O Alzheimer como um desafio aos sistemas de saúde, frente a crescente expectativa de vida, e o MEEM como ferramenta no rastreio de demências. / Alzheimer's as a challenge to health systems, facing increasing life expectancy, and the MEEM as a tool in dementia screening.

Geórgia Maria Viero, Cirano Gautier dos Santos

Abstract


Pela primeira vez na história, a maioria das pessoas pode viver até os 60 anos de idade, de forma que uma criança nascida em 2015 no Brasil tenha uma expectativa de vida 20 anos maior do que uma pessoa nascida há 50 anos. Tendo estas novas circunstâncias, há certamente alguns novos desafios relacionados à saúde a serem superados ainda mais rapidamente do que antes. A grande questão é: pode um ser humano entrar em seus últimos anos com uma boa qualidade de vida hoje em dia? Os maiores obstáculos para atingir esse objetivo são as chamadas doenças crônicas e não transmissíveis, como a Doença de Alzheimer, que vem dobrando os casos a cada 5 anos em pessoas com idade entre 65 e 85 anos, segundo estudos epidemiológicos recentes. Ter um estilo de vida saudável pode ajudar a prevenir, retardá-los ou até mesmo, em alguns casos, reverter a condição, mas o tratamento não pode depender somente desse cuidado individual, deve ser também uma preocupação ampla de saúde pública. A Doença de Alzheimer consiste principalmente em um declínio progressivo e insidioso da memória e outras funções corticais, como fala, conceito e julgamento, que ocorrem principalmente através de dois mecanismos de ação que levam à atrofia cerebral em áreas como o lobo temporal e o hipocampo, que são responsáveis para memória recente. Há também uma atrofia de alguns núcleos cerebrais, como o de Meynert e o septal, que são responsáveis pela produção de acetilcolina, que é um mediador neurotransmissor da atividade cognitiva. Tudo isso faz com que o indivíduo em estágio avançado dessa condição perca a capacidade de realizar até mesmo as tarefas mais simples de sua rotina diária, incluindo comunicação, compreensão, higiene pessoal, alimentação e conexão com os outros; eles se tornam totalmente dependentes. Portanto, este artigo pretende promover uma maneira de rastrear a demência através do MEEM, juntamente com o manejo dos pacientes, a fim de evitar que os primeiros casos atinjam o ponto mais baixo, e fazendo com que a qualidade de vida do idoso apenas aumente.
  

Keywords


Alzheimer; MEEM; expectativa de vida; pacient

References


BRUCKI, S. M. D; NITRINI, R; CARAMELI, P; BERTOLUCCI, P.H.F. AKAMOTO, I. H. Sugestão Para o Uso do Mini-Exame Do Estado Mental no Brasil. 5f. 2003. Arquivo de Neuropsiquiatria. Departamento de Clínica Neurológica da Universidade de São Paulo. Disponível em < http://www.scielo.br/pdf/anp/v61n3B/17294.pdf> acesso em 1/09/18

MINISTÉRIO DA SAÚDE. Diretrizes Para o Cuidado da Pessoa idosa no SUS: Proposta de

Modelo de Atenção Integral. 46f. 2014. Disponível em

Acesso em 1/09/18.

AZEVEDO, P. G; LANDIM, M. E; FÁVERO, G.P; CHIAPPETTA, A. L. M. L. Linguagem e Memória na Doença de Alzheimer em fase Moderada. 7f. 2009. Rev. CEFAC, São Paulo. Disponível em . Acesso em 5/09/18.

ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DA SAÚDE. Relatório Mundial de Envelhecimento e Saúde. 30f. 2015. Disponível em . Acesso em 5/09/18.

MINISTÉRIO DA SAÚDE. Protocolo Clínico de Diretrizes Terapêuticas na Doença de

Alzheimer. 22f. 2013. Disponível em Acesso em 5/09/18.


Refbacks

  • There are currently no refbacks.