Infecções sexualmente transmissíveis na gestação: educação em saúde como estratégia de prevenção na atenção básica / Sexually transmitted infections during pregnancy: health education as a prevention strategy in primary care

Ana Patrícia Ricci, Adamerflan Gouveia de Sene, Bruna Lorrany Bartolomei de Souza, Karoline Mendes de Aguiar, Letícia Ramires Figueiredo, Maria Auxiliadora Gerk

Abstract


Objetivo:relatara experiência de acadêmicas da Universidade Federal de Mato Grosso do Sul (UFMS) durante ação desenvolvida com o grupo de gestantes de uma Unidade de Básica de Saúde em Campo Grande-MS (UBS). Metodologia: previamente foram confeccionados convites e distribuídos pelosagentes comunitários a todas as gestantes de sua área. A ação ocorreu na sala de reuniões da UBS.Utilizaram-se como estratégias metodológicas dinâmicas lúdicas. Inicialmente com a técnica quebra gelo, em seguida através da roda de conversa e do uso de imagens representando as IST, foram discutidos os sinais e sintomas, tratamento e prevenção a partir do conhecimento prévio das participantes. Foram abordados os mitos e as verdades a respeito das consequências das IST na gestação através de afirmações escritas em papéis e inseridas dentro de balões de ar coloridos que eram estourados pelas gestantes, também foram também oferecidas placas em formato de mãos nas cores verde representando “verdade”, amarela representando “dúvida” e vermelha representando “mito” para que cada participante desse sua opinião em cada afirmação. No último momento foi desenvolvida a “dinâmica do desafio” com o objetivo de transmitir a mensagem que,por mais difícil que parecesse o desafio ao final pode-se ter uma surpresa positiva. A avaliação da ação se deu por meio da escala de faces distribuídas no final da ação. Resultados:compareceram seis gestantes e alguns profissionais ligados à unidade. Em todas as etapas da ação houve participação ativa das gestantes e dos profissionais presentes; utilizar as indicações de “verdadeiro, falso ou em dúvida”, referentes às imagens e mitos apresentados,possibilitoudescontração e leveza. O conhecimento prévio das gestantes sobre as IST era satisfatório e foi valorizado. As gestantes mencionaram o uso de preservativo e ainda o entendimento sobre o caráter não protetivo da gestação, objetivos da ação. Reforçou-sea importância do pré-natal, comparecer ao grupo de gestantes, ressaltando-se a troca de informações, esclarecimento de possíveis dúvidas e resolutividade da equipe de saúde.Conclusão: realização da educação em saúde sobre as IST na gestação mostrou-se efetiva ao se proporcionar o diálogo, interação, a troca de experiências, saberes e vivências, e a construção conjunta do conhecimento, sendo então, tais elementos evidenciados como importantes para a promoção da saúde e a prevenção de doenças, e para o desenvolvimento de uma consciência crítica e reflexiva das gestantes acerca de seu processo saúde-doença, ao torná-las ativas no processo de aprendizagem.


Keywords


Infecções Sexualmente Transmissíveis; Enfermagem Obstétrica; Educação em Saúde.

References


PEDROSA VL, GALBAN E, BENZAKEN AS, VASQUEZ FG, IZAN JUNIOR JL. DST e suas Determinantes: Quatro Anos de Vigilância em um Centro Sentinela no Estado do Amazonas – Brasil.DST – J bras Doenças Sex. Transm. 2011;23(2):57-65.

COSTA MC, DEMARCHEB, AZUALY DR,PÉRISSÉ ARS, DIAS MFRG,NERY JA C. Doenças Sexualmente Transmissíveis na Gestação: Uma Síntese de Particularidades.AnBrasDermatol. 2010;85(6):767-785.

BRASIL. Ministério da Saúde. Comissão Nacional de Incorporação de Tecnologias no SUS/CONITEC. Protocolo Clínico e Diretrizes Terapêuticas Infecções Sexualmente Transmissíveis. Brasília: Ministério da Saúde, 2015. 121 p.

OLIVEIRA AS,LIMA TM,CAMPOS FC,BEZERRA KC,ORIÁ MOB,DAMASCENO AKC.Avaliação da Prevalência de Infecções Genitais em Gestantes Atendidas em Consulta de Enfermagem Ginecológica.Rev. Enferm. UERJ. 2013;21(2):228-233.

CAMILLO BS, NIETSCHE EA, SALBEGO C, CASSENOTE LG, OSTO DSS, BOCK A. Ações de Educação em Saúde na Atenção Primária à Gestantes e Puérperas: Revisão Integrativa.Rev. Enferm.UFPE. 2016;10(6):4894-901.


Refbacks

  • There are currently no refbacks.