História de vida das travestis e a saúde / Life history of transvestites and health

Ronei Victor Soares Ferreira, Bruna Eduarda Zdradek de Lima, Erica Gabriele Da Silva Pereira, Andréa Baby Faé, Pâmela Juara Mendes de Oliveira, Neide Tarsila Da Costa Araújo, Francisco Moacir Pinheiro Garcia

Abstract


Introdução: a epidemia da infecção pelo vírus da imunodeficiência humana (hiv), que pode levar a síndrome da imunodeficiência humana adquirida (aids) constitui um fenômeno global, independente de cor, raça e orientação sexual. em relação ao público dos travestis, são vários os fatores que interferem no processo educação em saúde, tais como: discriminação, a baixa escolaridade e renda, no qual estão mais expostos à vulnerabilidade social. objetivo: descrever a história de vida de travestis que realizavam acompanhamento para hiv no serviço de atendimento especializado em infectologia (sae), levantando questões de identidade, vulnerabilidade e preconceito. metodologia: trata-se de uma pesquisa qualitativa com abordagem no método de história oral temático, realizada com três travestis que são assistidos pelo serviço de atendimento especializado em infectologia - (sae) na cidade de sinop-mt no período de setembro de 2012. resultados: os resultados obtidos através dos depoimentos evidenciaram que os travestis por não suportarem o preconceito principalmente por parte dos seus familiares, mudam de cidade em busca da identidade, refúgio do preconceito, independência financeira, porém, a falta de qualificação e a marginalização social os levam para a prostituição sexual como meio encontrado para a sobrevivência. conclusão: faz-se necessário de capacitar os profissionais de saúde para lidar com a sexualidade dos travestis, e essa capacitação precisa ser pensado desde a formação com vistas saber lidar com suas próprias emoções, preconceitos e valores, que são fatores importantes para não julgar o cliente de forma negativa, de modo a oferecer um atendimento eficiente.

 


Keywords


Educação em saúde. Travesti. HIV.

References


BRASIL. Ministério da Saúde. Secretária de Políticas de Saúde. Coordenação Nacional de DST/ AIDS. Guia de Prevenção das DST/Aids e cidadania para Homossexuais/ Secretária de Políticas de Saúde, Coordenação Nacional de DST e Aids. Brasília. Ministério da Saúde, 2002.

BRASIL. Ministério da Saúde. Departamento de IST, Aids e Hepatites Virais Secretaria de Vigilância em Saúde Ministério da Saúde. Protocolo Clínico e Diretrizes Terapêutica (PCDT): atenção integral às pessoas com infecções sexualmente transmissíveis (IST). Abril 2015 121p. Disponível em: http://conitec.gov.br/images/Consultas/Relatorios/2015/Relatorio_PCDT_IST_CP.pdf

GARCIA, Marcos Roberto Vieira. Alguns aspectos da construção do gênero entre travestis de baixa renda. Psicol. USP[online]. v.20, n.4, p. 597-618; 2009. Disponível em:< http://www.scielo.br/pdf/pusp/v20n4/v20n4a07.pdf>.

ROMANO, Valéria Ferreira. As travestis no Programa Saúde da Família da Lapa. Saúde soc. [online]. v.17, n.2, p. 211-219; 2008. Disponível em:< http://www.scielo.br/scielo.php?pid=S0104-12902008000200019&script=sci_arttext>

SANTOS, Elder.et al. Percepção de Usuários Gays, Lésbicas, Bissexuais e Transgêneros, Transexuais e Travestis do Sistema Único de Saúde. Revista Interamericana de Psicologia. Porto Alegre, v. 44; n. 2; p. 235-245; 2010.

SANTOS, Rodrigo; SANTOS, Ailton. Travestis e as Dificuldades no Cotidiano Escolar. Salvador, Seminário Internacional Enlaçando Sexualidades: direito, relações etnorraciais, educação, trabalho, reprodução, diversidade sexual, comunicação e cultura 2011. Disponível em:< http://nugsexdiadorim.files.wordpress.com/2011/12/travestis-e-as-dificuldades-no-cotidiano-escolar.pdf>.

SOUSA, Patrícia Juliana de; FERREIRA, Luiz Oscar Cardoso; SÁ; Janilson Barros de. Estudo descritivo da homofobia e vulnerabilidade ao HIV/Aids das travestis da Região Metropolitana do Recife, Brasil. Ciência & Saúde Coletiva. v.18; n. 8; p. 2239-2251, 2013.

SUIT, Dafne; PEREIRA, Marcos Emanoel. Vivência de estigma e enfrentamento em pessoas que convivem com o HIV. Psicol. USP [online]. v.19, n.3, p. 317-340; 2008. Disponível em< http://www.scielo.br/scielo.php?pid=S0103-65642008000300004&script=sci_abstract&tlng=pt


Refbacks

  • There are currently no refbacks.