Projeto de Extensão “Criar para Informar”: a utilização da arte para a comunicação e divulgação de temas em neurociências–relato de experiência / Extension Project "Create to Inform": the use of art for communication and dissemination of topics in neurosciences-experience report

Juliana Ciarlini Costa, Lucas Lessa de Sousa, Raquel Matoso Freire, Rafael Ximenes Oliveira, Gislei Frota Aragão, Tatiana Paschoalette Rodrigues Bachur

Abstract


Com base na carência de conhecimento da população sobre os distúrbios que afetam o sistema nervoso central (SNC) e o sucesso da utilização de estratégias lúdicas como recurso pedagógico, o projeto “Criar para Informar” foi idealizado pelos professores do Grupo de Estudos em Neuroinflamação e Neurotoxicologia (GENIT), do curso de Medicina da Universidade Estadual do Ceará (UECE), com a participação de acadêmicos do curso, visando levar informações à população acerca dessa temática, de forma criativa, lúdica, acessível e interativa. O objetivo do presente relato de experiência é apresentar o projeto “Criar para Informar” edescrever suas produções de educação em saúde relacionadas a distúrbios do sistema nervoso central e ao uso de substâncias que psicoativas. As ações foram planejadas com base na criação de paródias, canções autorais, vídeos e animações, com foco em uma temática por vez, de interesse da população, procurando esclarecer sobre as principais características dos temas abordados. Foram elaborados três produtos ao longo do primeiro ano do projeto (2018): o primeiro consistiu em um vídeo dublado abordando a temática do uso indiscriminado de benzodiazepínicos (BZDs); o segundo teve o formato de uma paródia problematizando o uso abusivo de psicoestimulantes; e o terceiroproduto consistiu em uma música autoral que focou em demonstrar a visão de mundo dos indivíduos com transtorno do espectro autista (TEA – autismo), estimulando compreensão e empatia. As peças artísticas foram amplamente trabalhadas em eventos, nas redes sociais e site, eficientes meios de divulgação e disseminação de informações através da criatividade, interatividade e ludicidade, permitindo um grande alcance do projeto. Ademais, participar da confecção de obras artísticas que abordam importantes temáticas da saúde, mostrou-se como uma oportunidade ímpar aos discentes e docentes envolvidos com o projeto.

 


Keywords


Acesso à informação. Tecnologias da informação. Neurociências. Medicina.

References


ÁVILA, C. P. A música como ferramenta inclusiva do aluno com TEA: Intervenção terapêutica aliada à Educação Musical. Música e inclusão, Recife, 2014. Disponível em < https://musicaeinclusao.wordpress.com/category/artigos/page/2/>.

BOTTENTUIT JUNIOR, J. B., SERRA, R. R. S. Vídeo Educativo: uma experiência com alunos do 4.º ano do ensino fundamental da Unidade Integrada Fernão de Magalhães da Cidade de São Luis-MA. Revista Educacaonline, Rio de Janeiro, v. 4, n. 2, p. 69-97, 2010.

BOTTENTUIT JUNIOR, J. B.; LISBÔA, E. S.; COUTINHO, C. P. Percepção de alunos sobre as potencialidades dos filmes e vídeos digitais na educação: uma experiência em dois cursos de licenciatura (2013). Disponível em . Acesso em 04 fev. 2018.

CABRERA, W. B. A Ludicidade para o Ensino Médio na disciplina de Biologia: Contribuição ao processo de aprendizagem em conformidade com os pressupostos teóricos da aprendizagem significativa. Dissertação (Mestrado em Ensino de Ciências e Educação Matemática). Universidade Estadual de Londrina, Londrina, p. 159, 2006.

FIORUC B. E. et al. Educação em saúde: abordando primeiros socorros em escolas públicas no interior de São Paulo. Revista Eletrônica de Enfermagem, Goiânia, v. 10, n. 3, p. 695-702, 2008.

FUCHS, F. D.; WANNAMACHER, L. Farmacologia Clínica e Terapêutica. 5. ed. Rio de Janeiro, Guanabara Koogan, 2017.

GOMES, M.; et al. Conhecimento sobre o transtorno do déficit de atenção/hiperatividade no Brasil. Jornal Brasileiro de Psiquiatria, Rio de Janeiro, v. 56, n. 2, p. 94-101, 2007.

MINISTÉRIO DA SAÚDE. Diretrizes para implantação do projeto saúde e prevenção nas escolas. Disponível em: . Acesso em 09 jan. 2018.

MIRANDA, J. C. Hídrolos: um show de paródias na prevenção de doenças de veiculação hídrica. Revista ENCITEC, Santo Ângelo, v. 4, n. 2, p. 85-92, 2014.

MULLER, C. Conhecimento dos estudantes de medicina acerca do autismo em uma universidade do Rio Grande do Sul. Dissertação (Mestrado em Saúde da Criança e do Adolescente), Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Faculdade de Medicina, Porto Alegre, 2012.

SAMPAIO, R. T.; LOUREIRO, C. M. V.; GOMES, C. M. A. A Musicoterapia e o Transtorno do Espectro do Autismo: uma abordagem informada pelas neurociências para a prática clínica. Per Musi, Belo Horizonte, n.52, p. 137-170, 2015.

SARTORI, A. F. Produção docente de vídeos digitais: desafios e potencialidades, 2012. Disponível em: . Acesso em 10 fev. 2018.

SILVEIRA, M. P; KIOURANIS, N. M. M. A música e o ensino de química. Química Nova na Escola, n. 28, p. 28-31, 2008.

TELLES FILHO, P. C. P.; PEREIRA JÚNIOR, A. C. Antidepressivos: consumo, orientação e conhecimento entre acadêmicos de enfermagem. Revista de Enfermagem do Centro-Oeste Mineiro, São João del-Rei, v. 3, n. 3, p. 829-836, 2013.


Refbacks

  • There are currently no refbacks.