Coinfecção melioidose articular e hanseníase: primeiro relato no Brasil / Coinfection melioidose articular and hanseníase: first report in Brazil

Danyenne Rejane de Assis, Letícia Rossetto da Silva Cavalcante, José Carlos Amaral Filho, Fernanda Breder Oliveira Nadaf, José Cabral Lopes

Abstract


A Melioidose é uma doença infecciosa grave,considerada emergente no Brasil,causada pela bactéria Burkholderiapseudomallei.Possui alto potencial letal, mimetiza inúmeras infecções e pode coexistir com elas. No presente estudo, relatamos um caso de coinfecção demelioidose e hanseníaseocorrido no Mato Grosso, Brasil.Paciente masculino, 34 anos, servente de pedreiro, sem histórico de viagens recentes, em uso de altas doses de corticóide por reação hansênica tipo II. Internado com sepse, sinais flogísticos e lesão ulcerada em joelho direito com 10 dias de evolução. Ao exame físico, hepatoesplenomegalia e limitação da mobilidade na articulação acometida. A antibioticoterapia inicial consistiu empiperacilina-tazobactam por internação recente. À punção articular e limpeza cirúrgica, houve saída de secreção purulenta cujo exame direto revelou BAAR e a cultura mostrou-se positiva para B. pseudomallei. O antibiótico foi trocado para imipenemguiado por antibiograma, com melhora clínica e alta hospitalar após quatro semanas. A melioidose é uma doença de difícil diagnóstico e manejo. A suspeição do diagnóstico em infecções de curso agudo e grave e a divulgação científica dos casos são essenciais em nosso meio.

 


Keywords


Infecção. Hanseníase. Melioidose.

References


Ribeiro MAD, Silva JCA, Oliveira SB. Estudo epidemiológico da hanseníase no Brasil: reflexão sobre as metas de eliminação. RevPanam Salud Publica. Jun 2018; 42:e42. https://doi.org/10.26633/RPSP.2018.42.

Brilhante RSN, Bandeira TJPG, Coredeiro RA et al. Clinical-Epidemiological Features of 13 Cases of Melioidosis in Brazil. J Clin Microbiol. 2012 Oct; 50(10):3349-52.

Rolim DB, Lima RXR, Ribeiro AKC et al. Melioidosis in South America.Trop Med Infect Dis. 2018 Jun 5;3(2).

Inglis TJJ, Rolim DB, Rodriguez JLN. Clinical Guideline for Diagnosis and Management of Melioidosis. Rev. Inst. Med. trop. S. Paulo January-February, 2006; 48(1):1-4.

Wiersinga WJ, Currie BJ, Peacock SJ. Melioidosis. N Engl J Med. 2012 Sep 13;367(11):1035-44.

Currie BJ, Ward L, Cheng AC. The epidemiology and clinical spectrum of melioidosis: 540 cases from the 20-year Darwin prospective study. PLoSNegl Trop Dis. 2010 Nov 30;4(11): e900.

Pereira HLA, Ribeiro SLE, Sato EI. Manifestações Reumáticas da Hanseníase. Acta Reumatol Port. 2008; 33:407-14

Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Departamento de Vigilância e Doenças Transmissíveis. Guia Prático sobre a Hanseníase. Brasília-DF, 2017.

Barth AL, Abreu e Silva FA, Hoffmann A, et al. Cystic Fibrosis Patient with BurkholderiapseudomalleiInfection Acquired in Brazil. J. Clin. Microbiol. Dec;45(12):4077-80. Epub 2007 Oct 17

Macedo RN, Rocha FA, Rolim DB et al. Severe coinfection of melioidosis and dengue fever in Northeastern Brazil: first case report. Rev Soc Bras Med Trop. 2012 Feb;45(1):132-3.

Chauhan C, Wakhlu A, Agarwal V. Arthritis in leprosy. Rheumatology (Oxford). 2010 Dec;49(12):2237-42.

Caldeira AS, Kumanan T, Corea E. A rare cause of septic arthritis: melioidosis. Trop Doct. 2013 Oct;43(4):164-6.

Perumal Samy R, Stiles BG, Sethi G, Lim LHK. Melioidosis: Clinical impact and public health threat in the tropics. PLoSNegl Trop Dis. 2017 May 11;11(5): e0004738.


Refbacks

  • There are currently no refbacks.