Doença de chagas: pelos menos 1200 casos no estado do Ceará em 2013 / Chagas disease: for the less than 1200 cases in the state of Ceará in 2013

Silvio César Gomes de Lima, Elivan Custodio Araújo

Abstract


Já se passaram mais de 100 anos que a Doença de Chagas (DC) foi descrita pela primeira vez (1909), desde então inúmeros esforços tem sido empregados para mitigar seus efeitos deletérios sobre seus hospedeiros, principalmente, os humanos. mesmo assim, ela é considerada uma doença negligenciada, que não existe vacina e que vitimiza milhões de brasileiros com altos índices de mortandade em decorrência da doença. No Brasil, o Estado do Ceará é responsável por, aproximadamente, 70% das doenças negligenciadas, tais como cisticercose, dengue, equinococose, hanseníase, leishmaniose, filariose, oncocerciase, hidrofobia, helmintíases transmissíveis pelo solo, tracoma e Doença de Chagas.Sendo assim, o objetivo do presente trabalho foi realizar um levantamento nos bancos de dados oficiais sobre a incidência dessa patologia no Estado do Ceará e no município de Tauá, região dos Inhamuns. Em 2013 foram registrados 1218 casos da DC em pessoas acima de 15 anos no estado do Ceara, sendo 22 casos confirmados no município de Tauá (~1,7% dos casos), que possui inúmeras localidades com a presença de Triatomíneos. Os resultados demonstram que é necessário adotar medidas preventivas, aparentemente simples, como: manter sempre a casa e arredores limpos; utilização de mosquiteiros; telas em portas e janelas; trabalhos educativosfomentando a prevenção da doença; assim como maior controle dos insetos nas residências, adotando aplicações mais sistemática de inseticidas, principalmente em ambientes rurais, provavelmente, onde a presença de triatomíneos é mais conspícua. Principalmente em uma patologia com característica peculiares, como a DC, que quanto mais precoco diagnóstico for feito e mais rápido começar o tratamento maiores são as chances de minimizar ascomplicações crônicas, ainda não efetivamente curáveis na clínica.

 


Keywords


Triatomíneos, Tauá, CECITEC.

References


REZENDE, Joffre Marcondes de. O aparelho digestivo na doença de chagas: aspectos clínicos. In: SCIELO BOOKS, 10., 1997, Rio de Janeiro. O aparelho digestivo na doença de chagas: aspectos clínicos. Rio de Janeiro (rj): Editora Fiocruz., 1997. p. 153 - 176.

SANGENIS, Luiz Henrique Conde et al. Transmissão da doença de Chagas por consumo de carne de caça: revisão sistemática. In: REV B RAS EPIDEMIOL, 1015901980-5497201600040010., 2016, Rio de Janeiro (rj). Transmissão da doença de Chagas por consumo de carne de caça: revisão sistemática. Rio de Janeiro (rj): Rev B Ras Epidemiol, 2016. p. 803 - 811.

ARGOLO, Ana Maria. Doença de Chagas e seus Principais Vetores no Brasil. In: LIVRO EM PROCESSO DE EDITORAÇÃO E REVISÃO, 2007, Rio de Janeiro (rj). Doença de Chagas e seus Principais Vetores no Brasil. Rio de Janeiro (rj): Livro em Processo de EditoraÇÃo e RevisÃo, 2007. p. 1 - 26.

DIAS, João Carlos Pinto. Perspectivas de controle da doença de Chagas no Brasil. In: OPINIÃO, 2., 1985, Rio de Janeiro (rj). Perspectivas de controle da doença de Chagas no Brasil. Rio de Janeiro (rj): Cadernos de Saúde Pública, 1986. p. 84 - 103.

VINHAES, Márcio C.; DIAS, João Carlos Pinto. Doença de Chagas no Brasil. In: CAD. SAðDE PðBLICA, 3480., 2000, Rio de Janeiro (rj). Doença de Chagas no Brasil. Rio de Janeiro (rj): Cad. Saúde Pública, 2000. p. 7 - 12.

POMPILIO, Maurício Antonio et al. Aspectos epidemiológicos, clínicos e parasitológicos da doença de Chagas em Mato Grosso do Sul. In: ARTIGO/ARTICLE, 1784., 2004, Campo Grande, Ms. Aspectos epidemiológicos, clínicos e parasitológicos da doença de Chagas em Mato Grosso do Sul. Campo Grande, Ms: Revista da Sociedade Brasileira de Medicina Tropica, 2005. p. 473 - 478.

DIAS, João Carlos Pinto. Controle da transmissão transfusional da doença de Chagas na Iniciativa do Cone Sul. In: ARTIGO DE REVISÃO, 314., 1997, Belo Horizonte, Mg. Controle da transmissão transfusional da doença de Chagas na Iniciativa do Cone Sul. Belo Horizonte, Mg: Revista da Sociedade Brasileira de Medicina Tropical, Jul-ago, 1998., p. 373 - 383.

ALMEIDA, Paulo Silva de et al. Ocorrência de Psammolestes coreodes Bergroth, 1911 (Hemiptera: Reduviidae: Triatominae) no Estado de Mato Grosso do Sul. In: REVISTA DA SOCIEDADE BRASILEIRA DE MEDICINA TROPICAL, 24., 2009, Dourados, Ms. Ocorrência de Psammolestes coreodes Bergroth, 1911 (Hemiptera: Reduviidae: Triatominae) no Estado de Mato Grosso do Sul. Dourados, Ms: Revista da Sociedade Brasileira de Medicina Tropical 42(5):603-604, Set-ou, 2009. p. 603 - 604.

DIAS, Emmanuel. Emmanuel Dias: o principal artífice do combate à doença de Chagas nas Américas. In: REVISTA DA SOCIEDADE BRASILEIRA DE MEDICINA TROPICA, 85., 2008, Belo Horizonte, M. Emmanuel Dias: o principal artífice do combate à doença de Chagas nas Américas. Belo Horizonte, M: Revista da Sociedade Brasileira de Medicina Tropical 41(5):502-504, Set-ou, 2008. p. 502 - 504.

OLIVETO, Paloma. Estudo alerta para o aumento de mortes por chagas na fase assintomática: Quantidade de pessoas que perdem a vida na fase em que a enfermidade não apresenta os sintomas é maior do que a registrada no país, indica estudo da USP. 2017. Disponível em: . Acesso em: 02 jun. 2018.

SOUZA, Ves Teixeira. Doença de Chagas ainda é preocupação no Brasil. 2017. Disponível em: . Acesso em: 02 jun. 2018.

PUFF, Jefferson. Novos casos de Doença de Chagas no Brasil se concentram no Pará e Amapá. Disponível em: . Acesso em: 02 jun. 2018.

FAMÍLIA, SaÚde da. Doença de Chagas: Veja número e incidência de casos por cidade do Brasil - FORTALEZA, CE.Disponível em: . Acesso em: 02 jun. 2018.

BRUNA, Maria Helena Varella. Doença de Chagas. Disponível em: . Acesso em: 02 jun. 2018.

MORBIDADE hospitalar. Disponível em: . Acesso em: 02 jun. 2018.

GEOVANA, Dra. Nicole. Doença de Chagas tem cura? Disponível em: . Acesso em: 02 jun. 2018.

NEVES, David Pereira et al. PARASITOLOGIA HUMANA. 11. ed. São Paulo: Atheneu, 2004. 498 p.

MONTEIRO, Glauce. Especialistas recomendam técnica para prevenir contaminação do açaí: Consumo do fruto está relacionado aos índices de doença de chagas no PA. "Branqueamento" é barato e pode ser feito por todos os comerciantes.. 2012. Disponível em: . Acesso em: 02 jun. 2018.

NOVA publicação da OPAS mostra progressos e desafios na eliminação de 11 doenças infecciosas negligenciadas nas Américas. Disponível em: . Acesso em: 02 jun. 2018.

GIANNINI, Deborah. Pobres são os mais afetados pela doença de Chagas no Brasil. 2018. Disponível em: . Acesso em: 02 mar. 2018.

SAÚDE: Mortalidade Infantil. Mortalidade Infantil. 2014. Disponível em: . Acesso em: 02 jun. 2018.


Refbacks

  • There are currently no refbacks.