Análise de um triênio dos casos de tracoma em escolares residentes do município de Moreno / Analysis of a triangle of tracoma cases in resident schools of Moreno municipality

Talyta Martins Reis, Yasmim Talita de Moraes Ramos, Yasmin Raisa Melo da Silva, Rafaela Almeida Silva, Maria Rafaela Amorim de Araújo, Weinar Maria de Araújo, Isabô Ângelo Beserra, Ana Darca Ramos da Cunha, Maria Beatriz Araújo Silva

Abstract


OBJETIVO: Descrever o perfil clinico e epidemiológico do tracoma em escolares no município de Moreno no período de 2010 a 2012. METODOLOGIA: Trata-se de um estudo transversal, observacional com caráter descritivo. Realizado no período de 2010 a 2012 no município de Moreno. Foram utilizados os dados secundários inseridos na ficha 1 do inquérito/ busca ativa do tracoma. A análise dos dados foi realizada pelo programa Stata 12.0. O estudo foi aprovado pelo comitê de ética em pesquisa com número de CAAE 56813815.0.0000.5207. RESULTADOS: Foram realizados 6.720 exames, destes 3.530 (52,53%) eram do sexo masculino e 3.190 (47,47%) do sexo feminino. Considerando o período estudado observou-se que predominou o sexo feminino (59,5%), a faixa etária mais atingida de 5 a 9 anos com (50,4%), forma clínica mais encontrada foi o tracoma folicular- TF (98,5%), a escolaridade foi o 4º ano (21,2%), a zona com maior número de casos foi a urbana (87,9%), olho acometido ambos (71,2%), tratamento realizado (83,3%). Os resultados encontrados neste estudo corroboram com a literatura acadêmica. É relevante o achado que a maioria dos positivos estarem na zona urbana, o que caracteriza a urbanização da doença. CONCLUSÃO: O presente estudo demonstra que o tracoma continua a ser uma doença negligenciada estando ainda como um dos importantes problemas de saúde pública. Os dados encontrados concluem que o município de Moreno vem sendo atingido de forma elevada pela doença, uma vez que durante o período estudado verificou-se 121 casos positivos para a doença. É essencial a adoção de práticas de vigilância e controle da doença que ampliem o conhecimento da situação epidemiológica, com identificação de áreas prioritárias para promoção de maior acesso ao diagnostico, ao tratamento e as ações educativas para a prevenção da doença. A utilização do Geoprocessamento em saúde foi de fundamental importância para mapear e produzir um diagnóstico do Perfil clínico e epidemiológico do tracoma no município.

 

 


Keywords


Tracoma, Doenças Negligenciadas, Epidemiologia, Mapeamento Geográfico.

References


Aguiar MP, Mahlke JD. Tracoma: estudo epidemiológico de escolas no Município de Boa Vista- Roraima. Caderno de Ciências Biológicas e da Saúde 2013;(2):100-112.

Carvalho RM. Detecção molecular de Chlamydia trachomatis em escolares da rede pública do estado do Pará com diagnóstico clínico de tracoma [dissertação]. Belém: Universidade Federal do Pará; 2012.

Dantas APC. Tracoma: aspectos epidemiológicos no brasil, 2009-2010 e perspectivas de controle [tese]. Brasília: Fundação Oswaldo Cruz; 2013.

Lopes MFC, Luna EJA, Medina NH, Cardoso MRA, Freitas HSA, Koizume IZ et al. Prevalência de tracoma entre escolares brasileiros. Revista de Saúde Pública 2013 set;47(3):451-9.

Pinto ICS. “Fatores epidemiológicos associados à prevalência do tracoma no Estado do Amapá” [dissertação]. Belém: Fundação Oswaldo Cruz- Fiocruz; 2011.

Meneghim RLFS, Padovani CR, Schellini SA. O tracoma em escolares do município de Botucatu, São Paulo, Brasil: detecção e promoção de saúde em uma doença negligenciada. Rev Bras Oftalmol. 2016 jul.;5(75):360-4.

Noatina BN, Kegmeni G, Souleymanou Y, Moungui HC, Hien AT, Akami J et al. Prevalence of Trachoma in the North Region of Cameroon: Results of a Survey in 15 Health Districts. Plos Neglected Tropical Diseases 2014 jun. 12;28(6):e2932.

Brasil. MS. Plano Integrado de Ações Estratégicas De Eliminação da Hanseníase, Filariose, Esquistossomose e Oncocercose como problema de Saúde Pública, tracoma como causa de cegueira e controle das Geohelmintíases: plano de ação 2011-2015. 1. ed. Brasília; 2012.

Pernambuco. SES (Secretaria Estadual de Saúde). Tracoma. Cadernos de Monitoramento - Programa Sanar. Recife; 2013.

Brasil. MS (Ministério da Saúde). Conselho Nacional de Saúde. Comissão Nacional de Ética em Pesquisa. Resolução n o 466/12: diretrizes e normas regulamentadoras de pesquisas envolvendo seres humanos. Brasília; 2012.

Machado MO, Fraga DS, Floriano JF, Menezes ME, Traebert J. Prevalência de infecção por Chlamydia tracomatis em amostras oculares de pacientes com conjuntivite em laboratório de genética e biologia molecular na região metropolitana de Florianópolis. Rev Bras Oftalmol. 2009 jul.;4(68):206-11.

Jesus HS, Lobo AP, Bordalo FS, Villar GB, Oliveira JCG, Dias JÁ et al.. Inquérito domiciliar de prevalência de tracoma em crianças do Distrito Federal, Brasil, julho/2010. Caderno de Saúde Coletiva 2010 jul.;21(3):318-24.

Silva EJ, Oliveira LAV, Fernandes DRF, Cruz CSS, Oliveira LC. TRACOMA: uma antiga patologia ainda negligenciada na atualidade. Revista da Universidade Vale do Rio Verde 2015 jul. 15;13(1):330-40.

Caninéo PA, Nishimura S, Medina NH, Koizume IZ, Cardoso NMA. Inquérito epidemiológico de tracoma em escolares no município de Embu das Artes. Arquivo Brasileiro Oftalmologia, 2012 jun.;75(4):264-6.

Mörschbächer R, Medina NH, Luna EJA. Estudo epidemiológico de tracoma. Arquivo Brasileiro Oftalmologia 2011;74(3):227-9.

Schellini AS, Sousa RL. Tracoma uma importante causa de cegueira. Revista Brasileira de Oftalmologia 2012 jun.;71(3):199-204.

Bezerra HL, Santos GIV. Tracoma em pacientes com conjuntivite alérgica. Arquivo Brasileiro Oftalmologia 2010 jul.;73(3):235-9.

Brasil. MS. Manual de Vigilância do Tracoma e sua Eliminação como Causa de Cegueira. Secretaria de Vigilância em Saúde, Departamento de Vigilância das Doenças Transmissíveis. 2. ed. Brasília; 2014.

Brasil. MS. Manual de vigilância do tracoma e sua eliminação como causa de cegueira. 2. ed. Brasília; 2014.


Refbacks

  • There are currently no refbacks.