Reintegração no contexto do Acolhimento Familiar: um estudo de caso. / Reintegration in the context of Family Housing: a case study.

Rachel Fontes Baptista, Lindomar Darós, Maria Helena Zamora

Abstract


O acolhimento familiar no Brasil remete a um ambiente familiar voluntariamente disponível para receber crianças afastadas de seu núcleo de pertencimento por diferentes motivos. O presente artigo pretende problematizar este recurso como estratégia para algumas crianças e entender porque a reunificação e reintegração familiar têm sido um desafio para os profissionais. Para tanto, foi realizada investigaçãoem parceria com técnicos de um Serviço de Família Acolhedora no Rio de janeiro. A metodologia da análise de conteúdo proposta por Bardin subsidiou o estudo juntamente coma história de Laura cuja apresentação ilustrou a discussão dos resultados encontrados. O tempo surgiu como a categoria mais importante no processo de retorno da menina. Foi observado que ele pode ser curto ou longo demais para os bons resultados do trabalho. Dessa forma, a investigação aponta para a necessidade de reflexão sobre o processo de reintegração familiar de forma singular e longitudinal.

 


Keywords


Acolhimento familiar; tempo; reunificação; reintegração.

References


ADRIANO, J. R. (Org.). Orientações para pactuação da regionalização dos serviços de média e alta complexidade nas comissões intergestoresbipartite – CIB. Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome. Brasília: MDS, 2014.

AMORÓS, P.; PALACIOS, J, Acogimiento Familiar. Madrid: Alianza, 2004.

ASSIS, S. G. de; FARIAS, L. O. P. (Orgs.). Levantamento nacional das crianças e adolescentes em serviço de acolhimento.São Paulo: Hucitec, 2013.

ATWOOL, N. Birth Family Contact for Children in Care: How Much? How Often? Who Wich? Child Care in Practice, vol.19, n. 2, p. 181-198, 2013.

BAPTISTA, R. F. Acolhimento familiar, experiência brasileira: reflexões com foco no Rio de Janeiro.Dissertação de mestrado, Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2006.

BAPTISTA, R. F.; ZAMORA, M. H. É possível profissionalizar as famílias acolhedoras no Brasil? Polêmica. Disponível em: . Acesso em: novembro de 2017.

BAPTISTA, R. F.et. al. Família Acolhedora, uma proposta protetiva. Dignidade Re-Vista, 2016. Disponível em: . Acesso em: agosto de 2017.

BAPTISTA, R.F. et. al. Família Acolhedora, uma proposta brasileira de proteção a crianças e adolescentes. In Gaspar & Santos (Coord.) Acolhimento Juvenil no Mundo. Respostas sociais e estratégias terapêuticas fundadas na cultura. Lisboa: Ed. Sítio do Livro, 2017.

BARDIN, L. Análise de conteúdo. São Paulo, SP: Edições 70, 2011.

BIEHAL, N. et. al. Belonging and permanence. Out-comes in long-term foster care and adoption. London: BAAF, 2010.

BIEHAL, N. Reuniting Looked after Children with Their Families. A Review. London: National Children’s Bureau, 2006.

BOWLBY, J. Formação e rompimento dos laços afetivos.São Paulo: Martins Fontes, 1997.

______. Uma base segura: Aplicações clínicas da teoria do apego. Porto Alegre: Artes Médicas, 1989.

BRASIL. Censo SUAS 2014 – Resultados Nacionais, Secretarias Municipais de Assistência Social, Gestão Municipal.Brasília, Coordenação Geral de Vigilância Socioassistencial. Secretaria Nacional de Assistência Social. Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome, 2015.

______. Lei nº 12.010 de 3 de agosto de 2009.Dispõe sobre adoção; altera as Leis nos 8.069, de 13 de julho de 1990 - Estatuto da Criança e do Adolescente, 8.560, de 29 de dezembro de 1992; revoga dispositivos da Lei no 10.406, de 10 de janeiro de 2002 - Código Civil, e da Consolidação das Leis do Trabalho - CLT, aprovada pelo Decreto-Lei no 5.452, de 1o de maio de 1943; e dá outras providências; Presidência da República. Casa Civil. Subchefia para Assuntos Jurídicos.

______. Lei nº 8069 de 13 de julho de 1990.Estatuto da Criança e do Adolescente. 2014. Disponível em: . Acesso em: setembro de 2017.

______. Lei nº 13.257 de 8 de março de 2016. Dispõe sobre as políticas públicas para a primeira infância e altera a Lei no 8.069, de 13 de julho de 1990 (Estatuto da Criança e do Adolescente), o Decreto-Lei no 3.689, de 3 de outubro de 1941 (Código de Processo Penal), a Consolidação das Leis do Trabalho (CLT), aprovada pelo Decreto-Lei no 5.452, de 1o de maio de 1943, a Lei no 11.770, de 9 de setembro de 2008, e a Lei no 12.662, de 5 de junho de 2012, 2016. Disponível em: . Acesso em: setembro de 2017.

______. Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome. Política Nacional de Assistência Social [PNAS]. Brasília, DF: Secretaria Nacional de Assistência Social. 2004.

BRITO, C. O. de et. al.. O processo de reinserção familiar sob a ótica das equipes técnicas das instituições de acolhimento. Temas psicol., Ribeirão Preto, v. 22, n. 2, p. 401-413, dez. 2014. Disponível em: 12&lng=pt&nrm=iso. Acesso em: outubro de 2017.

MÓDULOA CRIANÇA E ADOLESCENTE [MCA] Censo estadual. Distribuição da População Infantojuvenil acolhida no estado do Rio de Janeiro, 2016. Disponível em: . Acesso em: julho de 2017.

CALHEIROS, M. A vinculação e o acolhimento familiar. In: Delgado, Paulo (Coord.). Acolhimento familiar de crianças: pelo direito de crescer numa família. Tradução de Luís Costa. Ed. Mundos de Vida, 2016.

CANTWELL, N. et. al. Avanzando en la implementación de las “Directrices sobre las modalidades alternativas de cuidado de los niños” Reino Unido: Centre forExcellenceforLookedAfterChildren in Scotland, 2012.

CAVALCANTE, L. I. C. et. al. Institucionalização e reinserção familiar de crianças e adolescentes. Revista Mal-Estar e Subjetividade, vol.10, n. 4. Fortaleza, 2010. Disponível em: . Acesso em: fevereiro de 2015.

CONSELHO NACIONAL DE ASSISTÊNCIA SOCIAL [CNAS]; CONSELHO NACIONAL DOS DIREITOS DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE [CONANDA]; SECRETÁRIA ESPECIAL DE DIREITOS HUMANOS [SEDH]. Plano Nacional de Convivência Familiar e Comunitária.Brasília: CNAS/CONANDA/SEDH, 2006.

CONSELHO NACIONAL DE ASSISTÊNCIA SOCIAL [CNAS]. Resolução CNASnº. 109, de 11/11/2009: Tipificação Nacional dos Serviços Socioassistenciais. Brasília: CNAS, 2009.

CONSELHO NACIONAL DE DIREITOS DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE. Resolução nº 113, de 19/ 04. Brasília, 2006. Disponível em: . Acesso em: maio de 2016.

CONSELHO NACIONAL DOS DIREITOS DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE [CONANDA] & CONSELHO NACIONAL DE ASSISTÊNCIA SOCIAL [CNAS]. Orientações técnicas: Serviços de acolhimento para crianças e adolescentes. Brasília-DF, 2009.

CONSELHO NACIONAL DO MINISTÉRIO PÚBLICO. Resolução nº 71 de 15 de junho de 2011. DiárioOficial da União, Seção 1 de 07/07/2011, págs. 67-68.

COURTNEY, M. E. Reentry to foster care of children returned to their families. Social Service Review, vol. 69, n. 2, p. 226-241, 1995. Disponível em: .Acessoem: julho de 2017.

CSÁKY, C. The importance of adequate care for children and society. Family for Every Child. Why Care Matters, 2014.

DELAP, E.; WEDGE, J. Inter- Agency Group on Children’s Reintegration [IAGCR]. Guidelines on Children Reintegration [GCR].Foundation, 2016. Disponívelem: .Acesso em: maio de 2017.

DELGADO, P. (Coord.). Acolhimento familiar de crianças: Evidências do presente, desafios para o futuro. Porto, Portugal: Mais leituras, 2013.

_______. (Coord.). Acolhimento familiar de crianças: pelo direito de crescer numa família. Ed. Mundos de Vida, 2016a.

______. A reforma do acolhimento familiar de crianças: conteúdo, alcance e fins do novo regime jurídico. Análise Social, vol. 45, n. 196, p. 555-580, 2010b.

______. O Acolhimento Familiar em Portugal. Conceitos, práticas e desafios. Psicologia & Sociedade, vol.22, n. 2, p. 336-344, el2010a. Disponível em: . Acesso em: dezembro de 2015.

______. (Coord.). O Contacto no Acolhimento Familiar. O que pensam as crianças, as famílias e os profissionais. Ed. Mais Leituras chancela da Legis Editora. 2016b.

DELGADO, P.; CARVALHO, J. Padrões e processos em acolhimento familiar. In: Delgado, P. (Coord.). Acolhimento familiar de crianças: Evidências do presente, desafios para o futuro.Porto: Legis editora, 2013.

DELGADO, P. et. al. Crescer em família: a permanência no acolhimento familiar. Pedagogía Social.Revista Interuniversitária, Sevilla, España,n. 23, p. 123-150, enero-junio, 2014. Disponível em: . Acesso em: dezembro de 2016.

DELGADO, P. et. al. Acolhimento Familiar em Portugal e Espanha: Uma Investigação Comparada sobre a Satisfação dos Acolhedores, Psicologia: Reflexão e Critica, Porto Alegre, vol. 28, n. 4, p. 840-849, dezembro, 2015. Disponível em: . Acesso em: dezembro de 2015.

DELL VALLE. et. al. LeavingCare Services. Transitions to adulthood from Kinship Care. Children and Youth Services Review, vol. 33, n. 12, p. 2475-2481, 2011.

DIAS, E. O. A teoria do amadurecimento de D.W.Winnicott. São Paulo: DWW Editorial. FIGUEIREDO, L. C. (2007). A metapsicologia do cuidado. In: Psychê, vol.11, n. 21, 2014. Disponível em: . Acesso em: outubro de 2014.

DOLTO, F.; HAMAD, N. Destinos de crianças: adoção, famílias de acolhimento, trabalho social. Tradução de Eduardo Brandão, revisão técnica Claudia Berliner, São Paulo: Martins Fontes, 1998.

DUCHARNE, M. B. O contato com a família de origem. In: Delgado, Paulo (Coord.). Acolhimento familiar de crianças: pelo direito de crescer numa família. Tradução de Luís Costa. Ed. Mundos de Vida, 2016.

EUROCHILD. Children in alternativecare – Nationalsurveys. Bruxelas: Eurochild, 2010.

FEDERAL DEMOCRATIC REPUBLIC OF ETHIOPIA [FDRE]. Ministry of Women’s Affairs. AlternativeChildcareGuidelines [ACG]. Addis Ababa, June, 2009. Disponível em: . Acesso em: maio de 2017.

FESTINGER, T. Going home and returning to foster care. Children and Youth Services Review, vol. 18, n. 4/5, p. 383-402, 1996.

FIGUEIREDO, L. C. A. metapsicologia do cuidado. Psychê. vol. 11, n. 21, 2007. Disponível em: . Acesso em: outubro de 2015.

GALINDO, D. et. al. Como se forja o menor: tramas da atenção psicossocial e da proteção social. Barbarói, Santa Cruz do Sul, n. 41, p. 56-81, julho-dezembro, 2014.

GERSÃO, E. Antecedentes históricos e evolução do quadro legal. In: Paulo. Delgado (Coord.). Acolhimento familiar de crianças: pelo direito de crescer numa família. Lousado: Mundos de Vida, 2015.

GULASSA, M. L. C. R. Novos rumos do acolhimento institucional. São Paulo: NECA- Associação dos Pesquisadores de Núcleos de Estudos e Pesquisas sobre a Criança e o Adolescente, 2010.

IANELLI, A. M. et.al. Reintegração familiar de crianças e adolescentes em acolhimento institucional em municípios brasileiros de diferentes portes populacionais. Ciência & Saúde Coletiva, vol. 20, n. 1, p. 39-48, 2015. Disponível em: Acesso em: junho de 2015.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATISTICA [IBGE]. Disoponível em: . Acesso em: junho de 2015.

LEMOS, F. C. S. Inquietações a respeito das práticas de conselheiros tutelares: proteção e controle. In: Benedito Rodrigues dos Santos; Rodrigo de Souza Filho; Maria Lúcia Duriguetto. (Org.). Conselhos tutelares: desafios teóricos e práticos da garantia de direitos da criança e do adolescente. 1ª ed. Juiz de Fora: UFJF, vol. I, p. 75-85, 2011.

LÓPEZ, M. L.; DEL V. J. F.; ARTEAGA, A.B. Estrategias para lacaptación de familiasacogedoras. Papeles del Psicólogo, vol. 31, n. 3, p. 289-295. 2010.

LÓPEZ, M. et. al.Factors Affecting Foster Care Breakdown in Spain. The Spanish Journal of Psychology, vol. 14, n. 1, p. 111-122, 2011.

LÓPEZ, M. et. al. Acogimiento familiar en España y Portugal, una investigación comparativa. UniversitasPsychologica, vol. 13, n. 3, p. 15-30, 2014.

LOURAU, R. Análise Institucional e Práticas de Pesquisa. Universidade do Estado do Rio de Janeiro [UERJ], 1993.

LUNA, M. (Coord.).Informe Latinoamericano. Situación de la niñez sin cuidado parental o en riesgo de perderlo en América latina. Contextos, causas y respuestas. Ciudad Autónoma de Buenos Aires, Argentina, 2010.

MINAYO, Maria Cecília de Souza. Violência e Educação: impactos e tendências. Revista Pedagógica, Chapecó, vol.15, n. 3, p. 249-264, julho-dezembro, 2013.

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO SOCIAL E COMBATE À FOME [MDS] & CONSELHO NACIONAL DE ASSISTÊNCIA SOCIAL [CNAS]. Política Nacional de Assistência Social. Brasília- MDS/CNAS, 2004.

MORAES, P. J. F. de S., & PENSO, M. A. Reintegração familiar e múltiplos acolhimentos institucionais. Revista Latinoamericana de Ciencias Sociales, Niñez y Juventud, vol. 14, julio-diciembre, 2016.Disponível em:. Acesso em: fevereiro de 2017.

NASCIMENTO, M. L. et.al. Desqualificação da família pobre como prática de criminalização da pobreza. Revista Psicologia Política, vol. 7, n. 14, 2007. Disponível em: . Acesso em: junho de 2017.

RELAF & UNICEF. Planificando la Desinstitucionalización de niñas e niños menores de 3 anos. Guía de aportes para la experiencia de las instituciones de cuidado residencial. Buenos Aires, septiembre, 2013.

RETRAK. Standard Operating Procedures. Family Reintegration, 2013.

RODRIGUES, H. de B. C. Análise institucional francesa e transformação social: o tempo (e contratempo) das intervenções. In: Sônia Altoe e Rodrigues, Heliana de Barros Conde (Orgs.). Saúde Loucura 8: Análise Institucional. São Paulo: Hucitec, 2004.

______. Sejamos realistas, tentemos o impossível. Desencaminhando a psicologia através da Análise Institucional. In: Ana Maria Jacó-Vilela, Arthur Arruda Leal Ferreira, Francisco Teixeira Portugal (Orgs.). História a Psicologia: rumos e percursos. Rio de Janeiro: Nau, 2005.

ROSSETTI-FERREIRA, M. C. et al. Acolhimento de crianças e adolescentes em situações de abandono, violência e rupturas. Psicologia: Reflexão e Critica, Porto Alegre, vol. 25, n. 2, p.390-399, 2012. Disponível em: . Acesso em: dezembro de 2015.

SHANTI, G.; OUDENHOVEN, N.V. Apostando al Acogimiento Familiar. UnEstudio Comparativo Internacional. Tradução de Maria Soledad Franco. Amberes/Apeldoorn: EdicionesGarant, 2003.

SILVA, F.L. Como ocorreu a reintegração familiar? Investigando este processo em uma amostra de crianças acolhidas. Dissertação de mestrado. USP, São Paulo, 2012.

SIQUEIRA, A. C. et. al. Processo de reinserção familiar: estudo de casos de adolescentes que viveram em instituição de abrigo. Estudos de Psicologia, vol. 15, n. 1. Universidade Federal do Rio Grande do Sul, 2010. Disponível em: Acesso em: dezembro de 2014.

SIQUEIRA, A. C. et.al. Reinserção familiar de adolescentes: processos malsucedidos. Paidéia, Ribeirão Preto, vol. 21, n. 50, p. 383-391, 2011. Disponível em: .Acessoem: fevereiro de 2017.

UNITED NATIONS [UN]. Draft report of the Working Group on the Universal Periodic Review.Geneva, 2017. Disponível em: . Acesso em: julho de 2017.

VALENTE, J. Família acolhedora: as relações de cuidado e de proteção no serviço de acolhimento. São Paulo: Paulus, 2013.

WEDGE, J; et. al. Reaching for home: Global learning on family reintegration in low and lower –middle income countries.Londres: Family for EveryChild, 2013.

WINNICOTT, D.W. A família e o desenvolvimento individual. Tradução de Marcelo Brandão Cipolla. 4ª ed. São Paulo: Martins Fontes, 2011.

______. O brincar e a realidade. Rio de Janeiro: Imago, 1975.

______. O ambiente e os processos de maturação. Rio Grande do Sul: Artes Médicas,1983

______. Privação e delinquência. São Paulo: Martins Fontes. 1999.

______. Psicoses e cuidados maternos. In: D. W Winnicott. Da Pediatria à Psicanálise. Rio de Janeiro: Imago p. 305-315. 2000.

______. Textos selecionados: da pediatria à psicanálise. Tradução de Jane Russo. Rio de Janeiro. F. Alves, 1978.

______. Tudo começa em casa. Tradução de Paulo Sandler. 3ª ed. São Paulo: Martins Fontes, 1999.


Refbacks

  • There are currently no refbacks.