O pré-natal como ferramenta na prevenção da sífilis congênita: uma revisão integrativa da literatura / Pré-natal as a tool in the prevention of congenital syphilis: an integrating review of the literature

Lorena Sôphia Cadete de Almeida Lemos Vilela, Gisélia Santos de Souza, Bárbara Melo Vasconcelos, Carolayne Rodrigues Gama, Larissa Suzana de Medeiros Silva, Thycia Maria Gama Cerqueira, Raíssa Fernanda Evangelista Pires dos Santos, Dayane da Silva Noberto

Abstract


Analisar as evidências científicasde 2013 a 2018 sobre o pré-natal como ferramenta na prevenção de sífilis congênita. Revisão integrativa de literatura, realizado no período de agosto a setembro de 2018, por meio dos descritores “ Transmissão vertical”, “Sífilis Congênita” e “Gestante” e consulta integrada com o operador lógico AND. A busca dos artigos foi feita nas bases de dadosBiblioteca Virtual em Saúde (BVS): Literatura Latino-Americana e do Caribe Ciências da Saúde (LILACS), Medical Literature Análise e Retrieval System on-line (MEDLINE) e as bibliotecas virtuais Scientific Electronic Library Online (SciELO) e Cochrane, o que resultou na seleção final de 16 artigos, considerando os critérios de inclusão e exclusão.Dasgestantes infectadas, a maioria apresentou transmissão vertical. Quanto às condições socioeconômicas destacam-se os baixos índices de escolaridade e de condição socioeconômica, dificuldade de acesso aos serviços de saúde, início tardio do pré-natal, além de falta de orientações sobre a doença e sobre uso de preservativos. A melhoria na qualidade do pré-natal é imprescindível para a diminuição dos índices alarmantes de sífilis congênita em todo o Brasil, focando no rastreamento, detecção precoce e tratamento, previsto pelas políticas do governo federal (Estratégia Saúde da Família, Rede Cegonha) e ainda não implementadas de modo eficaz em sua totalidade na atenção primária em saúde.

 


Keywords


Transmissão Vertical; Sífilis Congênita; Gestante.

References


ARAÚJO, M.A.L., et al. Prevenção da sífilis congênita em Fortaleza, Ceará: uma avaliação de estrutura e processo. Cad. Saúde Colet., 2014, Rio de Janeiro

BECK, E.Q; SOUZA, M.H.T. Práticas de enfermagem acerca do controle da sífilis congênita.Rev. pesqui. cuid. fundam. v.10, n.3, 2018.

BRASIL, Ministério da Saúde. Departamento de IST, Aids e Hepatites Virais Secretaria de Vigilância em Saúde Ministério da Saúde. Protocolo Clínico e DiretrizesTerapêuticas (PCDT): atenção integral às pessoas com infecções sexualmente transmissíveis (IST), 2015a. Disponível em: . Acesso em 15 Out. 2018;

BRASIL, Ministério da Saúde. Sífilis: estratégias para diagnóstico no Brasil. Brasília: Ministério da Saúde, Coordenação de Doenças Sexualmente Transmissíveis e AIDS, 2015. (Série TELELAB). Disponível em: . Acesso em: 3 out. 2018.

CABRAL B.T.V; DANTAS, J.C., SILVA, J.A., Dannielly, A. O.D.A. SÍFILIS EM GESTANTE E SÍFILIS CONGÊNITA: UM ESTUDO RETROSPECTIVO. Revista Ciência Plural, 2017.

MAGALHÃES, D.M.S. et al. A sífilis na gestação e sua influência na morbimortalidade materno-infantil. Comun. ciênc. saúde, v. 22, n. sup. esp. 1, p. 43-54, 2012. Disponível em: Acesso em: 25 Nov.2017;

MAGALHÃES, D.M.S et al. Sífilis materna e congênita: ainda um desafio. Caderno Saúde Pública, Rio de Janeiro. 2013.

TOLDO, M.K.S et al. A RECRUDESCÊNCIA DA SÍFILIS CONGÊNITA. Arquivos Catarinenses de Medicina, 2018

ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DE SAÚDE. Eliminação mundial da sífilis congênita: fundamento lógico e estratégia para ação, 2008.


Refbacks

  • There are currently no refbacks.