Treinamento de força para promover a qualidade de vida / Strength training to promote quality of life

Elisângela de Andrade Aoyama, Felipe Jardel Rodrigues Pereira, Thiago Sales de Lima, Ludmila Rocha Lemos, Rafael Assunção Gomes de Souza

Abstract


O treinamento de força está diretamente ligado à prática de musculação, indicado para todas as diferentes categorias de pessoas, levando em consideração os princípios da individualidade biológica para a prescrição do treino a ser executado. Este estudo tem por objetivo apresentar os benefícios do treinamento de força.A pesquisa do tipo quantitativa foi realizada com aplicação de questionário estruturado, entre ambos os sexos dos estudantes do curso de Educação Física da Instituição de Ensino Superior Faciplac.Buscou-se trabalhos publicados em português e inglês, nas bases eletrônicas PubMed, Scielo e Lilacs, entre 2002 e 2016, utilizando os descritores benefícios, musculação e treinamento de força.Nesta pesquisa foram obtidos resultados satisfatórios para praticantes de treinamento de força (80%) e práticas de exercício físico (83%), porém 60% afirmaram buscar na internet estratégias de treinos e dietas sem acompanhamento de profissionais qualificados, mesmo considerando importantes (57%). Estão cientes que o treinamento de força não está ligado apenas à estética (90%) e que há mais benefícios (63%) que riscos (27%), mesmo sentindo desconforto (33%) ou dores (90%) durante os exercícios. Percebe-se que há muito o que mudar em relação a prática de treino de força e os preceitos que o cercam, principalmente por falta de conhecimento das pessoas.

 


Keywords


Benefícios, musculação e treinamento de força.

References


Lussac RMP.Os princípios do treinamento esportivo: conceitos, definições, possíveis aplicações e um possível novo olhar. EFDeports. 2008; 13(121).

Arruda DP, AssumpçãoCO, Urtado CB, Dorta LNO, Rosa MRR, Zabaglia R, Souza TMF. Relação entre treinamento de força e redução do peso corporal. 2010; 4(24):605-609.

[

QueirozCO, MunaroHLR. Efeitos do treinamento resistido sobre a força muscular e a auto percepção de saúde em idosas. Rev. bras. geriatr. gerontol. 2012; 15(3):547-553.

Lopes CDC, Magalhães RA, Hunger MS, Anderson Martelli A. Treinamento de força e terceira idade: componentes básicos para autonomia. Arch Health Invest. 2015;4(1): 37-44.

Nogueira IC, Santos ZMSA, Mont´Alverne DGB, Martins ABT, Magalhães CBA. Efeitos do exercício físico no controle da hipertensão arterial em idosos: uma revisão sistemática. Rev. bras. geriatr. Gerontol. 2012; 15(3):587-601.

Carvalho ML, Brun G, Chupel MU, Souza WC, Souza WB, Grzelczak MT, Mascarenhas LPG. Eficácia do método de musculação drop-setrelacionando força e composição corporal. Saúde Meio Ambiente. 2014;3(2):35-43.

Albino ILR, Freitas CR, Teixeira AR, Gonçalves AK, Santos AMPV, Bós AJG. Influência do treinamento de força muscular e de flexibilidade articular sobre o equilíbrio corporal em idosas. Rev. bras. geriatr. Gerontol. 2012;15(1):17-25.

Silva Filho JN, Cordeiro RCFSC, Cruz AP, Godoi Filho JRM, Saraiva B, Ferreira RA. Efeitos do exercício físico de força sobre o desenvolvimento ósseo em crianças e adolescentes: uma revisão sistemática. Rev. Bras. prescrição e fisiologia do exercício. 2015;9(51):40-47.

Marquez TB, Zamai CA, Vieira MS, Silva SM, Rodrigues AA. Treinamento de força em indivíduos de meia e terceira idade. RESMA. 2016;2(1):49-57.

Prado ES, Dantas EHM. Efeitos dos Exercícios Físicos e Aeróbios e de Força nas Lipoproteínas HDL, LDL e Lipoproteína. Arq. Bras. Cardiol. 2002; 79(4):429-33.

Keller KD, Keller BD, Augusto IK, Bianchi PD, Sampedro RMF.Avaliação da pressão arterial e da frequência cardíaca durante imersão em repouso e caminhada. Fisioter. Mov. 2011; 24(4):729-36.


Refbacks

  • There are currently no refbacks.