Chinkungunya pacientes infectados casos e a relação com a mudança climática em Alagoas, Brasil / Chinkungunya pacientes infected cases and the relation with climate changing in Alagoas, Brazil

Lucas Gazzaneo Gomes Camelo, Lucas Pacheco Vital Calazans, Rafael de Almeida Omena, Emanuelle Cavalcante Pimentel, Valéria Cristina de Melo Lopes, Magliones Carneiro de Lima, Jair Faé, Marcos Reis Gonçalves, Cristiane Monteiro da Cruz

Abstract


Introdução: a chikungunya é uma patologia febril causada pelo vírus chikungunya, um alfavírus pertencente à família togaviridae. no brasil, o primeiro caso registrado foi em 2010. objetivo: correlacionar os casos notificados e positivos de chikungunya com a sazonalidade dos anos de 2014 a 2017 como fator extrínseco potencializador de patologias em alagoas. desenho do estudo: estudo epidemiológico observacional descritivo. métodos: estudo baseado na avaliação de 6.501 amostras de sangue de indivíduos no período de 2014 a 2017 no laboratório central de alagoas através de sorologia para igm, igg, rttr e rtpcr, correlacionando com dados de variações meteorológicas do instituto nacional de meteorologia no referido período. aliado a isso, foi realizada uma análise documental dos boletins epidemiológicos semanais do ministério da saúde nesses anos. resultados: em 2014 e 2015 nenhum exame realizado foi significativo para detectar a presença da doença. em 2016, 477 exames (rttr e rtpcr) foram realizados e 290 (62%) detectaram a doença. a pluviosidade média desse ano foi 1,76mm, e a temperatura média foi 26,17°c. em 2017 (até agosto), 536 exames (rttr e rtpcr) foram realizados e 288 (53,7%) detectaram a doença. a pluviosidade média desse ano foi 14,13mm, e a temperatura média foi 25,79°c. em 2014, até a semana epidemiológica (se) 53 foram contabilizados 3.657 casos. em 2015, até a se 48, foram notificados 17.765 casos. em 2016, até a se 49, 263.598 casos foram registrados, sendo 229.157 na região nordeste. em 2017, até a se 35 foram notificados 171.930 casos; 130.910 foram na região nordeste (76,14%) e 437 no estado de alagoas (0,25%). discussão: diversos exames laboratoriais são importantes para a detecção do vírus (rttr, rtpcr, igg/elisa, igg/gage, igm/elisa, igm/mace). através do conhecimento e compreensão dos dados epidemiológicos relacionados a essa patologia é possível esclarecer a situação atual em que se encontra as regiões brasileiras. a partir disso, a população poderá ser beneficiada uma vez que debates serão fomentados e novos estudos e pesquisas sobre o tema poderão ser desenvolvidos. conclusão: apesar do aumento do índice pluviométrico e das mudanças de temperatura, não foi observado uma mudança significativa dos casos de chikungunya. há a possibilidade de que as alterações de chuva e temperatura causem um aumento, mas que seja mascarado por outros fatores. 

 


Keywords


Febre de Chikungunya. Mudança climática. Sorologia. Vírus Chikungunya.

References


Pialoux G, Gaüzère BA, Jauréguiberry S, Strobel M. Chikungunya, an epidemic arbovirosis. Lancet Infect Dis. 2007;7(5):319-27.

Ross RW. The Newala epidemic. III. The virus: isolation, pathogenic properties and relationship to the epidemic. J Hyg (Lond). 1956;54(2):177-91.

CASTRO, Anita Perpetua Carvalho Rocha de; LIMA, Rafaela Araújo; NASCIMENTO, Jedson dos Santos. Chikungunya: vision of the pain clinician. Revista Dor, v. 17, n. 4, p. 299-302, 2016.

Chow A, Her Z, Ong EK, Chen JM, Dimatatac F, Kwek DJ, et al. Persistent arthralgia induced by Chikungunya virus infection is associated with interleukin-6 and granulocyte macrophage colony-stimulating factor. J Infect Dis. 2011;203(2):149-57.

OLIVEIRA, Consuelo Silva; DA COSTA, Pedro Fernando. Risco do chikungunya para o Brasil. Rev Saúde Pública, v. 49, p. 58, 2015.

Labadie K, Larcher T, Joubert C, Mannioui A, Delache B, Brochard P, et al. Chikungunya disease in nonhuman primates involves long-term viral persistence in macrophages. J Clin Invest. 2010;120(3):894-906.

Saxena AA, Jawatkar J, Murthy JM, Rath A, Guruprasad H. Entrapment neuropathies in chikungunya arthritis: clinical and electrodiagnostic study. Ann Indian Acad Neurol. 2008;11(2):142.

ALBUQUERQUE, I. G. C. et al. Chikungunya virus infection: report of the first case diagnosed in Rio de Janeiro, Brazil. Revista da Sociedade Brasileira de Medicina Tropical, Brasília, DF, v. 45, n. 1, p. 128-129, 2012. Disponível em: . Acesso em: 27 de out de 2017.

HAAG, A.J.P. et al. VÍRUS CHIKUNGUNYA E SUAS IMPLICAÇÕES EPIDEMIOLÓGICAS NO BRASIL E NO MUNDO. Anais de Medicina, 2016. Disponível em: < http://editora.unoesc.edu.br/index.php/anaisdemedicina /article/view/12087>. Acesso em: 27 de out de 2017.


Refbacks

  • There are currently no refbacks.