Assexualidade: orientação ou disfunção sexual? / Assexuality: sexual orientation or dysfunction?

Thais Pacheco dos Santos, Geraldo Mota de Carvalho

Abstract


ntrodução: O comportamento sexual está sendo muito discutido nos últimos tempos e observa-se que pequena parcela da população não se enquadra nas categorias homossexual, heterossexual ou bissexual. Nesta perspectiva, surge a assexualidade, condição caracterizada pelo desejo sexual diminuído ou ausente. Porém, esse conceito contradiz o pressuposto do desejo sexual universal, sendo que a sua falta pode implicar em prejuízos na saúde mental e em disfunções sexuais como Transtorno do Interesse/ Excitação Sexual Feminino e Transtorno do Desejo Sexual Masculino Hipoativo. Objetivo: Identificar e analisar na literatura científica qual é o entendimento atual sobre a assexualidade. Metodologia: Pesquisa bibliográfica, realizada nas bases de dados SciELO, LILACS, PePSIC abrangendo o período de 2002 a 2017, utilizando-se os seguintes descritores: sexualidade, comportamento sexual,  disfunções sexuais psicogênicas, minorias sexuais e de gênero. Resultados e discussão: A principal diferença entre a assexualidade e as disfunções sexuais consiste no fato de que nas disfunções existe um sofrimento psíquico para o indivíduo, enquanto para a maioria dos assexuais não há um prejuízo clinicamente significativo. No entanto, assexuais precisam lidar constantemente com julgamentos, pressão social para se enquadrar numa cultura hipersexualizada e invalidação de seus sentimentos, o que pode justificar os achados de alguns estudos sobre uma frequência maior de transtornos do humor e ansiedade, personalidade com tendência suicida e evitação social nessa população. Considerações finais: Existem chances consideráveis do assexual ser diagnosticado como portador de uma patologia, já que o processo de distinção entre a assexualidade e disfunções sexuais ainda é muito vago. Além disso, categorizar a assexualidade como apenas mais uma patologia antes mesmo de entendê-la mais a fundo coloca a perder todos os questionamentos, reflexões e descobertas que este tema pode proporcionar no entendimento das relações que o sujeito estabelece com seu corpo e sua identidade de acordo com suas crenças, experiências e influências recebidas no decorrer da vida.

 


Keywords


Minorias sexuais e de gênero, Disfunções sexuais psicogênicas, Comportamento sexual.

References


. Marola CAG, Sanches CSM, Cardoso LM. Formação de conceitos em sexualidade na adolescência e suas influências. Psic da Educação. 2011; 33: 95-118. [citado em 12 jan 2018]. Disponível em: http://pepsic.bvsalud.org/scielo.phpscript=sci_arttext&pid=S141469752011 000200006

Silva FB, Brígido E. A sexualidade na perspectiva freudiana. Revista Contemplação. 2016; 13: 125-138. [citado em 12 jan 2018]. Disponível em: https://www.revistas.ufg.br/rir/article/ viewFile/20332/19287

Meira RD, Santana LT. Sexualidade na perspectiva histórico-cultural: Primeiras Aproximações. Trilhas Pedagógicas. 2014;4(4): 160-181. [citado em 12 jan 2018]. Disponível em: http://www.fatece.edu.br/arquivos/arquivos%20revistas/trilhas/volume4/11.pdf

Lourenço MA. Afectos, sexualidade e desenvolvimento humano. Revista Saúde Mental [on-line]. 2002; 4(2): 20-28. [citado em 12 jan 2018]. Disponível em: http://www.saude-mental.net/pdf/vol4_rev2_artigo2.pdf

Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Saúde sexual e reprodutiva. Cadernos de atenção básica, nº 26. Brasília, 2013. [citado em 21 jan 2018]. Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/saude_sexual_saude_reprodutiva.pdf

OMS. Organização Mundial da Saúde. Sexual health, human rights and the law. Geneva: WHO; 2015. [citadoem 21 jan 2018]. Disponívelem: http://www.who.int/reproductivehealth/ publications/sexual_health/sexual-health-human-rights-law/en/

Princípios de Yogyakarta. Princípios sobre a aplicação da legislação internacional de direitos humanos em relação à orientação sexual e identidade de gênero. Tradução Jones de Freitas. 2007. [citado em 21 jan 2018]. Disponível em: http://www.dhnet.org.br/direitos/sos/ gays/principios _de_yogyakarta.pdf

Soria L. Asexualidad: primerasaproximaciones, primeros interrogantes. In: Anais Eletrônicos do V Congreso Internacional de Investigación y PrácticaProfesionalenPsicología, 2013; Buenos Aires. Universidad de Buenos Aires. p. 630-634 [citado em 30 jan 2018]. Disponível em: https://www.aacademica.org/000-054/824.pdf

Asexual Visibility and Education Network [Internet]. 2001-2017 [atualizado 2017; citado em 30 jan 2018]. Disponível em: http://www.asexuality.org/?q=overview.html

Oliveira RBP. Saindo do armário: a assexualidade na perspectiva da AVEN – AsexualVisibilityandEducation Network. In: Anais Eletrônicos do Seminário Internacional Fazendo Gênero 10, 2013 set. 16-20; Florianópolis. [citado em 04 fev 2018]. Disponível em: http://acaoeducativa.org.br/fdh/wp-content/uploads/2015/11/2013_Saindo-do-Armario_Asexualidade _Aven_ElisabeteReginaB aptistadeOliveira.pdf

Oliveira ERB. Assexualidade e medicalização na mídia televisiva norte-americana. In: Vieira TR (org). Minorias Sexuais: direitos e preconceitos. Brasília. Editora Consultex; 2012. 420p. [citado em 04 fev 2018]. Disponível em: http://generoeeducacao.org.br/wpcontent/uploads/2015/ 11/2012_Oliveira_Assexualidade-e-medicalizacao.pdf

APA. American PsychiatricAssociation. Manual diagnóstico e estatístico de transtornos mentais: DSM-V. 5ª ed. Porto Alegre: Artmed; 2014. 992p.

Prause N, Graham CA. Asexuality: classificationandcharacterization. Arch Sex Behav. 2007; 36:341-356. [citado em 13 fev 2018]. Disponívelem: https://www.researchgate.net/ publication/6462028_Asexuality_Classification_and_Characterization

Cranney S. The temporal stability of lack of sexual attraction across young adulthood.Arch Sex Behav. 2016;45(3):743–49. [citado em 13 fev 2018]. Disponível em: https://www.ncbi.nlm.nih. gov/pubmed/26228992

Alcaire R. The pathologisation of sexual diversity: a critical scrutiny of the DSM. Ex aequo [periódico online] 2015 [citado em 25 fev 2018];32:155-67. Disponível em: http://www.scielo.mec.pt/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0874-55602015000200011&ln g =pt&nrm=isso

Munárriz LA. La identidad ‘asexual’. Gazeta de Antropología. 2010; 26(2): artigo 40. [citado em 25 fev 2018]. Disponível em: http://www.ugr.es/~pwlac/G26_40Luis_Alvarez _Munarriz.pdf

Brigeiro M. A emergência da assexualidade: notas sobre política sexual, ethos científico e o desinteresse pelo sexo. Sex Salud Soc. 2013; 14:253-83.[citado em 25 fev 2018]. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1984648720130002 00012

Marques FZC, Chedid SB, Eizerik GC. Resposta sexual humana. RevCiênc Méd. [periódico online] 2008 [citado em 08 mar 2018]; 17(3-6):175-83. Disponível em: https://seer.sis.puc-campinas.edu.br/seer/index.php/cienciasmedicas/article/view/755

Rohden F. Diferenças de gênero e medicalização da sexualidade na criação do diagnóstico das disfunções sexuais. RevEstud Fem. [períodico online] 2009; [citado em 08 mar 2018]; 17(1):89-109. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S01 04-026X200 9000100006&lng=en&nrm=iso&tlng=pt

Britto R, Benetti SPC. Ansiedade, depressão e característica de personalidade em homens com disfunção sexual. Rev SBPH. [períodico online] 2010 [citado em 08 mar 2018]; 13(2):243-58. Disponível em: http://pepsic.bvsalud.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1516-085820 10000200007&lng=pt

Correia LS, Brasil C, Silva MD, Silva DFC, Amorim HO, Lordêlo P. Função sexual e qualidade de vida de mulheres: um estudo observacional. RevPortMed Geral Fam [periódico online] 2016 [citado em 16 mar 2018];32(6):405-409. Disponível em: http://www.scielo.mec.pt/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S2182-51732016000600007&ln g=pt.

Yule MA. Furthering our understanding of asexuality: an investigation into biological markers of asexuality, and the development of the asexuality identification scale.Dissertação (Mestrado). Vancouver, Canadá: Universidade de British Columbia; 2011. [citado em 16 mar 2018]. Disponível em: https://open.library.ubc.ca/cIRcle/collections/ubctheses/24/items/1.0 105150

Modi P. Do men and women with asexual identities show low category specificity in their patterns of sexual attraction and attention to male and female swimsuit models? Dissertação (Mestrado). Fullerton (CA): CaliforniaStateUniversity; 2015. [citado em 21 mar 2018]. Disponível em: https://search.proquest.com/openview/afc322fdd9047f69ca191b8883ee2022/ 1?pq-origsite=gscholar&cbl=18750&diss=y

Bezerra PV. Avessos do excesso: a assexualidade. Tese (Doutorado). Assis (SP): Universidade Estadual Paulista; 2015. [citado em 21 mar 2018]. Disponível em: https://repositorio.unesp. br/handle/11449/132159

Abdo CH, Valadares AL, Oliveira Junior WM, Scanavino MT, Afif-Abdo J. Hypoactive sexual desire disorder in a population-based study of brazilian women: associated factors classified according to their importance. Menopause. 2010;17(6):1114-21. [citado em 21 mar 2018]. Disponível em: http://academiasexologia.org/wp-content/uploads/2016/07/deseo-hypoactivo-Brasil-Abdo.pdf

APA. American Psychiatric Association. Diagnostic and statiscal manual of mental disorders: DSM-IV. 4th ed. Washington (DC): APA; 1994. 886 p.

Lemos DSCM. Assexualidade: factores de vunerabilidade psicológica. Dissertação (Mestrado). Aveiro, Portugal:Universidade de Aveiro; 2011. [citado em 04 abr 2018]. Disponível em: http://ria.ua.pt/handle/10773/8372

Arcoverde RL, Amazonas MCLA. Assexualidade: identidades e discursos na internet. In: Anais Eletrônicos do 11º Seminário Internacional Fazendo Gênero & 13th Women’s Worlds Congress, 2017; Florianópolis. Universidade Federal de Santa Catarina. [citado em 04 abr 2018]. Disponível em: http://www.en.wwc2017.eventos.dype.com.br/resources/anais/ 1493811876_ARQUIVO_trabal hocmpletonomodelo.pdf

Marks B. "Sick, dead, or lying:" a critical textual analysis of asexuality in popular culture. Dissertação (Honor Degree). Iowa (US): Universityof Iowa; 2017. [citado em 04 abr 2018]. Disponível em: http://ir.uiowa.edu/honors_theses/68/

Wesson C. The fairer sex – literally: a brief review of sexual fluidity published in Psy PAG journal The Quarterly. 2016;101; discussion p.34-6. [citado em 20 abr 2018]. Disponível em: http://www.psypag.co. uk/wp-content/uploads/2016/11/PsyPAG-101-web.pdf

Furtado LAR, Vieira CAL. A psicanálise e as fases de organização da libido. Revista Scientia. 2014; 2(4):93-107 [citado em 20 abr 2018]. Disponível em: http://www.faculdade. flucianofeijao.com.br/site_novo/scientia/servico/pdfs/Scientia_4/Psicologia/A_PSICANALISE_E_AS_FASES_DA_ORGANIZACAO_DA_LIBIDO_Luis_Achiller_Rodrigues_Furtado_Camilla_Araujo_Lopes_Vieira.pdf

Freud S. Três ensaios sobre a teoria da sexualidade. 1905 apud Silva FB, Brígido E. A Sexualidade na Perspectiva Freudiana. Revista Contemplação. 2016; 13: 125-138. [citado em 20 abr 2018]. Disponível em: https://www.revistas.ufg.br/rir/ article/viewFile/20332/19287

Sadlier A. Humans don’t fit in boxes: reconfiguring female (a)sexualities for the 21st century published in Psy PAG journal The Quarterly. 2016;101; discussion p.37-41. [citado em 20 abr 2018]. Disponível em: http://www.psypag.co.uk/wp-content/uploads/2016/11/PsyPAG-101-web.pdf

Li G. On the measurement of sexual orientation published in Psy PAG journal The Quarterly. 2016;101; discussion p.20-4. [citado em 25 abr 2018]. Disponível em: http://www.psypag.co. uk/wp-content/uploads/2016/11/PsyPAG-101-web.pdf




DOI: https://doi.org/10.34119/bjhrv2n4-042

Refbacks

  • There are currently no refbacks.