Epidemiologia do tétano neonatal no Norte do Brasil entreos anos 2007 a 2017, Região Prioritária / Neonatal tetanus epidemiology in Northern Brazil between 2007 and 2017, Priority Area

Letícia Gomes de Oliveira, Marcielle Ferreira da Cunha Lopes, Kewinny Beltrão Tavares, Ewellyn Natália Assunção Ferreira, Fabiana Costa Mourão, Aline da Silva Abreu, Dolanno Ferreira Alves, Herald Souza dos Reis

Abstract


Tétano Neonatal (TNN) é uma doença infecciosa aguda, não-contagiosa, causada pelo Clostridium tetani, que acomete o recém-nascido na primeira semana, podendo variar de 2 a 28 dias. O TNN é uma doença que normalmente apresenta prevalência em locais subdesenvolvidos. A região Norte por ser uma área com IDH baixo apresenta alta taxa de incidência de TNN no Brasil. Entre 2007 a 2017 ocorreram 35 casos de TNN no Brasil, sendo 15 casos na Região Norte (43%) e dentre estes 8 casos (53,3%) ocorreram especificamente no Pará. Nesse mesmo período foram registrados 8 óbitos no país, 5 (62,5%) somente no Pará. Embora, em 2013 tenha sido priorizada a intensificação de medidas de controle na região norte, a meta da OMS ainda não foi alcançada nestas áreas. Além da vacina, o parto limpo, cuidados higiênicos e adequados com o coto umbilical são fundamentais para o controle da infecção.

 


Keywords


Tétano Neonatal, Epidemiologia e Puérperio

References


Brasil. IBGE. Aspectos Demográficos - Informações Gerais. 2018. Disponível em: . Acesso em: 10 Dez. 2018

Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Departamento de Vigilância Epidemiológica. Doenças infecciosas e parasitárias. Guia de bolso. 8. ed. ampliada, 2010.

Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Guia de Vigilância Epidemiológica. 7.ed. Brasília, 2009. P27-36. Disponível em: . Acesso em: 07 set. 2017.

Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Informe Epidemiológico - Tétano Neonatal. 2018. Disponível em: . Acesso em: 21 dez. 2018.

Brasil. Ministério da Saúde. Tétano acidental. In.: Guia de Vigilância em Saúde. Brasília-DF. 2014. Disponível em: http://portalsaude.saude.gov.br/images/pdf/2015/fevereiro/06/guia-vigilanciasaudeatualizado-05-02-15.pdf. Acesso em: 17 nov. 2018.

Brasil. Ministério Nacional de Saúde (Ed.). Tétano neonatal – Situação epidemiológica - Dados. 2017c. Disponível em: http://portalms.saude.gov.br/saude-de-a-z/tetano-neonatal/11467-situacao-epidemiologica-dados. Acesso em: 17 abr. 2018.

Brasil. Ministério Nacional de Saúde (Ed.). Tétano neonatal. 2017b. Disponível em: . Acesso em: 05 nov. 2018.

Brasil. Guia de Vigilância em Saúde. 2. ed. Brasília, DF, 2017a.

Campos LCM, Silva KCV. A prevenção do mal-dos-sete-dias ou mal-de-umbigo por meio da prática da fomentação: reconhecimento, compreensão e valorização dos saberes tradicionais. 2011. Disponível em: . Acesso em: 11 dez. 2018.

Cascudo, LDC. Dicionário do Folclore Brasileiro. 9ª ed. São Paulo: Global Editora, 2000.

Edet EE, Ikpeme BM, Ndifon WO, Oyo-Ita AE. Factors associated with missed opportunities to immunize with tetanus toxoid at a tertiary health institution in Nigeria. CentrAfr J Med 1998;44(8):199¬202.

França E, Lansky S. Mortalidade infantil neonatal no Brasil: situação, tendências e perspectivas. Anais, p. 1-29, 2016. Disponível em: . Acesso em: 22 dez. 2018

IBGE. Brasil. Estimativas da população residente no Brasil e Unidades da Federação com data de referência em 1º de julho de 2016. 2016. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. 12 de setembro de 2016. Acesso em: 22 de dezembro o de 2018.

IBGE. Divisão Territorial do Brasil e Limites Territoriais. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). 1 de julho de 2008. Acesso em: 22 de dezembro de 2018.

Marques S. Neonatal Mortality and Surfactant Use in Premature Babies. Goiânia, Brazil: Federal University of Goiás, 2002 [Master’s thesis in Portuguese].

Mattos LMBB de et al. Oportunidades perdidas de imunização antitetânica de gestantes de Juiz de Fora, Minas Gerais, Brasil. Revista Panamericana de Salud Pública, v. 14, p. 350-354, 2003.

Melgaard B, Mutie, DM & Kimani, G. 1988. A cluster survey of mortality due to neonatal tetanus in Kenya. International Journal of Epidemiology, 17:174-177.

Murahovschi J. Tétano dos recém-nascidos: revisitado. Revista Paulista Pediátrica, 26(4):312- 314, 2008. Disponível em: Acesso em: 09 Dez 2018.

Olusegun B, Parakoy B. 1991. Cluster survey for poliomylites and neonatal tetanus in Illorin, Nigeria. International Journal of Epidemiology, 20:515-520.

Ranking decrescente do IDH-M dos municípios do Brasil. Atlas do Desenvolvimento Humano. Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD). 2010. Acesso em: 22 de dezembro de 2018.

Resolução nº 1 da Presidência do IBGE, de 15/01/2013. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. 15 de janeiro de 2013. Consultado em 10 de dezembro de 2018

Ribeiro MB, Brandão MNM. A produção científica sobre o coto umbilical. Revista Interdisciplinar Novafapi, Teresina. v. 4, n. 3, p. 54-59, jul./ago/set. 2011. Disponível em: Acesso em: 09 Dez 2018.

Silva SP et al. Higiene corporal e cuidado com coto umbilical do recém-nascido. Anais do EVINCI-UniBrasil, v. 1, n. 3, p. 195-195, 2016

Sociedade Brasileira de Pediatria (Brasil). Departamento de Neonatologia. Tempo de permanência hospitalar do recém-nascido a termo saudável. 2012. Disponível em: . Acesso em: 05 dez. 2018.

Tomasi E, et al. Qualidade da atenção pré-natal na rede básica de saúde do Brasil: indicadores e desigualdades sociais. 2017. Disponível em: . Acesso em: 09 Dez. 2018

Vieira LJ. Reconstruindo a trajetória de mães de crianças que morreram por tétano neonatal em Minas Gerais. Tese de Doutorado, Escola de Enfermagem de Ribeirão Preto (EERP), Universidade de São Paulo (USP), 2005.

WHO (World Health Organization), 1988. Expanded Programme on Immunization. WeeklyEpidemiological Record, 3.


Refbacks

  • There are currently no refbacks.