Aspectos éticos e regulamentares da pesquisa clínica / Ethical aspects and regulations of clinical research

Thaís de Oliveira Rocha, Débora Maria da Silva, Marcela dos Santos Oliveira, Marina Ladeira de Castro, Sigmar de Mello Rode, Luana Marotta Reis de Vasconcellos

Abstract


As questões éticas e legais na atualidade têm sido amplamente debatidas devido à deficiência ou à incompreensão de regulamentação. O Consolidated Standards of Reporting Trials 2010 foi utilizado como base, porque é uma ferramenta que colabora para a padronização das pesquisas clínicas tornando um objeto mais claro para o leitor e para o pesquisador. MÉTODO: Foi feita uma análise crítica de 24 artigos oriundos das bases de dados do Literatura Latino-Americana e do Caribe em Ciências da Saúde, Medical Literature Analisys and Retrieval System on Line e Scientific Eletronic Library onLine, da Agência Nacional de Vigilância Sanitária e da Comissão Nacional de Ética em Pesquisa entre os de 1996 e 2017, durante 6 meses. OBJETIVO: O presente trabalho visa direcionar indivíduos que desejam fazer o delineamento de uma pesquisa clínica. CONCLUSÃO: As questões éticas devem permanecer regulamentando as pesquisas clínicas em todos os aspectos. A observância às recomendações internacionais e nacionais tornam a pesquisa clínica ética e legalmente ideal, assegurando a proteção dos sujeitos da pesquisa e do pesquisador, evitando pesquisas motivadas por interesses capitalistas.


Keywords


Ética em pesquisa. Comitês de ética em pesquisa. Bioética.

References


. Atallah NA. Estrutura mínima de um projeto de pesquisa clínica. Revista Diagnóstico&Tratamento. Vol. 7, n. 4, p. 35-39, 2002.

Brasil. Pesquisa Clínica – Anvisa. Disponível em: Acesso em 13 de Setembro de 2017.

Brasil. Ministério da Saúde. Conselho Nacional de Saúde. Resolução 196/96 de 10/10/1996. Portaria 911/MS/SVS de 12/11/1998 (DOU de 15/09/99). Aprova diretrizes e normas regulamentadoras de pesquisas envolvendo seres humanos.

Boutron I, Altman DG, Moher D, Schulz KF, Ravaud P, CONSORT NTP Group. CONSORT Statement for Randomized Trials of Nonpharmacologic Treatments: A 2017 Update and a CONSORT Extension for Nonpharmacologic Trials Abstracts. Ann Intern Med. 167:40-47. 2017. doi:10.7326/M17-0046

Cabral MML, Schindler HC, Abath FGC et al. Regulamentos, conflitos e ética da pesquisa médica em países em desenvolvimento. Rev Saúde Pública. Vol. 40, n. 3, p. 521-527, 2006.

Campbell MK, Piaggio G, Elbourne DR, Altman DG, for the CONSORT Group. Research Methods & Reporting. Consort 2010 Statemente: extension to cluster randomized trials. BMJ 345:e5661. 2012 doi: 10.1136/bmj.e5661

Castilho EA, Kalil J. Ética e Pesquisa Médica: princípios, diretrizes e regulamentações. Revista da Sociedade Brasileira de Medicina Tropical. Vol. 38, n. 4, p. 344-347, 2005.

Dainesi SM, Goldbaum M. Pesquisa Clínica como estratégia de desenvolvimento em saúde. Rev. Assoc. Med. Bras. Vol 58, n. 1, p. 2-6, 2012.

Dainesi SM, Gouldbaum M. Reasons behind the participation in biomedicalresearch: a briefreview. RevBrasEpidemiol. Vol. 17, n. 4, p. 842-851, 2014.

Departamento de Ciência e Tecnologia, Secretaria de Ciência, Tecnologia e Insumos Estratégicos, Ministério da Saúde.Informes Técnicos Institucionais. Rede Nacional de Pesquisa Clínica do Brasil: respostas e redução da dependência estrangeira. Rev. Saúde Pública. Vol. 44, n. 3, p. 575-578, 2010.

Emanuel EJ, Wendler D, Grady C. What makes clinical research ethical? JAMA. Vol. 284, n. 20, p. 2701-2711, 2000.

Emanuel EJ, Grady C, Crouch RA, Lie RK, Miller FG, Wendler D. “An Ethical Framework for Biomedical Research. The Oxford Text book of Clinical Research Ethics. 2011. Disponível em: Acesso em 27 de Agosto de 2017.

Freitas CBD, Hossne WS. O papel dos Cômitês de Ética em Pesquisa na proteção do ser humano. Ver Bioética. Vol 10, n. 2, p. 129-146, 2002.

Garrafa V, Lorenzo C. Helsinque 2008: redução de proteção e maximização de interesses privados.Rev. Assoc. Med. Bras. Vol. 55, n. 5, p. 514-518, 2009. http://dx.doi.org/10.1590/S0104-42302009000500010.

Groves T. What makes a high quality clinical research paper. Oral Diseases. Vol 16, p. 313–315. 2010. doi:10.1111/j.1601-0825.2010.01663.x

Koletsi D, Fleming PS, Seehra J, Bagos PG, Pandis N et al. Are Samples Size Clear and Justified in RCTs published in Dental Jounals? PLOS One. Vol. 9, n. 1, p. 1-8, 2014. doi:10.1371/journal.pone0085949.

Lima JS, Reza D de La, Teixeira S, Costa C et al. Pesquisa Clínica: fundamentos, aspectos éticos e perspectivas. Revista da SOCERJ. Vol 16, n. 4, p. 225-233, 2003.

Manual segurança do paciente: Higienização das mãos/Ministério da Saúde – ANVISA. Disponível em: Acesso em 10 de Setembro de 2017.

Plataforma brasil – Ministério da Saúde. Disponível em: Acesso em 20 de Outubro de 2017.

Quental C, Filho SS. Ensaios clínicos: capacitação nacional para avaliação de medicamentos e vacinas. Vol. 9, n. 4, p. 408-424, 2006.

Rodrigues D. Clinical research and drug development in Latin America: weighing the pros and cons, talking about the future. J Invest Med. 2007;55:223-9.

Semplici S. A Ética na Pesquisa Clinica Comitês de Ética: uma visão geral pelo mundo. Revista Bioethikos. Vol. 6, n. 2, p. 200-204, 2012.

Schulz KF, Altman DG, Moher D, CONSORT Group (2010). CONSORT 2010 Statement: Updated Guidelines for Reporting Parallel Group Randomised Trials. PLoS Med. 7(3) e1000251. 2010. doi:10.1371/journal.pmed.1000251.

Thiers F, Sinskey AJ, Berndt ER et al. Trends in the globalization of clinical trials. Nat Rev Drug Discov. 2008;7:13-4




DOI: https://doi.org/10.34119/bjhrv2n4-054

Refbacks

  • There are currently no refbacks.