A importância de adaptar as unidades básicas de saúde para o atendimento de urgências e emergências de menor complexidade / The importance of adapting as basic health units for care of emergencies and emergencies of lower complexity

Maria Vitória Laurindo, Louise Maria Lopes Ribeiro, Paloma Sabino Lima, Elaine Cristina Bezerra Bastos, Antônio Neudimar Bastos Costa, Fábio Frota de Vasconcelos, Renan Rhonalty Rocha

Abstract


Introdução:As Unidades Básicas de Saúde compreende um conjunto de ações de caráter individual e coletivo. Entre as suas atribuições destaca-se a necessidade de ficar em alerta para complicações clínicas, as quais demandam ações de caráter emergencial ou de urgência. Logo, a situação de emergência no âmbito da atenção à saúde pode ser compreendida como a ocorrência imprevista, que proporciona agravo à saúde com ou sem risco potencial de morte, assim o usuário necessita de assistência à saúde imediata, em virtude da sua importância para a cura, reabilitação ou morte do paciente. Objetivos: Delinear os estudos que abordem o atendimento de urgência e emergência na unidade básica de saúde e avaliar a importância de adaptar as mesmas para o atendimento de urgências e emergências de menor complexidade. Metodologia: Trata-se de uma revisão integrativa, exploratória e qualitativa com ênfase a responder a questão da pesquisa “Qual a contribuição dos estudos desenvolvidos em âmbito nacional e internacional, sobre a importância de adaptar as unidades básicas de saúde para o atendimento de urgências e emergências de menor complexidade?”. As bases de dados da coleta foram periódicos publicados na Biblioteca Virtual em Saúde - BVS nos últimos 5 anos. Foi utilizando os descritores “Urgência” “Atenção Primária á Saúde” “Emergência” e, sendo usado o seguinte cruzamento “Situação de Urgência AND Atenção Primária á Saúde AND Emergências”, a partir de palavras dispostas nos Descritores em Saúde (DECS). Resultados: No referido cruzamento, foram encontrados 572 artigos científicos, sendo incluídos neste estudo apenas 14 por se encaixarem nos critérios de inclusão. Dos 14 artigos analisados, todos são categóricos e autênticos, onde constatam-seartigos que foram publicados em periódicos nacionais e internacionais. Os países de origem dos estudos estavam distribuídos da seguinte forma: Brasil sete (7)- (50 %) e Noruega, Nova York,Suécia, Estados Unidos, Holanda, País de Gales, África do Sul e Canadá,somando outros sete (7) - (50 %) dos estudos.Conclusão:Através desta revisão, é possível entender que, o atendimento na atenção primária á saúde em relação às urgências e emergências dependem de vários fatores, que englobam a rede de atenção às urgências devendo fluir em todos os níveis do SUS. Junto a isso, a capacitação dos profissionais e a adequação do espaço físico nas unidades básica de saúde são fundamentais para atenção e agilidade nos atendimentos aos casos graves.

 

 


Keywords


Assistência á Saúde.Atenção Primária à Saúde.Emergência.

References


ADENIJI, A. A.; MASH, B. Patients' Perceptions of the Triage System in a Primary Healthcare Facility, Cape Town, South Africa. Afr J Prim Health Care Fam Med. Cidade do Cabo v. 8, n. 1, p. 1-9, 2016.

AUSTREGÉSILO, S. C.; LEAL, M. C. C.; FIGUEIREDO, N.; GÓES, P. S. A. A interface entre a atenção Primária e os Serviços odontológicos de Urgência (SoU) no SUS:a interface entre níveis de atenção em saúde bucal.Ciência & Saúde Coletiva. Pernambuco, v. 20, n. 10, p. 3111-3120, 2015.

BARATIERI, T.; ALMEIDA, K. P.; LENTSCK, M. H.; NATAL, S. Percepções de usuários atendidos em um Pronto Atendimento: olhar sobre a Atenção Primária à Saúde. Revista de Saúde Pública do Paraná. Londrina, v. 18, n. 1, p. 54-63, 2017.

BRANDSTORPA, H.; HALVORSENB, P. A.; STERUDC, B.; HAUGLANDD, B.; KIRKENGENB, A. L. Primary care emergency team training in situ means learning in real context. SCANDINAVIAN JOURNAL OF PRIMARY HEALTH CARE.Norway, v. 34, n. 3, p. 295-303, 2016.

CARTER, R.; RIVERIN, B.; LEVESQUE, J. F.; GARIEPY, G.; AMÉLIE, Q. V. The impact of primary care reform on health system performance in Canada: a systematic review. BMC Health Services Research. Canada, v. 16, n. 324, p. 2-11, 2016.

CAMERRO, A.; ALVES, E. C.; CAMERRO, N. M. M. S.; LILIAN DONIZETE PIMENTA NOGUEIRA, L. D. P. Perfil do atendimento de serviços de urgência e emergência. Revista Fafibe On-Line. São Paulo, v. 8, n. 1, p. 515-524, 2015.

CAMPOS, R. T. O.; FERRER, A. L. GAMA, C. A. P.; CAMPOS, G. W. S.; TRAPÉ, T. L.; DANTAS, D. V. Avaliação da qualidade do acessona atenção primária de uma grande cidadebrasileira na perspectiva dos usuários. Saúde Debate. Rio de Janeiro, v. 38, n. especial, p. 252-264, 2014.

CASSETTARI, S. S. R.; MELLO, A. L. S. F. DEMANDA E TIPO DE ATENDIMENTO REALIZADO EM UNIDADES DE PRONTO ATENDIMENTO DO MUNICÍPIO DE Florianópolis, Brasil. Texto & Contexto - Enfermagem. Santa Catarina, v. 26, n. 1, p 1-9, 2017.

COFEN. Conselho Federal de Enfermagem.RESOLUÇÃO COFEN Nº 423/2012. Brasília: CONFEN, 2012.

COSTA, G. C. ORGANIZAÇÃO DO ATENDIMENTO Á DEMANDA ESPONTÂNEA DA EQUIPE AMETISTA DO CENTRO DE SAÚDE ANDRADAS EM BELO HORINZONTE. Minas Gerais: Universidade Federal de Minas Gerais, 2014.Originalmente apresentada como dissertação aoCurso de Especialização em Atenção Básica em Saúde da Família, UFMG, 2014. 32 p.

FARIAS, D. C.; CELINO, S. D. M.; PEIXOTO, J. B. S.; BARBOSA. M. L.; COSTA, G. M. C. Acolhimento e Resolubilidade das Urgências na Estratégia Saúde da Família. Revista Brasileira de Educação Médica. Paraíba, v. 39, n. 1, p. 79-87, 2015.

GARCIA, V .M.; REIS, R. K. Perfil de usuários atendidos em uma unidade não hospitalar de urgência. Revista Brasileira de Enfermagem. São Paulo, v. 67, n. 2, p. 261-267, 2014.

GIL, Antônio Carlos. Métodos e Técnicas de Pesquisa Social. 6. ed. São Paulo: Atlas, 2008. 197 p.

GOMIDE, M.F.S.; PINTO, I.C.; Bulgarelli, A.F.; SANTOS, A. L. P.; Gallardo, M. P. S. A satisfação do usuário com a atenção primária à saúde: uma análise do acesso e acolhimento. Interface – Comunicação, Saúde, Educação. São Paulo,v. 22, n. 65, p. 387-398, 2018.

HERMIDA, P. M. V.; NASCIMENTO, E. R.P.; BELAVER, G. M.; DANCZUK, R. F. T.; ALVES, D. L. F.; JUNG. W. PERCEPÇÃO DE EQUIPES DE SAÚDE DA FAMÍLIA SOBRE A ATENÇÃO BÁSICA NA REDE DE URGÊNCIA. Revista de Enfermagem UFPE. Recife, v. 10, n. 4, p. 1170-1178, 2016.

KINGSTON, M. R., et al. Costs, effects and implementation of routine data emergency admission risk prediction models in primary care for patients with, or at risk of, chronic conditions: a systematic review protocol. BMJ Open.Swansea, v. 6, n. 3, p. 1-4, 2016.

MELO, Maria do Carmo Barros de; SILVA, Nara Lúcia Carvalho da. Urgência e Emergência na Atenção Primária à Saúde. 1. ed. Belo Horizonte: Nescon/UFMG, 2011. 132 p.

MELNYK, Bernadette.; OVERHOLT, Ellen Fineout.Evidence-based practice in nursing & healthcare: a guide to best practice. 2ª ed. Philadelphia: Lippincott Williams & Wilkins, 2010.656 p.

MENDES, E. V. AS REDES DE ATENÇÃO Á SAÚDE.2 ed. Brasília: Organização Pan-Americana da Saúde, 2011. 549 p.

MINISTÉRIO DA SAÚDE. Gabinete do Ministro. PORTARIA Nº 1.600, DE 7 DE JULHO DE 2011. Brasília:MINISTÉRIO DA SAÚDE, 2011.

MINISTÉRIO DA SAÚDE. Caderno de Atenção Básica. Acolhimento á demanda espontânea. 1 ed. Brasília: MINISTÉRIO DA SAÚDE, 2013.

MINISTÉRIO DA SAÚDE. Gabinete do Ministro. PORTARIA Nº 2.436, DE 21 DE SETEMBRO DE 2017. Brasília:MINISTÉRIO DA SAÚDE, 2017.

NOBREGA, M. D.; BEZERRA, D. L. A.; SOUZA, A. N. M. Conhecimentos, Atitudes e Práticas em Urgência e Emergência na Atenção Primaria à Saúde. Revista Eletrônica da Fainor. Bahia, v. 8, n. 2, p. 141-157, 2015.

NORBERG, G.; SUNDSTROM, B. W.; CHRISTENSSONB, L.; NYSTROM, M.; HERLITZA, J. Swedish emergency medical services’ identification of potential candidates for primary healthcare: Retrospective patient record study. SCANDINAVIAN JOURNAL OF PRIMARY HEALTH CARE.Sweden,v. 33, n. 4, p. 311-317, 2015.

OLIVEIRA, T. A.; MESQUITA, G. V. Atendimento de urgência e emergência na Estratégia Saúde da Família. Revista Interdisciplinar. Teresina, v. 6, n. 2, p. 128-136, 2013.

OLIVEIRA, M.; TRINDADE, M, F. ATENDIMENTO DE URGÊNCIA E EMERGÊNCIA NA REDE DE ATENÇÃOBÁSICA DE SAÚDE: ANÁLISE DO PAPEL DO ENFERMEIRO E O PROCESSO DEACOLHIMENTO. Revista Hórus. Londrina, v. 5, n. 2, p. 160-171, 2010.

PÍCOLI, R. P.; CAZOLA, L. H. O.; MAURER, N. M. J. S. USUÁRIOS DE CLASSIFICAÇÃO DE RISCO AZUL EM UMA UNIDADE DE PRONTO ATENDIMENTO. CogitareEnfermagem. MatoGrossodoSul,v. 21, n. 4, p. 1-7, 2016.

RECH, R. S.; HUGO, F. N.; GIORDANI, J. M. A.; PASSERO, L. G.; HILGERT, J. B. Contextual and individual factors associated with dissatisfaction with public emergency health services in Brazil, 2011-2012. Cadernos de Saúde Pública. Rio Grande do Sul, v. 34, n. 1, p. 1-11, 2018.

RÊGO, A. S.; RISSARDO, L. K.; SCOLARI, G. A. S.; SANCHES, R. C. N.; CARREIRA, L.; RADOVANOVIC, C, A, T. Fatores associados ao atendimento a idosos por condições sensíveis à Atenção Primária à Saúde. Revista Brasileira de Geriatria e Gerontologia. Rio de Janeiro, v. 20, n. 6, p. 778-789, 2017.

SGUARIO, R.; PAINI, J. O Enfretamento do Enfermeiro da Estratégia Saúde da Família na Urgência e Emergência.Santa Catarina:Faculdade de Educação Superior de Chapecó - FACESC, 2017.18 p.

SOUZA, T. H. RECEPÇÃO DO USUÁRIO NO SUS: ESTRATÉGIAS PARA O ACESSO À REDE DE URGÊNCIA E EMERGÊNCIA, NA PERSPECTIVA DO TRABALHADOR. Santa Catarina: Centro de Ciências da Saúde, 2014. Originalmente apresentada como dissertação de Mestrado em Pós-Graduação Multidisciplinar em Saúde, Universidade Federal de Santa Catarina, 2014.

SMITS, M.; PETERS, Y.; BROERS, S.; KEIZER, E.; WENSING, M.; GIESEN, P. Association between general practice characteristics and use of out-of-hours GP cooperatives. BMC Family Practice. Nijmegen, v. 16, n. 25, p. 1-7, 2015.

UNA-SUS. Universidade Aberta do SUS.REDES DE ATENÇÃO À SAÚDE: A ATENÇÃO À SAÚDE ORGANIZADA EM REDES. Nerícia Regina de Carvalho Oliveira (Org.). São Luís: Universidade Federal do Maranhão, 2015. 42 p.

WILLIAMS, M. D.; JEAN, M. C.; CHEN, B.; MOLINARI, N. M.; LEBLANC , T. T. Primary Care Emergency Preparedness Network, New York City, 2015: Comparison of Member and Nonmember Sites.Revista Americana de Saúde Pública. New York,v. 107, n. 2, p. 193-198, 2017.


Refbacks

  • There are currently no refbacks.