Avaliação físico-química e microbiológica de biomassa funcional de frutos amazônicos / Physicochemical and microbiological evaluation of biomass functional fruit amazon

Gabriela Andersson Antunes Buchmann, Lucicleide Alcântara Peres, Dayane Lorraine Vale Simões

Abstract


O estudo dos alimentos denominados como funcionais e de seus componentes, tornou-se intenso apenas nos últimos anos. Não há dúvida da relevância econômica e científica no desenvolvimento destes por parte das indústrias, governos e universidades, dada a oportunidade para a inovação de produtos que atendam a demanda já existente, em face de suas propriedades benéficas na saúde dos consumidores. O objetivo deste trabalho foi avaliar aspectos físicos, químicos e microbiológicos de biomassas funcionais de diferentes frutos amazônicos. A biomassa de banana verde e a biomassa funcional foram produzidas no Laboratório de Técnicas Dietéticas da Universidade Nilton Lins - Manaus/AM. As análises físico-químicas e microbiológicas foram realizadas em parceria com o Laboratório de Análise de Alimentos, pertencente à Universidade Federal do Amazonas, Manaus/AM. As análises físico-químicas das biomassas de açaí e cupuaçu foram determinadas segundo métodos descritos pelo Instituto Adolfo Lutz (2008), expressos em percentagem (%). A partir dos dados obtidos, foi constatado que a biomassa funcional de açaí e de cupuaçu mostra-se como uma opção saudável que pode ser utilizada em qualquer fase da vida, além de ser uma alternativa para o aproveitamento da banana verde, podendo gerar renda para pequenos produtores. Trata-se de um produto seguro, estando de acordo com os padrões microbiológicos exigidos pela resolução RDC Nº 12/2001

Keywords


Biomassa de Banana Verde; Alimentos funcionais; Polpa de frutas.

References


ANVISA. Agência Nacional de Vigilância Sanitária. Resolução - RDC Nº 12, de 02 de Janeiro de 2001. Disponível em Acesso em 22/07/2016.

BRASIL. Ministério da Saúde. Guia alimentar para a população brasileira: promovendo a alimentação saudável / Ministério da Saúde, Secretaria de Atenção à Saúde, Coordenação-Geral da Política de Alimentação e Nutrição. – Brasília: Ministério da Saúde, 2005. 236 p.

CHITARRA, M. I. F.; CHITARRA, A. B. Pós-colheita de frutas e hortaliças: fisiologia e manuseio. 2ª ed. Lavras: UFLA, 2005.

GOMES, F. S. Carotenóides: uma possível proteção contra o desenvolvimento de câncer. Revista de Nutrição, v 20, n. 5, p. 537-548, Set./Out. 2007.

LEON, T. M. Elaboração e aceitabilidade de receitas com biomassa de banana verde. 2010. 53 fl. Monografia (Bacharel no Curso de Nutrição) - UNESC – Universidade do Extremo Sul Catarinense, 2010.

OLIVEIRA, M. N.; SIVIERI, K.; ALEGRO, J. H. A.; SAAD, S.M.I. Aspectos tecnológicos de alimentos funcionais contendo probióticos. Revista Brasileira de Ciências Farmacêuticas v 38, n. 1, Jan./Mar., 2002.

OLIVEIRA, R. P. S.; SILVA, G. B.; SANTOS, M. R. Aproveitamento da Biomassa de Banana Verde na Produção De Bananese (Musa sapientum). In: IV Congresso Estadual de Iniciação Científica do IF Goiano, 2015. Anais, Goiás. 2015.

RANIERI, L. M,; DELANI, T. C. O. Banana Verde (Musa spp): Obtenção da Biomassa e Ações Fisiológicas do Amido Resistente. Revista UNINGÁ. V 20, n 3, Out/Dez, 2014.

TIRAPEGUI, J. Nutrição, fundamentos e aspectos atuais. 3ª. ed. – São Paulo: Editora Atheneu, 2013.

VALLE, H. F.; CAMARGOS, M. Yes, nós temos bananas. São Paulo, SP: SENAC, 2002 p. 86-89.




DOI: https://doi.org/10.34119/bjhrv2n4-062

Refbacks

  • There are currently no refbacks.