Experiência exitosa: Implantação das Práticas Integrativas e Complementares (PICs) na rede municipal de Duque de Caxias (RJ) / Successful experience: Implementation of Integrative and Complementary Practices in the Duque de Caxias (RJ) municipal network

Ana Maria Lessa, Iramar Santana dos Santos Nascimento, Fernanda Soares do Nascimento, Lucas Gaspar Ribeiro

Abstract


Contextualização: a Política Nacional de Práticas Integrativas e Complementares (PNPICS) está em expansão desde 2006. Atualmente são 29 práticas contempladas pelo Ministério da Saúde, as Práticas Integrativas Complementares (PICs) promovem uma nova cultura de cuidado, fortalecendo o vínculo terapeuta-paciente, o empoderamento do indivíduo e seu protagonismo no processo de cura, possuindo grande potencial desmedicalizador. Não concorrem com os tratamentos convencionais, pelo contrário, complementam e possibilitam um olhar integrativo na saúde. Objetivo: descrever o processo de implantação e implementação das PICs no município de Duque de Caxias – RJ. Metodologia: desde março de 2018 o Programa de Saúde do Trabalhador de Duque de Caxias iniciou no Hospital da rede municipal, Dr. Moacyr Rodrigues do Carmo, atividades de promoção da saúde voltadas prioritariamente aos trabalhadores do município, mediante uso das PICs, entre elas a acupuntura e auriculoterapia, massoterapia, reiki, florais, meditação/mindfulness. Resultados: foram 245 pessoas atendidas no período dos 2 meses iniciais do programa, com um total de 688 sessões realizadas e 1221 procedimentos, em cada sessão a pessoa recebia de dois a três procedimentos terapêuticos. Ao final de dois meses de implementação, os usuários já relatam, melhora do sono, melhora do quadro álgico, diminuição da irritabilidade e ansiedade em ordem decrescente respectivamente Conclusão: a inserção das PICs na saúde do trabalhador foi de suma importância para promover alívio e bem-estar aos profissionais, contribuindo para melhor qualidade de vida dos funcionários da rede pública de saúde.

 


Keywords


Medicina Alternativa, Práticas Integrativas e Complementares (PICs), Saúde do Trabalhador, Promoção em Saúde.

References


BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica. Política Nacional de Práticas Integrativas e Complementares no SUS - PNPIC-SUS / Ministério da Saúde, Secretaria de Atenção à Saúde, Departamento de Atenção Básica. - Brasília: Ministério da Saúde, 2006. 92 p. Disponível em http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/pnpic.pdf Acesso em novembro de 2015.

Brasil. Ministério da Saúde. Portaria nº 849, de 27 de março de 2017. Inclui a Arteterapia, Ayurveda, Biodança, Dança Circular, Meditação, Musicoterapia, Naturopatia, Osteopatia, Quiropraxia, Reflexoterapia, Reiki, Shantala, Terapia Comunitária Integrativa e Yoga à Política Nacional de Práticas Integrativas e Complementares. Diário Oficial da União. 28 Mar 2017.

Brasil. Ministério da Saúde. Portaria n° 702, de 21 de março de 2018. Altera a Portaria de Consolidação nº 2/GM/MS, de 28 de setembro de 2017, para incluir novas práticas na Política Nacional de Práticas Integrativas e Complementares - PNPIC. Diário Oficial da União. 22 Mar 2018.

Ornela RG, Oba MV, Kinouchi FL, et al. Acupuntura no tratamento da obesidade. J Health Sci Inst. 2016;

Carli J. Reiki: Amor, Saúde e Transformação. 5. ed. São Paulo: Alfabeto; 2013.

World Health Organization (WHO). WHO traditional medicine strategy: 2014-2023. Geneva: WHO; 2013.

Thiago SCS, Tesser CD. Percepção de médicos e enfermeiros da Estratégia de Saúde da Família sobre terapias complementares. Rev Saúde Pública. 2011; 45(2):249-257.

Galhardi WMP, Barros NF, Leite-Mor ACMB. O conhecimento de gestores municipais de saúde sobre a Política Nacional de Prática Integrativa e Complementar e sua influência para a oferta de homeopatia no Sistema Único de Saúde local. Ciênc. saúde coletiva. 2013; 18(1):213-220.

Silva EDC, Tesser CD. Experiência de pacientes com acupuntura no Sistema Único de Saúde em diferentes ambientes de cuidado e (des)medicalização social. Cad. saúde pública. 2013 nov; 29(11):2186-2196.

Kawakita K, Okada K. Acupuncturetherapy: mechanismofaction, efficacy, andsafety: a potentialintervention for psychogenicdisorders? Biopsychosoc Med. 2014;

Silvério L, Sandra. Lirane, C Suliano. Atlas de auriculoterapia de A a Z 3º ed. Curitiba, PR: Omnipax, 2017




DOI: https://doi.org/10.34119/bjhrv2n4-053

Refbacks

  • There are currently no refbacks.