Epidemiologia de pacientes de uma UTI em um hospital público do Paraná que desenvovleram sepse comunitária / Epidemiology of patients of a UTI in a public hospital of Paraná who developed community sepse

Maiara Cristina De Cesaro, Franciele do Nascimento Santos Zonta

Abstract


Sepse é a resposta produzida pelo organismo decorrente de uma infecção, sendo que a sepse comunitária é constatada na admissão do paciente ao hospital e este não deve ter registro recente de internação. Tem-se por objetivo identificar o perfil epidemiológico da sepse de origem comunitária em um hospital público do Paraná no período de janeiro de 2012 a janeiro de 2017. Foi feita uma pesquisa de campo, retrospectiva documental de abordagem quantitativa.A amostra foi composta por 1557 prontuários de pacientes, 1112 desenvolveram sepse, sendo que 554 a origem foi comunitária. Destes 345 (62,3%) eram do sexo masculino e 209 (37,7%) do sexo feminino, com idade acima de setenta anos 25,8%. Entre os 554 pacientes, 240 (43,3%) permaneceram até sete dias internados, sendo que o tipo de paciente foi clínico em 322 (58,1%), a fonte de infecção predominante por 234 (42,2%) foi pulmonar e o óbito ocorreu em 321 (57,9%) pacientes. Quanto à classificação da sepse 223 (40,3%) desenvolveram choque séptico, 297 (53,6%) sepse e 34 (6,1%) SIRS. O estudo mostrou um elevado número de mortes, ressaltando a necessidade de melhores ações profissionais no controle e na prevenção de infecções no Brasil.


Keywords


Perfil Epidemiológico; Sepse; Corrente Sanguínea;Origem; Hospital

References


BILEVICIUS, E.et al. Multipleorganfailure in septicpatients. BrazilianJournalofInfectiousDiseases, v. 5, n. 3, p. 103-110, 2001.

CRUZ, L. L.; MACEDO, C. C. Perfil epidemiológico da sepse em hospital de referência no interior do Ceará. Id onLineRevista de Psicologia, v. 10, n. 29, p. 71-99, 2016.

FARIA, A. L. S. et al. Sepse grave e choque séptico na unidade de terapia intensiva de adultos do hospital de clínicas da Universidade Federal de Uberlândia: avaliação dos critérios de definição, etiologia e fenótipos de resistência. Saúde Coletiva, v. 8, n. 49, 2011.

FINFER, S.et al. Adult-populationincidenceofseveresepsis in Australianand New Zealandintensivecareunits. Intensivecare medicine, v. 30, n. 4, p. 589-596, 2004.

HENDERSON, K. L. et al. Community-acquired, healthcare-associated and hospital-acquired bloodstream infection definitions in children: a systematic review demonstrating inconsistent criteria. Journalof Hospital Infection, v. 85, n. 2, p. 94-105, 2013.

KOURY, J. C. A.; LACERDA, H. R.; NETO, A. J. B. Características da população com sepse em unidade de terapia intensiva de hospital terciário e privado da cidade do Recife. Revista Brasileira de Terapia Intensiva, v. 18, n. 1, p. 52-58, 2010.

LE, J. G.; ALBERTI, C.; BRUN, C. B. Epidemiologyofinfectionandsepsis in intensivecareunitpatients. Bulletin de l'Academienationale de medecine, v. 188, n. 7, p. 1115-25; discussion 1125-6, 2004.

MARTIN, G. S.; MANNINO, D. M.; MOSS, M. The effectof age onthedevelopmentandoutcomeofadultsepsis. Criticalcare medicine, v. 34, n. 1, p. 15-21, 2006.

PADKIN, A.et al. Epidemiologyofseveresepsisoccurring in thefirst 24 hrs in intensivecareunits in England, Wales, andNorthernIreland. Criticalcare medicine, v. 31, n. 9, p. 2332-2338, 2003.

SILVA, E.et al. Braziliansepsisepidemiologicalstudy (BASES study). CriticalCare, v. 8, n. 4, p. R251, 2004.

SOUSA, A. F. L. et al. Social representationsofcommunity-acquiredinfectionbyprimarycareprofessionals. Acta Paulista de Enfermagem, v. 28, n. 5, p. 454-459, 2015.


Refbacks

  • There are currently no refbacks.