Perfil epidemiológico da leishmaniose Tegumentar Americana no Estado de Roraima, Amazônia, Brasil, entre 2007 e 2016. / Epidemiological profile of American cutaneous Leishmaniasis in the Stateof Roraima, Amazonia, Brazil, between 2007 and 2016.

Letícia Godinho Pezente, Maria Soledade Garcia Benedetti

Abstract


Este estudo teve como finalidade descrever o perfil epidemiológico da Leishmaniose Tegumentar Americana (LTA) no Estado de Roraima. Métodos: Foi realizado estudo descritivo com informações coletadas no Sistema de Notificação de Agravos (SINAN) do Estado de Roraima, entre 2007 e 2016. Resultados: A maioria das notificações é de homens, em idade produtiva, pardos e migrantes envolvidos em atividades como de desmatamentos e ocupação de áreas como projetos de assentamento. Os municípios de Rorainópolis e Caroebe apresentaram maior número de casos no período. Os dois municípios têm cobertura vegetal de floresta densa com implantação de projetos de assentamentos agrícolas, atividade madeireira intensa e áreas de desmatamento para urbanização recente, enquanto Normandia notificou o menor número de casos. Normandia têm cobertura vegetal de savana, baixa densidade populacional e população predominantemente indígena. Conclusão: A LTA em Roraima apresenta caráter silvestre e sua transmissão acontece principalmente em função do impacto ambiental causado nas áreas de desmatamento.


Keywords


Desmatamento, Epidemiologia, Impacto Ambiental, Leishmaniose Tegumentar Americana, Roraima.

References


BARBOSA, R.I.; BACELAR-LIMA, C.G. Notas sobre a diversidade de plantas e fitofisionomias em Roraima através do Banco de Dados do Herbário INPA. Amazônia: Ci&Desen. 2008; 4(7):131-154.

BARCELLOS, C.; MONTEIRO, A.M.V.; CORVALÁN, et al. Mudanças climáticas e ambientais e as doenças infecciosas: cenários e incertezas para o Brasil. 2009. Epidemiol. Serv. Saúde, 18(3):285-304.

BARNI, P.E.; FEARNSIDE, P.M.; GRAÇA.P.M.L.A. Desmatamento no sul do Estado de Roraima: padrões de distribuição em função de Projetos de Assentamentos do INCRA e da distância das principais rodovias. (BR-174 e BR-210). Acta Amazônica. 2012. 42(2):195-204.

BRASIL. Ministério da Saúde. Portaria No 1.943, de 18 de outubro de 2001.

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Departamento de Vigilância Epidemiológica. Atlas de Leishmaniose Americana:Diagnóstico clínico e diferencial.Brasília: Editora do Ministério da Saúde, 2006, 136p.

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Departamento de Vigilância Epidemiológica. Manual de Vigilância da Leishmaniose Tegumentar Americana. Brasília: Editora do Ministério da Saúde, 2017, 189p.

CASTELLÓN, E.G.; ARAÚJO FILHO, N.A.; FÉ, N.F.; ALVES, J.M.C. Flebotomíneos (Diptera: Psychodidae) no estado de Roraima, Brasil. I. espécies coletadas nas regiões Sul e Central. Mem. Inst. Oswaldo Cruz. 1989; 84(IV): 95-99.

CASTRO, E.A., et al. Estudo das características epidemiológicas e clínicas de 332 casos da leishmaniose tegumentar notificados na região norte do Estado do Paraná de 1993 a 1998. Revista da Sociedade Brasileira de Medicina Tropical 35(5):44-251,set-out, 2002.

GLAUCO N.N. Considerações sobre a Leishmaniose Tegumentar Americana e sua expansão no território brasileiro. Revista Nemo. Maringá, v. 6, n. 1 , p. 147- 168, 2014.

LAINSON R. Epidemiologia e ecologia de leishmaniose tegumentar na Amazônia. HiléiaMéd (Belém), 3: 35-40,1981.

NEVES, D.; MELO, A.; LINARDI, P.; VITOR, R. Parasitologia Humana. 11 ed. São Paulo. Atheneu, 2005. 47p.

OLIART-GUZMÁN, H.; MARTINS, A.C.; MANTOVANI, A.S.A et al. Características Epidemiológicas de leishmanioses tegumentar americana na fronteira amazônica: Estudo retrospectivo em Assis Brasil, Acre. 2013. RevPatolTrop 42(2): 187-200.

SOUZA, A.A.A.S.; PINHEIRO,M.S;B.; SILVEIRA, F.T. et al. Fauna Flebotomínica da Serra dos Carajás, Estado do Pará, Brasil, e sua possível implicação na transmissão da leishmaniose tegumentar americana. Ver Pan-AmazSaude. 2010; 1(1):45-51.

RORAIMA. Portaria Estadual N°131 de 1999. Diário Oficial do estado de Roraima de 19 de maio de 1999.


Refbacks

  • There are currently no refbacks.