Promoção da saúde através da conscientização da comunidade do bairro Maria Auxiliadora, Caruaru-PE: relato de experiência / Promotion of health through the awareness of the community of the district Maria Helper, Caruaru-PE: experience report

Antonio Tiago Guerra de Albuquerque Neto, Carlos Eduardo Cavalcanti Almeida de Freitas, Daniel Duda Santos da Silva, Enio Eliá de Souza Oliveira, Otávio Ferreria Lins Neto, Victor Vaz Medeiros, Philippe dos Santos Joaquim

Abstract


Introdução: Os índices de diabéticos e de hipertensos estão aumentando no Brasil, sendo isso também percebido no bairro Maria Auxiliadora, em Caruaru-PE. Essa problemática fica evidente quando se observam dados de que mais de 27% dos brasileiros são hipertensos e que aproximadamente 8,9% são diabéticos. Através de estudos percebe-se que a prática de exercícios físicos proporciona melhora dos quadros clínicos dos pacientes com essas doenças e atua também na prevenção, porém é necessário esclarecer para a população de que existem espaços no bairro e que eles devem ser utilizados para as práticas de exercícios. Objetivos: Conscientizar a comunidade do Bairro Maria Auxiliadora II, Caruaru-PE, a tornar-se protagonista na promoção de saúde, através da prática de exercícios físicos. Materiais e Métodos: Trata-se de um relato de experiência a partir da vivência na USF. O trabalho foi baseado em análise feita em 25 famílias da unidade Maria Auxiliadora II e escolhidas aleatoriamente. Foram analisadas as principais doenças que os acometiam e constatou-se a maior incidência de hipertensão e diabetes. Após isso, analisou-se a falta de infraestrutura do bairro, com pouco calçamento e sem área para se exercitar. Com os dados, fatos e fundamentação teórica conseguidos, montou-se um debate com a comunidade. O projeto se estendeu de 10 de abril a 13 de novembro de 2017. Resultados e Discussão: Através da dedicação na realização do projeto em conjunto com toda a comunidade foi chamada a atenção das autoridades governamentais, trazendo o reinício das obras da área de lazer do bairro. Conclusões: Assim, em breve, os moradores terão acesso a uma área de lazer para se exercitarem. Além disso, foi possível a criação de duas lideranças comunitárias, de forma que agora a comunidade está mais empoderada. Dessa forma, é esperado que a comunidade consiga reivindicar e garantir a própria saúde de forma autônoma.


Keywords


Hipertensão; Diabetes Mellitus; Saúde Pública; Exercício.

References


ANDRELLO, E. et al. Atividade física e saúde pública sob o olhar de secretários municipais de saúde. Revista Brasileira de Atividade Física & Saúde, v. 17, n. 3, p. 206-211, 2012.

ARSA, Gisela et al. Diabetes Mellitus tipo 2: Aspectos fisiológicos, genéticos e formas de exercício físico para seu controle. Rev Bras Cineantropom Desempenho Hum, São Paulo, p.103-111, 2009.

BRASIL. Ministério da Saúde. Diabetes atinge 9 milhões de brasileiros. Rio de Janeiro, 2015.

BRASIL. Ministério da Saúde. DATASUS. Sistema De Informação De Atenção Básica - Cadastramento Familiar – Brasil, 2017.

BRASIL. Ministério da Saúde. Doenças Crônicas. Brasília: Ministério da Saúde: Secretaria de Vigilância em Saúde, 2013.

BRASIL. Ministério da Saúde. Doenças Crônicas. Brasília: Ministério da Saúde: Secretaria de Vigilância em Saúde, 2017.

BRASIL. Ministério da Saúde. Pesquisa revela que 57,4 milhões de brasileiros têm doença crônica. Brasília; 2014.

CARVALHO, S. R.; GASTALDO, D. Promoção à saúde e empoderamento: uma reflexão a partir das perspectivas crítico-social pós-estruturalista. Ciênc. Saúde Coletiva, v. 13, p. 2029-2040, 2008.

GOLDMAN, L.; AUSIELLO, D. Cecil: Tratado de Medicina Interna. 24. ed. Rio de Janeiro: Elsevier, 2014.

GONTIJO, M. F. et al. Uso de anti-hipertensivos e antidiabéticos por idosos: inquérito em Belo Horizonte, Minas Gerais, Brasil. Cad. Saúde Pública, Minas Gerais, v. 28, n. 7, p.1337-1346, jul. 2012.

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Pesquisa Nacional de Saúde 2013: percepção do estado de saúde, estilos de vida e doenças crônicas - Brasil, Grandes Regiões e Unidades da Federação. 181 p. Rio de Janeiro: IBGE; 2014.

LARSEN, J. J. S. et al. The effect of intense exercise on postprandial glucose homeostasis in Type II diabetic patients. Diabetologia, Denmark, v. 42, n. 3, p.1282-1292, maio 1999.

MALTA, Deborah Carvalho et al. O Plano de Ações Estratégicas para o Enfrentamento das Doenças Crônicas Não Transmissíveis no Brasil e a definição das metas globais para o enfrentamento dessas doenças até 2025: uma revisão. Epidemiologia e Serviços de Saúde, [s.l.], v. 22, n. 1, p.151-164, mar. 2013.

MOURA, Giselle Alves de; SOUZA, Luciana Karine de. Autoimagem, socialização, tempo livre e lazer: quatro desafios à velhice. Textos & Contextos, Porto Alegre, v. 11, n. 1, p.172-183, jan. 2012.

RONDON, Maria Urbana P. Brandão; BRUM, Patricia Chakur. Exercício físico como tratamento não farmacológico da hipertensão arterial. Rev Bras Hipertens, São Paulo, v. 10, n. 2, p.134-139, jun. 2003.

SCHMIDT, A. G. Diabetes mellitus e desfechos cardiovasculares em pacientes hipertensos: uma avaliação de risco.Porto Alegre, RS 2015.

SILVA, M. N. Identidade, pertencimento e sociabilidade no espaço urbano: observações sobre a percepção dos usuários do bairro Cidade Baixa em Porto Alegre. ILUMINURAS, v. 14, n. 34, 2013.

SZWARCWALD, C. L. et al. Pesquisa Nacional de Saúde no Brasil: concepção e metodologia de aplicação. Ciência & Saúde Coletiva, Rio de Janeiro, v. 19, n. 2, p.333-342, fev. 2014.

ZAMAI, C. A.; BANKOFF, A. D. P.; MORAES, M. A. Levantamento do índice de fatores de risco para doenças crônicas não transmissíveis entre servidores da Unicamp. Conexões, v. 10, n. 1, p. 103-120, 2012.




DOI: https://doi.org/10.34119/bjhrv2n4-023

Refbacks

  • There are currently no refbacks.