Esquistossomose: uma doença negligenciada no estado de Alagoas / Schistosomosis: a negligenced disease in the state of Alagoas

Nathalia Lima da Silva, Luana Carla Gonçalves Brandão Santos, Karol Bianca Alves Nunes Ferreira, Dayane da Silva Noberto, Maria Carolina Coelho de Freitas, Raíssa Fernanda Evangelista Pires dos Santos, Alessandra Nascimento Pontes

Abstract


Notoriamente doenças infecciosas que se disseminam e se perpetuam em meios em que há precária estrutura sanitária, condição de moradia e alimentação além da dificuldade em se acessar o sistema de saúde pelas pessoas. A esquistossomose é considerada uma patologia infecto-parasitária provocada por vermes do gênero Schistosoma, que têm como hospedeiros intermediários, caramujos. No Brasil ela é um importante problema de saúde pública e segundo a Organização Mundial de Saúde (2014). Trata-se de um estudo descritivo-exploratório e retrospectivo, com abordagem quantitativa, construído pelo Grupo de Estudo e Pesquisa em Enfermagem (GEPEnf) do Centro Universitário Cesmac. No Estado de Alagoas de acordo informações do DataSUS dentre os anos de 2013 e 2016 tiveram casos positivos a quantia de 36.808, como exposto no Quadro 1. Os municípios com maior incidência foram: União dos Palmares, Capela, São José da Laje, Viçosa e Branquinha. Tendo como elevadíssimo, o índice desta infecção parasitária, é notável que se configura um problema de saúde pública e que se necessita de um reforço em ações educativas nestas comunidades sobre este tema. Observa-se que apesar dos avanços, esta patologia ainda se encontra com números alarmantes, fortalecendo a falta de saneamento e educação continuada para comunidade.

 


Keywords


Doença Tropical Negligenciada, Esquistossomose, Saúde Pública

References


BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Departamento de Vigilância em Doenças Transmissíveis. Plano integrado de ações estratégicas de eliminação da hanseníase, filariose, esquistossomose e oncocercose como problema de saúde pública, tracoma como causa de cegueira e controle das geohelmintíases: plano de ação 2011-2015 / Ministério da Saúde, Secretaria de Vigilância em Saúde, Departamento de Vigilância em Doenças Transmissíveis. 2012. Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/plano_integrado_acoes_estrategicas_2011_2015.pdf

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Departamento de Vigilância Epidemiológica. Vigilância da Esquistossomose Mansoni: diretrizes técnicas. 4 ed. Brasília, 2014. Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/vigilancia_esquistossome_mansoni_diretrizes_tecnicas.pdf

MASSARA, CL et al. Caracterização de materiais educativos impressos sobre esquistossomose, utilizados para educação em saúde em áreas endêmicas no Brasil. Epidemiol. Serv. Saude, Brasília, 25(3):575-584, jul-set 2016. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/ress/v25n3/2237-9622-ress-25-03-00575.pdf

NOYA,O et al.Schistosomiasis in America. Neglected Tropical Diseases - Latin America and the Caribbean. pp 11-43. Disponível em: https://link.springer.com/chapter/10.1007/978-3-7091-1422-3_2

QUITES, HFO et al. Avaliação das ações de controle da esquistossomose na Estratégia de Saúde da Família em municípios do Vale do Jequitinhonha em Minas Gerais. REV BRAS EPIDEMIOL ABR-JUN 2016; 19(2): 375-389. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/rbepid/v19n2/1980-5497-rbepid-19-02-00375.pdf

SAUCHA, Camylla Veloso Valença; SILVA, José Alexandre Menezes da; AMORIM, Liliane Barbosa. Condições de saneamento básico em áreas hiperendêmicas para esquistossomose no estado de Pernambuco em 2012.Epidemiol. Serv. Saúde, Brasília, 24(3):497-506, jul-set 2015. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/ress/v24n3/2237-9622-ress-24-03-00497.pdf

SES. Secretaria Estadual de Saúde. Plano Estadual de Saúde 2016-2019. Disponível em: http://cidadao.saude.al.gov.br/wp-content/uploads/2016/07/Plano-Estadual-de-Sa%C2%A6de-PES-2016-2019.pdf

VASCONCELOS,RS; KOVALESKI, DF; JUNIOR, ZCT. Doenças Negligenciadas: Revisão da Literatura Sobre As Intervenções Propostas. Sau. &Transf. Soc., ISSN 2178-7085, Florianópolis, v.6, n.2, p.114-131, 2016. Disponível em:http://incubadora.periodicos.ufsc.br/index.php/saudeetransformacao/article/view/3714/4477


Refbacks

  • There are currently no refbacks.