Técnico em nutrição e dietética como aliado do nutricionista em unidades básicas de saúde / Technique in nutrition and dietary as an alliance of the nutritionist in basic health units

Mateus Oliveira dos Santos, Marina Grazielle Silva dos Santos, Fabrício Santos Francelino de Macêdo, Fernando Luiz Nunes de Oliveira, Geíza Alves Azerêdo

Abstract


Em 1974, o Parecer CFE nº 4089 aprovou a formação do técnico em nível de 2º grau no setor de Nutrição, denominado de Técnico em Nutrição e Dietética, com a descrição deocupação de que “O Técnico em Nutrição e Dietética deve auxiliar o Nutricionista nas tarefas”. Conforme a Resolução CFN Nº 605 de 22 de abril de 2018, estas tarefas podem ser desempenhadasnas áreas de Nutrição em Alimentação Coletiva, Nutrição Clínica, Nutrição em Saúde Coletiva e Nutrição na Cadeia de Produção, na Indústria e no Comércio de Alimentos. Neste relatório se busca descrever as atividades vivenciadas na área de Saúde Coletiva, apontando as dificuldades e aprendizados que foram de extrema importância neste processo em formação. Dentre as atividades realizadas, o auxílio se deu por meio dacoleta de medidas antropométricas, para subsidiar a avaliação nutricional, a ser realizada pelo nutricionista; buscade informações sobre os hábitos e aversões alimentares dos pacientes; e o desenvolvimento de ações de educação alimentar e nutricional para a população atendida,por meio de palestra sobre diabetes e hipertensão. Essas experiências ajudaram a aperfeiçoar as competências do técnico em formação, além de ter fortalecido o seu papel ético e responsável perante a sociedade.


Keywords


Alimentação, Nutrição, Diabetes, Hipertensão.

References


BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica. Saúde da criança: nutrição infantil: aleitamento materno e alimentação complementar. Brasília: Editora do Ministério da Saúde, 2009. Disponível em: Acesso em 08 de janeiro de 2018.

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Departamento de Vigilância de Doenças e Agravos não Transmissíveis e Promoção da Saúde. Vigitel. Brasil 2017: vigilância de fatores de risco e proteção para doenças crônicas por inquérito telefônico: estimativas sobre frequência e distribuição sociodemográfica de fatores de risco e proteção para doenças crônicas nas capitais dos 26 estados brasileiros e no Distrito Federal em 2017 / Ministério da Saúde, Secretaria de Vigilância em Saúde, Departamento de Vigilância de Doenças e Agravos não Transmissíveis e Promoção da Saúde. – Brasília: Ministério da Saúde, 2017.160p.: il. Disponível em: Acesso em 03 de abril de 2018.

BRASIL. Ministério da Educação. Fundo Nacional de Desenvolvimento da

CONSELHO FEDERAL DE NUTRICIONISTAS. Resolução do Conselho Federal de Nutricionista nº.605/2018. Altera a Resolução CFN n° 312/2003, que trata do Dispõe sobre as áreas de atuação profissional e as atribuições do Técnico em Nutrição e Dietética (TND), e dá outras providências.. Disponível em: Acesso em 15 de janeiro de 2018.

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção àSaúde. Guia alimentar para a população brasileira[Internet]. 2. ed. Brasília: Ministério da Saúde;2014 [citado 2018 Jan 31]. 158p. Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/guia_alimentar_populacao_brasileira_2ed.pdf .

JARDIM, P.D. Educação em Saúde com adolescentes:uma experiência acadêmica na Estratégia Saúde da Família. Revista Oficial do Núcleo de Estudos da Saúde do Adolescente/ULRJ. v.. 9, n. 4, 2012.

MALTA, Deborah Carvalho, MOURA, Lenildode., PRADO, Rogério Ruscito de., ESCALANTE, Juan Cortes, SCHMIDT, Maria Inês, DUNCAN, Bruce Bartholow. Mortalidade por doenças crônicas não transmissíveis no Brasil e suas regiões, 2000 a 2011. Epidemiologia e Serviços de Saúde, v.23, p.599-608, 2014. Disponível em: Acesso em 11 de abril de 2018.

VIANA, Márcia Regina, NEVES, Alden Santos, CAMARGO JUNIOR, Kenneth Rochel, PRADO, Shirley Donizete, MENDONÇA, André Luis Oliveira. A racionalidade nutricional e sua influência na medicalização da comida no Brasil. Ciência e Saúde Coletiva, Rio de Janeiro, v. 22, n. 2, p. 447-456, fev. 2017. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/csc/v22n2/1413-8123-csc-22-02-0447.pdf Acesso em: 02 de abril de 2018.


Refbacks

  • There are currently no refbacks.