a prevalência da automedicação com AINEs em pacientes com diagnósticos de hemorragias digestivas. Metodologia:Participaram do estudo 35 pacientes com idade superior a dezoito anos, de ambos os sexos atendidos no Pronto Socorro de um hospital público no município de São José dos Campos, que aceitaram participar de forma voluntária através do consentimento livre e esclarecido. Para desenvolvimento do estudo foi aplicado um questionário elaborado pelos pesquisadores contendo dados sobre características individuais dos participantes e informações sobre o uso de fármacos integrantes da classe dos AINES. Conclusão:Foi possível observar a prevalência da automedicação com uso de anti-inflamatórios em pacientes diagnosticados com hemorragia digestiva.


Keywords


Anti-inflamatório, automedicação, hemorragia digestiva.

References


Carlini LDA, Mansur J. Venda de medicamentos sem receita médica nas farmácias da cidade de São Paulo. Revista associação médica brasileira. 32(5/6):75-8, 1986.

Damasceno DD, Terra FS, Zanetti HHV, D`Andrea ED, Silva HLR, Leite JA.Automedicação entre graduandos de enfermagem, farmácia e odontologia da Universidade Federal de Alfenas. Revista Mineira de Enfermagem 2316-9389, 2007. Disponível em: .

Vitor RS, Lopes CP, Menezes HS ,Kerkhof CE. Padrão de consumo de medicamentos sem prescrição médica na cidade de Porto Alegre, RS. Ciência & Saúde Coletiva. 13(Sup):737-743, 2008. Disponível em: .

HerreriasT , Martinez M , Bareta GMS. Automedicação em Curitiba. Infarma 12(n°5/6);2000. Disponível em:.

Arrais SD , Coelho LL , Batista MdC , Carvalho ML , Righi RE , Arnau JM. Perfil da automedicação no Brasil. Revista de Saúde Pública. Vol3;.71-7 1997. Disponível em: .

Passos MMB. O uso de antiinflamatórios não esteroides como fator de risco para reações adversas do trato gastrointestinal alto em pacientes submetidos à endoscopia: um estudo caso-controle. [tese de doutorado]. Rio de Janeiro: Instituto de Medicina Social da Universidade do Estado do Rio de Janeiro; 2002.

Federação Brasileira de Gastroenterologia. Úlcera péptica. Projeto Diretrizes Associação Médica Brasileira e Conselho Federal de Medicina.2003. Disponível em:

Couto G . Baixa taxa de gastroproteção em doentes de risco sob terapêutica com anti-inflamatórios não esteroides. Jornal Português de Gastrenterologia; Lisboa, Portugal. 2013;20(6):237-239. Disponível em:

Pinheiro RM, Wannmacher l.Uso Racional de Anti-inflamatórios Não Esteroides. HÓRUS – Sistema Nacional de Gestão da Assistência Farmacêutica. 2010; Nº 5 Pagina -1. Disponível em:

Castro SDF, Vicente CMDL. Hemorragia digestiva alta associada ao consumo de anti-inflamatórios não-esteróides e de ácido acetilsalicílico. Estudo retrospetivo de um grupo de doentes do Centro Hospitalar Cova da Beira. Universidade da Beira Interior. Covilhã, 2012. Disponivel em:

Batlouni M. Anti-Inflamatórios Não Esteroides: Efeitos Cardiovasculares, CérebroVasculares e Renais. ArqBrasCardiol 2010;94(4): 556-563.

Lima MG, Alvares J, Junior AAG, Costa EA, Guibu IA, Soeiro OM, Leite SN, Karnikowski MGO, Costa KS, Acurcio FA. RevSaude Publica. 2017;51 Supl 2:23s




DOI: https://doi.org/10.34119/bjhrv2n4-072

Refbacks

  • There are currently no refbacks.