Competências e habilidades para prevenção e controle de infecções identificadas no projeto pedagógico de um curso de graduação em enfermagem / Competences and skills for prevention and control of infection identified in the pedagogical project of a nursing graduation course

Thaynnara Nascimento dos Santos, Iel Marciano de Moraes Filho, Rodrigo Marques da Silva, Keila Cristina Félis, Thais Cardoso Pereira, Aline Aparecida Arantes, Adenícia Custodia Silva e Souza

Abstract


Estudo objetivou analisar as habilidades e competências sobre prevenção e controle de infecções identificadas no projeto pedagógico e planos de ensino do curso de graduação em enfermagem. Estudo descritivo realizado em uma instituição de Ensino Superior, localizada na Região Centro-Oeste em 2015. A amostra foi constituída pelo Projeto Pedagógico e planos de ensino do curso de enfermagem que compõem a grade curricular. Os dados coletados por meio de um formulário. As habilidades e competências sobre prevenção e controle de infecção estão presentes em cinco eixos da área específica, do curso e que dentre estes um é específico sobre o tema. O cenário de práticamais utilizado é o de média e alta complexidade. O Curso apresenta evidencias de ensino e aprendizagem relacionado a competências e habilidades sobre prevenção e controle de infecção, masé preciso uma expansão para outros eixos proporcionando segurança ao profissional na assistência.

 


Keywords


Educação. Controle de Infecções. Educação Superior.

References


BRASIL. Constituição Federal de 1988. Presidência da República, Casa Civil. Subchefia para Assuntos Jurídicos, Brasília - DF,outubro, 1988.

_______. Lei 8.080 de 19 de setembro de 1990. Dispõe sobre as condições para a promoção, proteção e recuperação da saúde, a organização e o funcionamento dos serviços correspondentes e dá outras providências.Presidência da República, Casa Civil, Subchefia para Assuntos Jurídicos, Brasília- DF, 1990.15 p.

_______. Lei nº 9.394, de 20 de dezembro de 1996. Dispõe sobre as diretrizes e bases da educação nacional. Ministério da Educação, Brasília- DF, 1996, 31 p.

_______. Resolução CNE/CES nº3 de 07 de novembro de 2001. Diretrizes Curriculares Nacionais do Curso de Graduação em Enfermagem. DOU 09/11/2001. Seção1, Brasília- DF, 2001, 37 p.

_______. Ministério da Saúde.Pró-saúde: programa nacional de reorientação da formação profissional em saúde. – Brasília: Ministério da Saúde / Ministério da Educação,2005,77p.

______. Ministério da Saúde. Programa Nacional de Reorientação da formação profissional em saúde – Pró-Saúde: Objetivos, implementação e desenvolvimento potencial. Ministério da Saúde, Ministério da Educação – Brasília: Ministério da Saúde,2007, 86 p. (a)

______. Ministério da Saúde (BR). Secretaria de Atenção à Saúde. Departamentode Atenção Básica. Política Nacional de Atenção Básica. Brasília: Ministério da Saúde; 2007. (b)

_______.Resolução CNS Nª 466 de 12 de dezembro de 2012. Conselho Nacional de Saúde. Brasília, 2012, p. 2-10.

Costa LDS, Pessoni LML, Santos CCT, Carvalho-Filha LSS, Moraes-Filho IM. O estado da arte das formas de gestão educacional. RevInicCient Ext.Valparaiso de Goiás – Go. v.1, n. Esp.3,2018.

Costa LDS, Pessoni LML, Moraes-Filho IM, Santos CCT, Queiroz HA, Araujo LM. Importância e necessidade de formas de organização e gestão escolar.Rev. Cient. Sena Aires.Valparaiso de Goiás – Go. v.7, n.3,2018.

PUC- Pontifícia Universidade Católica de Goiás. ENF/UCG, Projeto Pedagógico do Curso de Enfermagem, vigência 2006/2.Pontifícia Universidade católica de Goiás,Goiânia – GO: 2006, 43 p.

FERNANDES, D.J et al. Diretrizes curriculares e estratégias para implantação de uma nova proposta pedagógica. Revista Escola EnfermagemUSP,São Paulo - SP, v.39, n.4, p.443-9, 2005.

FONTANA, T.R.; LAUTERT, L. A prevenção e o controle de infecções: um estudo de caso com enfermeiras.Revista Brasileira Enfermagem,Brasília- DF,v.59, n. 3, p. 257-61, 2006.

FREIRE, et al. O currículo integrado da Faculdade de Enfermagem UERJ: uma reflexão sobre a Formação de Recursos Humanos para o SUS. Revista Brasileira Enfermagem,Brasília- DF, v.56, n.4, p.381-384, 2003.

MARCONI, M.A.; LAKATOS, E.M. Fundamentos de metodologia científica.7.ed. - São Paulo- SP: Atlas, 2010.

Moraes-Filho IM, Carvalho-Filha FSS, Almeida RJ. O currículo no ensino superior: adequações necessárias para o despertar dos egressos. Rev. Cient. Sena Aires. Valparaiso de Goiás – Go. v.6, n.2, p.1-2,2017.

PEREIRA, M.S. et al. A Infecção hospitalar e suas implicações para o cuidar da enfermagem. Texto Contexto Enfermagem,Porto Alegre- RS, v.14, n.2, p.250-7, 2005.

SOUSA, C.M.M. et al. Representações sociais das implicações legais da infecção hospitalar e de seu controle. RevistaBrasileira de enfermagem, Brasília,v. 60, n.4, p. 428-33,2007.

TIPPLE, A.F.V. et al. O ensino do controle de infecção: um ensaio teórico-prático. RevistaLatino-americana de enfermagem, Ribeirão Preto- SP, v.11, n.2, p.245-50. 2003. Disponível em:. Acesso em: 12 mai. 14.

TIPPLE, A.F.V. et al. Técnica de higienização simples das mãos: a prática entreAcadêmicos da enfermagem. Ciencia y Enfermeria, Concepción, Chile,v. XVI, n. 1, 2010.

WHO- World Health Organization. The WHO Guidelines on Hand Hygiene in Health Care. First Global Patient Safety Challenge. Clean care is safer care. Genebra: WHO Press, 2009.


Refbacks

  • There are currently no refbacks.