Incidência da automedicação no uso indiscriminado de anti-inflamatórios esteroidais e não esteroidais entre universitários de Imperatriz-MA / Incidence of self-medication in the indiscriminate use of steroidal and non-steroidal anti-inflammatory agents among university students of Imperatriz-MA

Laynara Santos Silva, Rayssa Gabrielle Pereira de Castro Bueno, Rafaela Maianna Cruz de Castro Freitas, Maria Simone Pereira Maciel, Talita Pinho Marcelino

Abstract


 No Brasil, vários anti-inflamatórios são facilmente encontrados ao alcance de todos em farmácias, mesmo que estes sejam agentes com diferentes potenciais de toxicidade. Com isso objetiva-se analisar o consumo de anti-inflamatórios esteroidais e não esteroidais entre universitários de Imperatriz - MA, bem como a prática da automedicação. Este trabalho foi pautado na aplicação de um formulário para 396 universitários, o qual continha perguntas fechadas e padronizadas, dividido em duas partes. A primeira, com perguntas sócio demográficas e de perfil acadêmico, e a segunda com perguntas sobre a utilização dos medicamentos e os motivos que levaram para a utilização dos mesmos, assim como mostrar as possíveis reações adversas causadas pelos medicamentos utilizados. Observou-se que 70% dos questionados eram do sexo feminino e 30% do sexo masculino. A faixa etária predominante entre os pesquisados foi de 17 a 35 anos e todos estavam cursando entre o 1º e 10º período do seu respectivo curso. O ibuprofeno foi o anti-inflamatório mais citado, seguido da nimesulida. Dos entrevistados, a maioria afirmou não sentir nenhuma reação adversa ao consumir o medicamento. Também em maioria, os entrevistados afirmaram ter realizado automedicação. Febre e cólicas foram os principais motivos do uso relatado. Ao fim, observa-se que os anti-inflamatórios são muito utilizados para tratamento sintomático, apontando para a necessidade da correta orientação e também atenção farmacêutica, bem como para a conscientização dos universitários, visando promover uma reflexão e responsabilidade dos mesmos com a própria saúde e com a correta utilização de medicamentos.

 

 

 


Keywords


Anti-inflamatórios. Uso racional de Medicamentos. Universitários.

References


ANTONOV K. et al. Use of analgesics in Sweden – the importance of sociodemographic factors, physical fitness, health and health-related factors, and working conditions.SocSciMed, v. 42, n. 11, p. 1473-81, 1996.

BRASIL. Ministério da Saúde. Agência Nacional de Vigilância Sanitária. Medicamento genérico Lei nº 9.787, de 10 de fevereiro de 1999. Dipirona monoidratada. Disponível em: . Acesso em 15 de abril de 2017.

BRASIL. Ministério da Saúde (MS): Secretaria de Ciência, Tecnologia e Insumos Estratégicos. Uso Racional de Medicamentos–Temas selecionados. 2012.

BRASIL. Resolução RDC n° 98, de 01 de agosto de 2016. Regras para registro de medicamentos isentos de prescrição, os MIPs. Diário Oficial da União 2016. Disponível em: . Acesso em 11 de março de 2017.

CARVALHO, Deusvenir de Souza. Tratamento das cefaleias baseado em evidências. Diagn. tratamento, v. 14, n. 1, 2009.

CLAYTON, B. D.; STOCK, Y. N.; Farmacologia na prática de enfermagem. 13. ed. Rio de Janeiro: Elsevier, 2006.

RENAME. Formulário terapêutico nacional 2010. Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/formulario_terapeutico_nacional_2010.pdf. Acesso em 15 de abril de 2018.

FRUTUOSO, S. Alívio dos antiinflamatórios. Ver. Exame, 2004. FUCHS, F. D. E.

WANNMACHER, L. Farmacologia Clínica: fundamentos da Terapêutica Racional. 2 ed. Rio de Jeneiro: Guanabara Koogan 1998. 678p.

GOODMAN E GILMAN.As bases farmacológicas da terapêutica. Alfred Goodman Gilman Joel G. Hardman Lee E. Limbirdeds, 12ª edição Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2012.

MARQUES, Luísa. Ibuprofeno: um fármaco com sucesso. 2009. Disponivelemhttp://www.videos.uevora.pt/quimica_para_todos/qpt_ibuprofeno.pdf .Accesso em 17 de Abril de 2018

PORTEUS T, BOND C, HANNAFORD P, SINCLAIR H. How and why are nonprescription analgesics used in Scotland? Fam Pract; v. 22, n. 1, p. 78-85, 2005.

RANG, H.P.; DALE, M.M.; RITTER, I.M. Farmacologia. 3 ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan. 1997.

SANTOS, Glauber Eduardo de Oliveira. Cálculo amostral: calculadora on-line. Disponível em: . Acesso em: 29/10/2018

RIBEIRO AQ. Estudo epidemiológico do uso de antiinflamatórios não-esteroidais por pacientes submetidos à endoscopia no Hospital das Clínicas da UFMG. [dissertação de mestrado]. Belo Horizonte: Universidade Federal de Minas Gerais; 2002.

TRIVINOS, A. N. S. Introdução à pesquisa qualitativa em ciências sociais: a pesquisa qualitativa em saúde. São Paulo: Atlas. 1987.

WOLFE M. M, LICHTENSTEIN DR, SINGH G. Gastrointestinal toxicity of nonsteroidal antiinflammatory drugs. N Engl J Med; v. 340, n. 24, p. 1888-99, 1999.

WILKEN, P. R. C.; BERMUDEZ, J. A. Z.A Farmácia no Hospital: como avaliar? Rio de Janeiro: Editora Agora da Ilha. 1999.


Refbacks

  • There are currently no refbacks.