Causas de óbito relacionadas ao HIV/AIDS em Instituição de referência, Amazonas, 2016 / Deaths related to HIV/AIDS in reference institution, Amazonas, 2016

Evela da Silva Magno, Maria das Graças Gomes Saraiva, Camila Helena de Aguiar Bôtto de Menezes

Abstract


Objetivo: Descrever o perfil e as causas mencionadas ao óbito de pacientes com HIV/AIDS, em uma instituição de referência no município de Manaus, Amazonas, 2016.  Métodos:  O estudo é uma série de casos de HIV/AIDS notificados no SINAN com data de óbito em 2016.  As causas associadas de morte foram obtidas do protocolo de registros da instituição de referência e a data do início da dispensação de TARV foi consultada pelo prontuário dos pacientes. As causas de morte foram agrupadas por consulta eletrônica em capítulos, conforme a CID10.  Resultados:  Em 2016 ocorreram 246 óbitos em casos notificados como HIV/AIDS.   A distribuição de casos por mês ocorreu sucessivamente, sendo o mês de abril (28/246-11,4%) com maior registro.  Os casos de óbito foram mais frequentes entre os homens (193/246-78,5%). Com relação a distribuição por idade, a faixa etária de 13-40 anos não diferiu significativamente em relação ao grupo maior de 40 anos (p valor= 0,63) e a idade média ao morrer nas mulheres foi igual a dos homens (p valor=0,37). A sobrevida dos pacientes foi definida pelo tempo decorrido entre o diagnóstico de HIV/AIDS e o óbito,variando em < 1 mês (78/246-31,7%), <1 ano (54/246-22,0%), entre 1-2 (26/246-10,6%), 2-5 (36/246-14,6%) e mais de 5 anos (52/246-21,1%). Nos casos com mais de 5 anos de TARV observou-se menor registros de óbito (13/246-5,3%). A distribuição por causas associadas de morte por capítulos da CID teve como destaque doenças infecciosas e parasitárias. Conclusões: As doenças indicativas de AIDS foram as mais mencionadas no óbito. Diagnóstico precoce e melhorias no acompanhamento e tratamento no cenário em que a TARV melhorou expressivamente a sobrevida dos pacientes estão relacionados à maior qualidade de vida ao portador de HIV/AIDS.

 


Keywords


Óbito HIV/AIDS; causas múltiplas de óbito; comorbidades HIV / AIDS related causes of death in a reference institution, Amazonas, 2016.

References


Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Guia deVigilância em Saúde / Ministério da Saúde, Secretaria de Vigilância em Saúde. Brasília: Ministério da Saúde. 2014.

Loreto, S.; Azevedo-Pereira, José M. A infecção por HIV-Importância das fases iniciais e do diagnóstico precoce. Acta Farmacêutica Portuguesa, v.11, p.1-17, 2012.

Ministério da Saúde. AIDS. Disponível em: . Acesso em: 22 de abril de 2017.

SCHECTER, W. P. Human Immunodeficiency Virus and Malignancy. ArchivesSurgery, v.136, p.1419-1425, 2001.

Sociedade Brasileira de Infectologista. AIDS. Disponível em: Acesso: 29 deabril de 2017.

Freiberg MS et al.HIV Infection and the Risk ofAcuteMyocardialInfarction. JAMA internal medicine. 2013; 173:614–22.

Resumo Global da Epidemia de AIDS, UNAIDS. . Acesso: 22 de abril de 2017.

Ministério da Saúde. Boletim Epidemiológico-Aids e IST. Ano V- n°1-27ª a 53ª semanas epidemiológicas julho a dezembro de 2016/ Ano V- n°1-01ª a 26ª semanas epidemiológicas janeiro a junho de 2017. http://www.aids.gov.br/pt-br/pub/2017/boletim-epidemiológico-hivaids-2017.

Fundação de Medicina Tropical do Amazonas. Coordenação Estadual doPrograma de DST/Aids do Amazonas. Boletim Epidemiológico 1: 1-20, 2006.

Mocroft A, Soriano V, Rockstroh J, Reiss P, Kirk O, de Wit S, et al. Is there evidence for an increase in the death rate from liver-related disease in patients with HIV? AIDS. 2005; 19:2117–2125.

Sackoff JE, Hanna DB, Pfeiffer MR, Torian LV.Causes of death among persons with AIDS in the era of highly active antiretroviral therapy: New York City. Ann Intern Med. 2006; 145:397–406.

Schwartz EJ, Szczech LA, Ross MJ, Klotman ME, Winston JA, Klotman PE. Highly active antiretroviral therapy and the epidemic of HIV+ end-stage renal disease. J AmSocNephrol. 2005;16:2412–2420.

LAWN Stephen D.; WOOD Robin Tuberculosis in HIV. In: COHEN, Jonathan; OPAL, StevenM; POWDERLY, William G. Infectious Diseases. 3. ed. Philadelphia: Elsevier, 2010. p. 981-988.

BROWN, M. A.; NADLER, J. P. Infections in HIV-infected patients with malignancy. Infections Disease Clinics of North America, v. 10, p. 401-412, 1996.

Santo AH, Pinheiro CE, Jordani MS. Causas básicas e associadas de morte por Aids, Estado de São Paulo, Brasil, 1998. Rev. Saúde Pública [online]. 2000, vol.34, n.6, p.581-588. ISSN 0034-8910. http://dx.doi.org/10.1590/S0034-89102000000600004.

Souza-Jr PRB, SzwarcwaldCL, Castilho EA. Delay in introducing antiretroviral therapy in patients infected by HIV in Brazil, 2003-2006. Clinics [Internet]. 2007 [cited 2018June17]; 62(5):579-584. http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S180759322007000500008&lng=en. http://dx.doi.org/10.1590/S1807-59322007000500008.

START Study group. Initiation of antirrethoviral therapy in early asymptomaticHIV infection. N Engl J Med 2015; 373: 79+5-807 DOI:10.1056/NEJMMoa1506816

Silva-Jr JM. Caracterização da resposta inflamatória no paciente cominfecção por HIV/Aids e sepse. São Paulo, 2011. Dissertação (mestrado). Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo. Programa de Doenças Infecciosas e Parasitárias.

Ministério da Saúde. Protocolo Clínico e Diretrizes Terapêuticas para manejo da infecção pelo HIV em adultos.file:///F:/Relatorio_PCDT_ManejoInfeccaoHIVadultos_CP.pdf.

Jansen JM, Lopes AJ, Jansen U. Pneumonias no imunodeprimido. Pulmão RJ 2009; Supl 2: S46-S58.

Santo AH. Causas mal definidas de morte e óbitos sem assistência, Brasil,2003. Rev. Assoc Med Bras. 2008;54(1):23-8.


Refbacks

  • There are currently no refbacks.