Tratamento fisioterapêutico para adolescentes com escoliose idiopática / Physiotherapy treatment for adolescents with idiopathic scoliosis

Ana Caroliny Alves Silva Borges, Thifany Paulino de Souza, Gabriela Meira De Moura Rodrigues, Eliane Maria de Oliveira Monteiro, Elivânia Rodrigues de Souza Assunção, Rafael Assunção Gomes de Souza

Abstract


A escoliose idiopática do adolescente é definida como uma curva lateral e rotacional da coluna vertebral, medindo pelo menos 10 graus, seu diagnóstico é feito por exclusão e por analises clinicas. Os problemas posturais associados com a coluna vertebral são cada vez mais comuns na sociedade atual, Por tanto se vê necessário o seguinte estudo, para que com o conhecimento sobre a escoliose idiopática em jovens, ocorra a diminuição da porcentagem de casos. Identificar possíveis tratamentos da adoção da fisioterapia para adolescentes com Escoliose Idiopática. Trata-se, de uma revisão de literatura, onde foram utilizados artigos de autoria nacional e internacional que salientam os aspectos que envolvem o processo histórico do estudo da Escoliose Idiopática na fase da adolescência. Escoliose Idiopática tem maior incidência de casos em adolescentes a partir dos 10 anos, por conta da postura incorreta muito comum a partir dessa idade. Tendo como principais métodos para tratamento e reabilitação do paciente: Reeducação Postural Global (RPG), colete (órtese) e a cirurgia. Conclui-se que a Escoliose Idiopática é uma deformidade lateral na coluna vertebral que progride a partir dos 10 graus. Essa deformidade pode ter dois formatos, em “S” ou “C”, no entanto, alterações posturais abaixo de 10 graus não são consideradas como escoliose. Para fazer o diagnóstico, devem ser utilizados procedimentos como o diagnóstico clínico postural de gibosidade, fotografia e a radiografia, pois deve ter uma diligência, já que o tratamento errado pode ter graves complicações e até provocar uma lesão medular.

 


Keywords


Adolescentes. Escoliose Idiopática. Tratamento.

References


Bunnell, WP. SelectiveScreening for scoliosis. Clin OrthopRelatedResearch 2005; 434: 40-5.

Martelli RC,Traebert J. Estudo descritivo das alterações posturais de coluna vertebral em escolares de 10 a 16 anos de idade. Tangará-SC. RevBras Epidemiol 2006; 9(1): 87-93.

Segura DCA et al. Efeitos da Reeducação Postural Global aplicada em adolescentes com escoliose idiopática não estrutural. Arquivos de Ciências da Saúde da UNIPAR, v. 17, n. 3, 2015.

Monteiro SMRC. Alterações da curvatura da coluna vertebral: influência da fisioterapia, a nível neuromuscular. 2013. Tese de Doutorado. Escola Superior de Tecnologia da Saúde de Lisboa.

Cunha ALLM,Rocha LEM,Cunha LAM. Método de Cobb na escoliose idiopática do adolescente: avaliação dos ângulos obtidos com goniômetros articulados e fixos. Coluna/Columna, v. 8, n. 2, p. 161-170, 2009.

Souza J, Vitorino J et al. Perfil dos desvios posturais da coluna vertebral em adolescentes de escolas públicas do município de Juazeiro do Norte-CE. Fisioterapia e Pesquisa, v. 18, n. 4, p. 311- 316, 2011.

Contri DE,Petrucelli A,Perea DC. Incidência de desvios posturais em escolares do 2º ao 5º ano do Ensino Fundamental. ConScientiae Saúde, v. 8, n. 2, 2009.

GreinerKA. Adolescentidiopathicscoliosis: radiologicdecision-making. American Family Physician 2002; 65: 1817-22

Rocha EST,Pedreira ACS. Problemas ortopédicos comuns na adolescência. J Pediatr (Rio J), v. 77, p. 225-33, 2001.

Cabral LTB et al. Avaliação da qualidade de vida em pacientes com escoliose idiopática do adolescente após tratamento cirúrgico pelo questionário SF-36. Coluna/Columna, v. 8, n. 3, p. 315- 22, 2009.

Haje SA et al. Órtese inclinada de uso contínuo e exercícios para tratamento da escoliose idiopática: uma nova proposta. Brasília méd, v. 45, n. 1,


Refbacks

  • There are currently no refbacks.