Avaliação de aprendizagem motora em universitárias utilizando dispositivo móvel / Evaluation of motor learning in universities using mobile device

Ana Karolina Aparecida Silva, Quézia Nunes Guimarães, Luiz Alberto Amaral Nardi, Lucas Ximenes Boa Sorte, Talita Andrea Bordini Malaman, Fabrício Yuri Zapparoli

Abstract


Introdução:A aprendizagem motora é caracterizada por mudanças internas permanentes na capacidade do indivíduo ao executar tarefas. É descrita em estágios e subdividida em fases. Em virtude da escassez de estudos abordando o desenvolvimento de instrumentos que analisam a aprendizagem motora, faz-se necessário pesquisar de forma experimental. Os aparelhos movéis e as ferramentas de simulação são promissores em terapias na área da saúde.Objetivo: Demonstrar a utilização de técnicas de gamificação em dispositivos móveis, como instrumento de análise de aprendizagem motora em universitárias de fisioterapia, por meio da verificação do tempo de execução e número de erros.Método: Foram desenvolvidos 12 ambientes virtuais, sendo 06 baseados em teste de trilhas (TMT) parte A e 06 na parte B.O estudo foi realizado com 45estudantes de fisioterapia do sexo feminino divididas em 2 grupos, no qual cada grupo realizou os ambientes de uma parte do TMT.Resultados: Foi observado que ambos os grupos tenderam a um melhor desempenho, e que as participantes dos ambientes B apresentaram maior tempo para completar as tarefas do que as do ambiente A.Conclusão:Conclui-se que o treino melhora a performance independente do ambiente, seja ele com números e letras ou somente números.


Keywords


Habilidades motoras; Fisioterapia; Aprendizagem.

References


Januário MS, Ugrinowits H, Lage GM, Vieira MM, Benda RN. Efeito da combinação de diferentes estruturas de prática na aquisição de habilidades motoras. Rev. Bras. Ciênc. Esporte. 2014; 36(2):78-773.

Florindo M,Pedro R. O processo de aprendizagem motora e a neuroplasticidade. SalutisScientia – Revista de Ciências da Saúde da ESSCVP. 2014; 6.

Benda RN. Sobre a natureza da aprendizagem motora: mudança e estabilidade... e mudança. Rev. bras. Educ. Fís. Esp. 2006; 20(5):43-45.

Souza DE. Influência da idade, do sexo e da hora do dia no desempenho em teste de labirinto (dissertação). Natal: Universidade Federal do Rio Grande do Norte, 2006.

Tani G. Processo adaptativo em aprendizagem motora: o papel da variabilidade. Rev. paul. Educ. Fís. 2000; 20(3):55-61.

Corrêa UC, Barros JAC, Massigli M, Gonçalves LA, Tani G. A prática constante-aleatória e o processo adaptativo de aprendizagem motora: efeitos da quantidade de prática constante. Rev. bras. Educ. Fís. Esp. 2007; 21(4):301-14.

Okuda PMM, Lourencetti MD, Santos LCA, Padula NAMR, Capellini SA. Coordenação motora fina de escolares com dislexia e transtorno do déficit de atenção e hiperatividade. Rev. CEFAC. 2011 Set-Out; 13(5):876-885.

Souza DE, França FR, Campos TF. Teste de labirinto: instrumento de análise na aquisição de uma habilidade motora. Rev. bras. Fisioter. 2006; 10(3):355-360.

Rodrigues AC, Santana CS, Medeiros R, Alouche SR. Treino prévio reduz o tempo de execução de tarefas visuo-espaciais em ambiente virtual. Revista Neurociências, 2008:16(3):209-214.

Bracken MR. Trail Making Test: Comparasion of Paper-and-Pencil Version with Electronic Version (dissertação). Chicago: The Chicago School of Professional Psychology, 2016.

Dahmen J, Cook D, Fellows R, Scmitter-Edgecombe M. An analysis of a digital variant of the Trail Making Test using machine learning. Technology and Health Care. 2016:1-14.

Fellows RP, Dahmen J, Cook D, Schitter-Edgecombe M. Multicomponent analysis of a digital Trail Making Test. The Clinical Neuropsychologist. 2016.

Gaudino EA, Geisler MW, Squires NK. Construct Validity in the Trail Making Test: What Makes Part B Harder? Journal of Clinical and Experimental Neuropsychology. 1995, 17(4):529-535.

Woods DL, Wyma JM, Herron TJ, Yund EW. The Effects of Aging, Malingering, and Traumatic Brain Injury on Computerized Trail-Making Test Performance. PLoS ONE. 2015, 10 (6): e0124345. doi: 10.1371/journal.pone.0124345.

Ellis RJ, Molander P, Ronnberg J, Lyxell B, Andersson G, Lunner T. Predicting Speech-in-Noise Recognition From Performance on the Trail Making Test: Results from a Large-Scale Internet Study. Ear & Hearing. 2015, 37(1):73-79.

Tombaugh TN. Trail Making Test A and B: Normative data stratified by age and education. Archives of Clinical Neuropsychology. 2004, 19:203-214.

Gathmann B, Brand M, Schiebener J. One executive function never comes alone: monitoring and its relation to working Memory, reasoning, and diferente executive functions. Cogn Process. 2017, 18(1):13-29.

Zimmermann N, Cardoso CO, Kristensen CH, Fonseca RP. Brazilian norms and effects of age and education on the Hayling and Trail Making Tests.Trends Psychiatry Psychoter. 2017, 39(3).

Jones DJ, Anton M, Gonzalez M, Honeycutt A, Khavjou O,Forehand R et al. Incorporating Mobile Phone Technologies to Expand Evidence-Based Care. Cognitive and Behavioral Practice. 2015, 22:281-290.

Nunes FB, Herpich F, Lima JV. Implementação de um Jogo Sério no mundo virtual OpenSim: Labirinto Educacional. Revista Tecnologias na Educação. 2016; 17(8).

Paschoal LN, Oliveira MM, Kronbauer FS, Moura RBC, Mozzaquatro PM, Garces SBB. Gamification por meio de dispositivos móveis no envelhecimento humano. CINTED-Novas Tecnologias na Educação. 2014; 12(2).

Zichermann G. Gamification by Design: Implementing Game Mechanics in Web and Mobile Apps. Sebastopol:O’Reilly Media; 2011.

Polit DF, Beck CT. Fundamentos de Pesquisa em enfermagem: avaliação de evidências para as práticas da enfermagem. 7.ed. Porto Alegre, Rio Grande do Sul: Artmed; 2011.

Gallahue DL, Ozmun JC. Compreendendo o desenvolvimento motor: Bebês, crianças, adolescentes e adultos. 3.ed. São Paulo: Phorte; 2005.

Bagatini V. Psicomotricidade para deficientes. Porto Alegre: Sangra DC Luzzato; 1972.

Trombly CA. Occupational Therapy for Physical Disfunction. 4th ed. Baltmore: Williams & Wilkins; 1995.




DOI: https://doi.org/10.34119/bjhrv2n4-028

Refbacks

  • There are currently no refbacks.