Prevalência da toxoplasmose em gestantes no Oiapoque-Amapá, Fronteira com a Guiana Francesa / Prevalence of toxoplasmosis in pregnant women in Oiapoque-Amapá, Frontier with French Guiana

Kellen Cristina Ignácio Miranda, Valmir Corrêa e Corrêa, Nathalye Dias Martins, Francinete Viana da Silva Corrêa, Ismaeri Perini Furlaneto

Abstract


Introdução: A toxoplasmose é causada pelo protozoário Toxoplasma gondii. Transmitida pela ingestão de alimentos contaminados, fezes de felídeos com oocistos ou por transmissão materno-fetal, possui importância significativa em gestantes pelo risco de infecções congênitas (toxoplasmose neonatal), que pode causar microcefalia, hidrocefalia, entre outros agravos. Objetivo: Determinar a prevalência da Toxoplasmose em gestantes atendidas no Laboratório de Fronteira (LAFRON), no Oiapoque/AP, no período de 2011 a 2016. Metodologia: Os dados foram adquiridos a partir dos resultados dos exames laboratoriais usando um kit de ensaio imuno absorvente (ELISA) quanto à presença de anticorpos anti-T. gondii das classes IgG e IgM, analisando a prevalência de soropositividade e de susceptibilidade à doença. Resultados e Discussão: De 990 gestantes atendidas com suspeita de infecção por toxoplasmose,  221 (22,32%) foram IgM e IgG não reagentes; 42 pacientes (4,24%) foram IgM reagente (fase aguda) e 727 (73,43 %) reagentes para IgG e não reagentes para IgM, (memória imunológica) caracterizando a prevalência da doença na população estudada. Conclusão: A prevalência de doenças como a toxoplasmose, com risco de transmissão congênita, é importante em mulheres com abortamento espontâneo. Portanto, deve-se orientar as gestantes sobre esta infecção pela possível transmissão vertical e infecção dos fetos em especial em regiões de fronteira como o Oiapoque com índice de natalidade elevado e deficiência na oferta de serviços básicos de saúde.


Keywords


Toxoplasmose, gestantes, Oiapoque.

References


Bártholo BBGR, Monteiro LM, Trajano AJB, Jesus NR de. Toxoplasmose na gestação. Revista HUPE 2015; 14(2): 65-70.

Majid A, Khan S, Jan AH, Taib M, Adnan M, Ali L et al. Chronic toxoplasmosis and possible risk factors associated with pregnant women in Khyber Pakhtunkhwa. Biotechnology & Biotechnological Equipment 2016; 30(04): 733-736.

Favaron PO, Anunciação ARA, Miglino MA. Toxoplasma gondii e Gestação: Características da Toxoplasmose, sinais clínicos, diagnóstico e a importância da doença na Saúde Pública – Revisão. Revista Científica De Medicina Veterinária - ISSN:1679-7353, Ano XIII-N 25, Julho, Periódico Semestral, 2015.

Saki J, Mohammadpour N, Moramezi F, Khademvatan S. Seroprevalence of Toxoplasma gondii in women who have aborted in comparison with the women with normal delivery in Ahvaz, southwest of Iran. Scientific World Journal 2015. http://dx.doi.org/10.1155/2015/764369.

MOREIRA, L.M.A. Toxoplasmose congênita. Depto. Da Neonatologia da SBP. [Internet] 2012 [acessado em 21 dez. 2018]. Disponível em: http://www.sbp.com.br/fileadmin/user_upload/2015/02/TOXOPLASMOSE_congenita-LM-SBP16.pdf.

Prusa A.R., Hayde M., Pollak A., Herkner K.R., Kasper, D.C. Evaluation of the Liaison Automated Testing System for diagnosis of congenital toxoplasmosis. Clin Vaccine Immunol. 2012; 19:1859-63.

Anubhuti, Roy R.R., Mittra J.P., Begum S.J. Seroprevalence of Toxoplasma gondii in spontaneous abortions in pregnant women. J of Evolution of Med and Dent Sci 2015; 4 (39): 6763-68.

Sandrin L.N.A., Ponzi C.C., Binda G., Nardi A. Perfil epidemiológico de toxoplasmose em gestantes. Rev Bras Clin Med 2012; 10 (6): 486-9.

Carmo E.L. Aspectos epidemiológicos da toxoplasmose na região metropolitana de Belém, Pará, Brasil [tese de doutorado]. Belém: Universidade Federal do Pará; 2011.

Mercier A., Ajzenberg D., Devillard S., Demar M.P., De Thoisy B., Bonnabau H. et al. Human impact on genetic diversity of Toxoplasma gondii: example of the antropized environment from French Guiana. Inf Gen Evol, 2011; 11: 1378-87.

GEA -GOVERNO DO ESTADO DO AMAPÁ. Município de Macapá. Disponível em Acesso em:10/11/ 2018.

Instituto Brasileiro De Geografia E Estatística. Censo Demográfico 12 de dezembro 2015 [Internet]. Rio de Janeiro: Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística; 2015 [acessado em 14 nov. 2018]. Disponível em: .

Inagaki A.D.M., Cardoso N.P., Lopes R.J.P.L., Alves J.A.B., Mesquita J.R.F., Araújo K.C.G.M. et al. Análise espacial da prevalência de toxoplasmose em gestantes de Aracaju, Sergipe, Brasil. Rev Bras Ginecol Obstet. 2014; 36 (12): 535-40.

Figueiro-Filho E.A., Senefonte F.R.A., Lopes A.H.A., Morais O.O., Souza Junior V.G., Maia T.L. et al. Frequência das infecções pelo HIV-1, rubéola, sífilis, toxoplasmose, citomegalovírus, herpes simples, hepatite B, hepatite C, doença de Chagas e HTLV I/II em gestantes, do Estado de Mato Grosso do Sul. Revista da Sociedade Brasileira de Medicina Tropical 2007; 40 (2): 181-7.

Areal K.R., Miranda A.E. Soroprevalência de toxoplasmose em gestantes atendidas na rede básica de saúde de Vitoria, ES. Newslab 2008; 87: 122-9.

Moura F.L., Goulart P.R.M., Sudre A.P., Amendoeira M.R.R. Programs for controlling congenital toxoplasmosis: study of current status in a brazilian municipality. Rev Patol Trop. 2015; 44 (4): 478-82.

Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Ações Programáticas Estratégicas. Gestação de alto risco: manual técnico. 5.ed. Brasília; 2010. (Editora do Ministério da saúde).




DOI: https://doi.org/10.34119/bjhrv2n4-051

Refbacks

  • There are currently no refbacks.